As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fascismo ontem e hoje

Dalton Paula, Retrato silenciado, 2014.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

DILMA ROUSSEFF*

Trecho inicial de capítulo da coletânea organizada por Julian Rodrigues e Fernando Sarti Ferreira, recém-lançada

Fascismo, ditadura militar e o legado da escravidão

No livro Fascismo e Ditadura, de Nicos Poulantzas, há uma interessante afirmação sobre a atualidade do fascismo: “Quanto à atualidade da questão do fascismo, digamos simplesmente que os fascismos – como, aliás, os outros regimes de exceção (ditadura militar, ditadura bonapartista) – não são fenômenos limitados no tempo. Podem muito bem ressurgir atualmente, mesmo nos países da área europeia. Na medida que se assiste a uma crise grave do imperialismo, crise que atinge o seu próprio centro. O ressurgimento, pois, do fascismo continua possível, sobretudo, hoje – mesmo que não se revista agora exatamente das mesmas formas históricas de que se revestiu no passado”.

Nessa perspectiva, vamos resgatar a análise do fascismo como algo atual, pois estamos vivendo a crise da etapa do neoliberalismo financeirizado, que engendra imensa desigualdade e extraordinária concentração de riqueza e renda. É isto que produz o caldo de cultura para o reaparecimento das tendências denominadas neofascistas, tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento.

É necessário, portanto, analisar o ressurgimento do fascismo atual a partir das características políticas que assume, em especial, quanto ao Estado. É importante ter em conta que o Estado Capitalista de Exceção não é, necessariamente, uma forma de Estado restrita a um momento histórico do capitalismo, ou seja, o fascismo dos anos 1920 e 1940. Pode-se pensá-lo no presente como integrando do período do capitalismo neoliberal porque o fascismo é uma possibilidade histórica que pertence ao tipo capitalista de Estado.

Sem dúvida, o fascismo é um “regime da forma de Estado Capitalista de Exceção”. Poulantzas entende que o Estado Capitalista admite variações que podem se manifestar consubstanciando-se na forma de Estado Capitalista Democrático ou, alternativamente, na forma “Estado Capitalista de Exceção”. Cada uma dessas formas de Estado admite, por sua vez, diferentes regimes.

O Estado Capitalista de Exceção comporta formas de regime não democráticos, como a ditadura fascista, a ditadura militar e a ditadura bonapartista. São diferentes regimes do Estado de Exceção que, na fase imperialista, e também no estágio do capitalismo imperialista neoliberal, seja em países capitalistas periféricos, seja em países centrais, podem, de acordo com as fases da luta de classes, assumir combinações distintas, entre a instituição repressiva (policial e militar), os diferentes aparelhos ideológicos (igreja, partido, família, imprensa) e as instituições econômico-financeiras e fiscais.

De forma esquemática, é possível observar diferentes combinações históricas, em determinadas fases do desenvolvimento do fascismo em determinada sociedade, por exemplo: no regime fascista espanhol, dominavam a Igreja e o aparelho repressivo militar; no regime fascista italiano, a predominância era do partido e do aparelho repressivo militar; e, na Alemanha, prevalecia a forte presença do partido e da polícia política, liderando o aparelho repressivo.

Deve ser esclarecido que o conceito de Estado Capitalista aqui considerado é constituído por um aparelho repressivo, formado pelas burocracias civil, militar e jurídica; uma variedade de aparelhos ideológicos, como os aparelhos políticos, escolar, religioso, de informação / comunicação e um aparelho econômico integrado pela gestão orçamentária-financeira-fiscal, banco central etc.

O fascismo nas suas formas históricas pressupôs a existência de um partido ou um movimento responsável pela mobilização permanente das massas populares e um destacamento paramilitar que assumia a violência política privada, portanto não estatal – em termos atuais, milicianos. Ao longo do processo de implantação, verificou-se a existência de relações de articulação e/ou disputa entre o aparelho partidário responsável pela violência e o aparelho repressivo do Estado. No início, o partido e o movimento dominam. Depois, progressivamente, quando o regime fascista se implanta, são devidamente enquadrados pela força do aparelho repressivo estatal, ou seja, pelo exército, pela administração, pela polícia e pela magistratura.

Ademais, o fascismo, ao contrário das ditaduras militares, geralmente chega ao poder de modo constitucional, por meio da corrupção das democracias. Assim, Hitler e Mussolini chegaram ao poder segundo as regras e as normas jurídicas do regime democrático parlamentar.

Na verdade, o fascismo ascende ao poder sobretudo porque neutraliza os aparelhos judiciário e legislativo, neutralização que só é possível porque as massas populares sofreram uma série de derrotas. Além disso, porque o fascismo conquistou o apoio do bloco de classes hegemônico que viu no fascismo um instrumento imprescindível para afirmar seu poder sobre o conjunto da sociedade.

Em resumo, durante o processo de “fascistização”, o aparelho repressivo do Estado parece perder parte do seu monopólio de exercício da força e da violência em proveito de milícias privadas. No entanto, deve ficar claro que só o bloco no poder lucra com isso, pois há clara conivência e relações cúmplices entre o aparelho repressivo e essas milícias, uma vez que, na maior parte dos casos, é o Estado que as arma ou, pelo menos, permite que elas se armem.

Uma das perguntas que Poulantzas procura responder e importante no caso brasileiro é: quais são as condições históricas que permitem a emergência do fascismo? De acordo com ele, o advento do fascismo seria, em linhas gerais, marcado: (a) pela derrota estratégica prévia do movimento operário e popular, o que significa que o processo de “fascistização” não ocorre quando há um forte movimento operário e popular organizado e situado na ofensiva política. Para o fascismo ser viável, tal movimento deve encontrar-se na defensiva política. Assim, não faz sentido pensar que a conjuntura aberta pelo processo de “fascistização” seja um momento marcado pela polarização entre fascismo e socialismo. Não. O fascismo só deita raízes nos momentos e lugares em que se depara com um movimento operário e popular débil e com movimentos e organizações sociais, sindicais e partidárias com dificuldades de exercer a representação organizada de amplas bases de trabalhadores e setores populares;

(b) pela ofensiva política da burguesia em seu conjunto contra as massas operárias e populares em meio a um processo de crise de hegemonia no seio do bloco no poder, que busca a adoção de sua agenda a qualquer preço, aliando-se ao movimento fascista. É essa ofensiva que permite a emergência de segmentos das classes médias (da pequena e média burguesia) como força social organizada ou no partido fascista ou em algum tipo de movimento conservador;

(c) pela constituição da aliança entre as classes médias (pequena e média burguesia) e o grande capital, estabelecida ao longo do processo, logrando confiscar e dirigir politicamente a base de massa do fascismo e avançando na direção da implementação da ditadura fascista. O momento de constituição desta aliança é caracterizado por Poulantzas como “ponto de não retorno”, indicando assim o caráter irreversível do processo de “fascistização” a partir daí;

(d) pelos diferentes papéis e funções exercidos pelas diferentes frações representadas no Estado. Trata-se do papel e das funções representadas, por exemplo, pela “fração de classe hegemônica”, que é aquela cujos interesses são impostos sobre as demais classes; pela “fração de classe reinante”, aquela que exerce o poder de forma aparente; e pela “fração de classe detentora do Estado”, aquela que controla o aparelho burocrático do Estado.

Vamos desenvolver, de forma mais concreta, esses três conceitos, aplicando-os ao Brasil. A fração de classe hegemônica é a fração do bloco no poder que detém prioridade sobre a política estatal. No caso brasileiro, por exemplo, é a fração financeira, expressa no complexo bancário-financeiro e na grande burguesia financeira industrial, agrícola e de serviços. Já a fração de classe que reina na cena política, o faz a partir de suas organizações, sendo que seus representantes podem variar. Por exemplo: no governo Temer seria a aliança entre o PMDB-PSDB; no governo Bolsonaro, o Centrão e a base bolso-miliciano-fascista. Já a fração que ocupa a alta administração do Estado, no governo Bolsonaro, seria o “partido militar”. Em muitos casos, a fração reinante se entrelaça com a fração que controla o aparelho de Estado.

*Dilma Rousseff, economista e política, foi presidenta do Brasil entre 2011 e 2016.

 

Referência


Julian Rodrigues e Fernando Sarti Ferreira. Fascismo ontem e hoje. São Paulo, Ed. Maria Antonia / Ed. Fundação Perseu Abramo, 2021.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Samuel Kilsztajn Leonardo Boff Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Mário Maestri Luiz Roberto Alves Jorge Luiz Souto Maior Marilena Chauí José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Celso Favaretto Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Celso Frederico Bruno Machado Julian Rodrigues Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Bueno Marcelo Módolo Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Otaviano Helene Érico Andrade Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Bernardo Ricupero Luiz Marques Afrânio Catani Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris Roberto Noritomi Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Walnice Nogueira Galvão Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Ladislau Dowbor Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Daniel Brazil Ronald León Núñez Ricardo Abramovay Henry Burnett Jean Pierre Chauvin Chico Alencar Salem Nasser Eleonora Albano Henri Acselrad Ricardo Antunes Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Vladimir Safatle Luis Felipe Miguel Gilberto Maringoni José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Luiz Costa Lima Marilia Pacheco Fiorillo Fernão Pessoa Ramos Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Antonino Infranca Jorge Branco José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Daniel Afonso da Silva Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Marcus Ianoni Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Eugênio Bucci João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho André Singer Boaventura de Sousa Santos Armando Boito Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Marjorie C. Marona Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque João Lanari Bo Eduardo Borges Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira Milton Pinheiro Gerson Almeida Andrew Korybko Leonardo Avritzer Gilberto Lopes João Carlos Salles Renato Dagnino Caio Bugiato Luiz Renato Martins Daniel Costa Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira José Luís Fiori Remy José Fontana Tadeu Valadares Igor Felippe Santos Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Musse Leda Maria Paulani Lincoln Secco Kátia Gerab Baggio Anselm Jappe Flávio Aguiar Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Eliziário Andrade Heraldo Campos Dennis Oliveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado Gabriel Cohn Berenice Bento Elias Jabbour Lorenzo Vitral Paulo Sérgio Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca João Feres Júnior Dênis de Moraes Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada