Lula está errado

Imagem: Eugênio Barboza
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

O elevado estoque de reservas internacionais, realizado nos governos Lula e Dilma, confere margem de manobra à economia caso o governo saiba o que fazer com isso

Que economia herdará o futuro presidente? Vamos dizer que seja o Lula. Ele tem dito que pegará, se eleito, um país muito pior do que em 2003, quando chegou à Presidência da República pela primeira vez.

Será verdadeira essa afirmativa para o campo econômico? Para algumas áreas sim, mas não para todas, e em especial não para uma que é de importância estratégica: a situação das contas externas – crucial para definir a vulnerabilidade do País a pressões estrangeiras. Sem levar esse aspecto na devida conta, não se forma uma avaliação realista das opções que se oferecem a um novo governo.

 

FHC deixou tudo pendurado por barbante

Começo avaliando brevemente o quadro econômico na época em que Lula venceu as eleições de 2002. Fernando Henrique Cardoso deixava a Presidência depois de oito anos no poder. Os resultados na área econômica foram sofríveis, de modo geral. FHC controlou a inflação, sim, mas deixou tudo mais pendurado por barbante, como já tive ocasião de mostrar (em livro de 2005, O Brasil e a Economia Internacional). No final do governo, até a inflação já escapava do controle.

A fragilidade externa brasileira, durante o período FHC, de 1995 a 2002, decorria de um substancial déficit em conta corrente, da dependência de capitais externos, da liberalização prematura dos movimentos de capital e do nível reduzido das reservas internacionais. A restrição externa era, na verdade um problema crônico desde a década de 1980, nunca superado – e agravado pela apreciação cambial decorrente do Plano Real.

No período 1999-2001, as reservas brasileiras ficaram em torno de apenas US$30 a 35 bilhões. Quando a crise se agravou em 2002, em parte por causa dos receios da vitória de Lula, o Banco Central estava sem bala na agulha. Não aproveitara os períodos de relativa tranquilidade para reforçar o seu caixa em moeda estrangeira. A solução melancólica foi recorrer mais uma vez ao FMI. Em dezembro de 2002, no final do governo FHC, as reservas líquidas, deduzidas as obrigações com o Fundo, eram de apenas US$ 17 bilhões.

Bem, não é preciso ter passado, como eu, oito anos e meio no FMI para saber o que isso significa. Um país que recorre ao Fundo perde autonomia na condução da sua política econômica. Fica obrigado a seguir os preceitos da instituição, nem sempre adequados e bem adaptados às peculiaridades nacionais. E mais importante: o FMI é um órgão ao mesmo tempo técnico e político. Os países avançados, particularmente dos Estados Unidos, dominam a instituição. Recorrer ao FMI significa, na prática, recorrer aos EUA, com tudo que isso significa Apesar da redistribuição de quotas e votos que conseguimos fazer quando eu lá estava, em 2008 e 2010, essa afirmativa permanece válida. E, com um pedido de desculpas pela segunda autocitação, remeto a meu livro O Brasil não cabe no quintal de ninguém, onde se pode encontrar uma discussão da economia política do FMI.

 

O setor externo da economia brasileira

Mas não quero ficar muito tempo no passado. Como está o quadro hoje? A situação externa do Brasil é muito melhor do que era em 2002. O déficit em transações correntes (balança comercial, serviços e rendas) é pequeno, de 1,7% do PIB em 2021. Isso porque o superávit da balança comercial compensa grande parte das despesas com serviços, juros da dívida externa e a pesada remessa líquida de lucros e dividendos ao exterior (quase US$ 30 bilhões no ano passado). O investimento direto líquido (descontado o investimento de residentes no exterior), que é uma forma mais estável de capital, cobre a quase totalidade do déficit em conta corrente.

O ponto central é o elevado estoque de reservas internacionais, resultado do esforço de acumulação realizado nos governos Lula e Dilma. Com muita demora, as autoridades econômicas brasileiras começaram a fortalecer as reservas de modo expressivo a partir de 2006 (outros países em desenvolvimento, notadamente na Ásia, começaram muito antes, na década de 1990). Pagamos o FMI antecipadamente e nos tornamos depois, pela primeira vez, credores da instituição. Subsequentemente, nos governos Temer e Bolsonaro, o nível de reservas ficou mais ou menos estável. Pelo menos nesse ponto não houve estrago no período pós-golpe. No final de 2021, as reservas estavam em US$ 362 bilhões, crescendo em relação a 2020, graças à alocação de DES (direitos especiais de saque) de US$ 15 bilhões. A situação do Brasil é muito mais confortável do que a de outros países emergentes, a Argentina e a Turquia, por exemplo.

 

Vulnerabilidades externas

Não quero, leitor, passar a impressão de que a nossa posição externa é invulnerável. Há pontos de fragilidade. Por exemplo: o que aconteceria com o déficit em transações correntes, que mede a dependência líquida de capitais externos, se houvesse retomada do crescimento da economia, especialmente em combinação com apreciação cambial? Em outras palavras, o déficit ajustado para excluir tanto efeitos cíclicos como uma depreciação cambial talvez exagerada é maior do que o déficit observado.

Outro problema potencial: o que aconteceria no caso de uma redução abrupta da liquidez internacional provocada por um endurecimento da política monetária dos Estados Unidos? Com uma conta de capitais muito aberta, o resultado seria uma forte pressão sobre a taxa de câmbio. É verdade que o câmbio flutuante confere alguma proteção, livrando o Banco Central de defender determinada meta cambial. As reservas também são uma garantia contra ameaças externas.

Porém, uma depreciação cambial adicional dificultaria o controle da inflação. E as reservas já não são mais o que foram em períodos anteriores. Elas devem ser avaliadas não apenas em termos absolutos, mas também em relação a outros indicadores relevantes. Desde 2015, elas vêm caindo gradualmente relativamente às importações de bens e serviços, em relação a um agregado monetário amplo (M2) e comparadas à dívida externa de curto prazo (por maturidade residual).

 

O futuro governo

Apesar dessas ressalvas, o ponto a reter é que o Brasil, em um aspecto crucial, está em posição consideravelmente melhor do que já esteve – não só em 2002, mas em boa parte das décadas de 1980 e 1990.

Isso confere margem de manobra ao governo brasileiro, atual e futuro. O atual governo não sabe o que fazer com isso. O futuro governo saberá?

*Paulo Nogueira Batista Jr. é titular da cátedra Celso Furtado do Colégio de Altos Estudos da UFRJ. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. Autor, entre outros livros, de O Brasil não cabe no quintal de ninguém (LeYa).

Versão ampliada de artigo publicado na revista Carta Capital, em 18 de fevereiro de 2022.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES