As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O colapso atual da ética

Imagem: Mati Mango
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

A globalização do capitalismo depredador e a mercantilização da sociedade atingem o coração da ética

Vivemos e sofremos no Brasil tempos sombrios sob o governo de Jair Bolsonaro, onde a ética foi enviada ao limbo e tudo praticamente valia (as fake news, as mentiras, a pregação da violência e a exaltação da tortura). Nos dias atuais assistimos, desolados, a guerra Rússia-Ucrânia. Esta guerra representa a negação de todos os valores civilizatórios, pois uma grande potência nuclear está literalmente destruindo uma pequena nação e seu povo.

Sem perder de vista os dois dados acima referidos, percebo dois fatores principais, entre outros, que atingem o coração da ética: a globalização do capitalismo depredador e a mercantilização da sociedade.

A mundialização do capitalismo, como modo de produção e sua expressão política, o neoliberalismo mostrou as consequências perversas da ética capitalista: seus eixos estruturantes são o lucro ilimitado, acumulado individualmente ou por grandes corporações, a concorrência desenfreada, o assalto aos bens e serviços da natureza, a flexibilização das leis e a redução ao mínimo do Estado em sua função de garantir uma sociedade equilibrada. Tal ética é altamente conflitiva porque não conhece a solidariedade, mas a concorrência que faz de todos adversários, senão inimigos a serem vencidos.

Bem diferente, por exemplo, é a ética da cultura maia. Esta coloca tudo centrado no coração, já que todas as coisas nasceram do amor de dois grandes corações, do Céu e da Terra. O ideal ético é criar em todas as pessoas corações sensíveis, justos, transparentes e verdadeiros. Ou a ética do “bien vivir y convivir” dos andinos, assentada no equilíbrio com todas as coisas, entre os humanos, com a natureza e com o universo.

A globalização, inter-relacionando todas as culturas, acabou também por revelar a pluralidade dos caminhos éticos. Uma de suas consequências está sendo a relativização generalidade dos valores éticos. Sabemos que a lei e a ordem, valores da prática ética fundamental, são os pré-requisitos para qualquer civilização em qualquer parte do mundo.

O que observamos é que a humanidade está cedendo diante da barbárie rumo a uma verdadeira idade das trevas mundial, tamanho é o descalabro ético que estamos vendo.

O segundo grande empecilho à ética é mercantilização da sociedade, aquilo que Karl Polaniy chamava já em 1944 de A grande transformação. É o fenômeno da passagem de uma economia de mercado para uma sociedade puramente de mercado.

Tudo se transforma em mercadoria, coisa já prevista por Karl Marx em seu livro A miséria da filosofia, de 1848, quando se referia ao tempo em que as coisas mais sagradas como a verdade e a consciência seriam levadas ao mercado; seria um “tempo da grande corrupção e da venalidade universal”. Pois vivemos este tempo.

A economia especialmente a especulativa dita os rumos da política e da sociedade como um todo que se caracteriza pela geração de um profundo fosso entre os poucos ricos e as grandes maiorias empobrecidas. Aqui se revelam traços de barbárie e de crueldade como poucas vezes na história.

Qual é a ética que nos poderá orientar como humanidade vivendo na mesma Casa Comum? É aquela ética que se enraiza naquilo que é específico nosso, enquanto humanos e que, por isso, seja universal e possa ser assumida por todos.

Estimo que que em primeiríssimo lugar é a “ética do cuidado”. Consoante a fabula 220 do escravo Higino, bem interpretada por Martin Heidegger em Ser e Tempo e detalhada por mim em Saber cuidar, constitui o substrato ontológico do ser humano, valer dizer, aquele conjunto de fatores objetivos sem os quais jamais surgiria o ser humano e outros seres vivos.

Pelo fato de o cuidado ser da essência do humano, todos podem vivê-lo e dar-lhe formas concretas, segundo as diferentes culturas. O cuidado pressupõe uma relação amigável e amorosa para com a realidade, da mão estendida para a solidariedade e não do punho cerrado para a competição. No centro do cuidado está a vida. A civilização deverá ser bio-sócio-centrada.

Outro dado de nossa essência humana é a “solidariedade” e a ética que daí se deriva. Sabemos hoje pelo bioantropologia que foi a solidariedade de nossos ancestrais antropóides que permitiu dar o salto da animalidade para a humanidade. Buscavam os alimentos e os consumiam solidariamente. Todos vivemos porque existiu e existe um mínimo de solidariedade, começando pela família. O que foi fundador ontem, continua sendo-o ainda hoje.

Outro caminho ético, ligado à nossa estrita humanidade, é a “ética da responsabilidade universal”. Ser responsável é dar-se conta das consequências benéficas ou maléficas de nossos atos pessoais e sociais. Ou assumimos juntos responsavelmente o destino de nossa Casa Comum ou então percorreremos um caminho sem retorno. Somos responsáveis pela sustentabilidade de Gaia e de seus ecossistemas para que possamos continuar a viver junto com toda a comunidade de vida.

O filosofo Hans Jonas que, por primeiro, elaborou O princípio responsabilidade, agregou a ele a importância do medo coletivo. Quando este surge e os humanos começarem a dar-se conta de que podem conhecer um fim trágico e até de desaparecer como espécie, irrompe um medo ancestral que os leva a uma ética de sobrevivência. O pressuposto inconsciente é que o valor da vida está acima de qualquer outro valor cultural, religioso ou econômico.

Importa também resgatar a “ética da justiça” para todos. A justiça é o direito mínimo que tributamos ao outro, de que possa continuar a existir e dando-lhe o que lhe cabe como pessoa: dignidade e respeito. Especialmente as instituições devem ser justas e equitativas para evitar os privilégios e as exclusões sociais que tantas vítimas produzem, particularmente no Brasil, um dos mais desiguais, vale dizer, mais injustos do mundo. Daí se explica o ódio e as discriminações que dilaceram a sociedade, vindos não do povo, mas daquelas elites endinheiradas que não aceitam o direito para todos mas querem preservar seus privilégios.

A justiça não vale apenas entre os humanos, mas também para com a natureza e a Terra que são portadores de direitos e, por isso, devem ser incluídas em nosso conceito de democracia sócio-ecológica.

Por fim, devemos incorporar uma “ética da sobriedade compartida” para lograr o que dizia Xi Jinping, chefe supremo da China “uma sociedade moderadamente abastecida”. Isto significa um ideal mínimo e alcançável.

Estes são alguns parâmetros fundamentais para uma ética, válida para cada povo e para a humanidade, reunida na Casa Comum. Caso contrário poderemos conhecer um Armagedon social e ecológico.

*Leonardo Boff, é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Como cuidar da Casa Comum (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Maria Rita Kehl Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque André Singer Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai José Raimundo Trindade Renato Dagnino Paulo Martins Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Berenice Bento Eugênio Trivinho Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Chico Alencar Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Otaviano Helene João Carlos Loebens Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Liszt Vieira Ronald Rocha Lorenzo Vitral João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Jean Pierre Chauvin Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Antonio Martins Thomas Piketty Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos André Márcio Neves Soares Ladislau Dowbor Elias Jabbour José Dirceu Anselm Jappe Daniel Brazil Carla Teixeira Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Marjorie C. Marona Afrânio Catani Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Juarez Guimarães José Luís Fiori Leonardo Sacramento Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Chico Whitaker Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Maringoni Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Eduardo Borges Ronald León Núñez Jorge Branco Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Michael Löwy Heraldo Campos Celso Favaretto Eugênio Bucci Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Mário Maestri Manuel Domingos Neto Igor Felippe Santos Michael Roberts Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Valério Arcary Sandra Bitencourt Marilena Chauí José Costa Júnior Lincoln Secco Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid Gabriel Cohn Salem Nasser Henri Acselrad Dênis de Moraes Roberto Bueno José Geraldo Couto Remy José Fontana Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Marcos Silva Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes Celso Frederico Roberto Noritomi Airton Paschoa José Micaelson Lacerda Morais João Feres Júnior Slavoj Žižek Vladimir Safatle Henry Burnett Luciano Nascimento Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Luís Fernando Vitagliano Vanderlei Tenório João Lanari Bo José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Milton Pinheiro Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Denilson Cordeiro Daniel Costa Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Armando Boito Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada