As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A pressão do mercado financeiro

Imagem: Sangeet Rao
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

O presidente eleito enfrenta, ao mesmo tempo, pelo menos três blocos hostis; o mais perigoso é formado pelo mercado financeiro e a mídia tradicional

Só o Lula mesmo! Imagine, leitor, a eleição de 2022 sem ele na disputa. Estaríamos neste momento diante de mais quatro anos de desastre e desagregação. Agora, leitor, imagine o dificílimo quadro pós-eleitoral sem Lula. Digo isso sem nenhuma satisfação ou idolatria. A nossa dependência em relação a um só homem é altamente problemática. Muito pior do que a dependência da seleção brasileira jamais foi em relação a Neymar.

Friedrich Nietzsche dizia que a capacidade de suportar sofrimento é o que determina a hierarquia. Lula tem essa capacidade em altíssimo grau. E é com ela que estamos contando (de novo!) para tentar superar os imensos desafios pós-eleição. Imensos porque a sociedade brasileira está profundamente degenerada. Não apenas os bolsonaristas estacionados em frentes aos quartéis ou bloqueando rodovias, mas grande parte das camadas dirigentes, do Congresso, do empresariado e da mídia. Há muitas exceções a isso, felizmente, mas o quadro geral é desolador.

O presidente eleito enfrenta, ao mesmo tempo, pelo menos três blocos hostis a ele e ao que ele representa: a extrema direita (rebelada contra o resultado das eleições com apoio de parte das Forças Armadas), a direita fisiológica que domina o Congresso (o chamado Centrão) e, last but not least, o capital financeiro. Este último, referido impropriamente como “mercado”, tem estreita ligação com a finança internacional e domina amplamente a mídia tradicional, que em geral vocaliza de modo automático e monótono seus interesses e preconceitos. A direita fisiológica e o capital financeiro são mais hipócritas e disfarçam sua hostilidade, mas ela é real e não deve ser subestimada.

Evidentemente, os três blocos não são estanques. Colaboram com frequência, e não raro ativamente. Aliaram-se, por exemplo, para patrocinar a devastação bolsonarista. Agora tentam inviabilizar ou capturar o novo governo. Estou exagerando? Não creio.

O bloco mais perigoso talvez seja aquele formado pelo capital financeiro e a mídia tradicional. É dele que gostaria de falar um pouco hoje.

Para além do óbvio – o nexo dinheiro/poder/influência – o perigo reside no fato de que boa parte desse bloco embarcou na famosa Arca de Noé do Lula. Em outras palavras, aderiu à frente ampla formada para derrotar o bolsonarismo nas eleições. Agora querem cobrar caro pela sua participação. Era previsível.

Imediatamente depois das eleições, sem dar tempo para a poeira baixar, promoveu-se uma campanha midiática para intimidar e enquadrar o presidente eleito. E a campanha continua. Uma verdadeira inquisição financeira, como notou Luiz Gonzaga Belluzzo.

O mote é a “responsabilidade fiscal” e as supostas indicações que Lula teria dado, depois da vitória eleitoral, de não entender a importância desse princípio. Ora, ora, nada que Lula tenha declarado depois das eleições diverge do que ele disse, repetidamente, durante a campanha. Ou ele não avisou, várias vezes, que não conviveria com o teto constitucional de gastos? E que o enfrentamento da crise social seria a prioridade número 1 do seu governo?

O debate econômico quase desapareceu da mídia tradicional. Há muito tempo. O que se tem, na maior parte do tempo, é a repetição monocórdia de uma mesma mensagem, dos mesmos slogans, transmitidos por economistas e jornalistas a serviço da turma da bufunfa. Não são muito frequentes os lampejos de inteligência ou criatividade. Como dizia Nelson Rodrigues, subdesenvolvimento não se improvisa. É obra de séculos.

O que está por trás do barulho todo? Em uma frase: o capital financeiro quer povoar o futuro governo Lula de funcionários do status quo. Como Lula não entregou, ou ainda não entregou os pontos, o barulho continua. Temos de tudo: entrevistas, editoriais, noticiário editorializado, opiniões, artigos e, de quebra, cartas abertas ao presidente eleito. O Banco Central já está sob comando do capital financeiro, graças à lei de autonomia, aprovada durante o governo Bolsonaro. Não é o suficiente, porém, para eles. Querem também o comando do Ministério da Fazenda e tentam induzir o presidente Lula a colocar lá alguém palatável, que não desafie seus interesses e privilégios. Alguém que dance conforme a música.

No entorno de Lula, no campo da esquerda ou da centro-esquerda, há muita gente de alto nível e espírito público. Por outro lado, há também gente ansiosa para agradar e se mostrar “responsável”, buscando viabilizar projetos individuais de poder. Instala-se assim uma race to the bottom, um nivelamento por baixo, com algumas pessoas disputando para ver quem se mostra mais confiável aos olhos do capital financeiro e da mídia corporativa.

É a síndrome de Palocci. O que o capital financeiro busca, na verdade, é um novo Palocci. E seus representantes manifestam, abertamente, o desejo de que o Lula 3 seja parecido com o Lula 1, isto é, aquele Lula dos anos iniciais de governo, mais dócil, enquadrado, com Antônio Palocci na Fazenda e Henrique Meirelles no Banco Central. Meirelles era um típico executivo do mercado financeiro, mais ou menos equivalente a Roberto Campos Neto, o atual presidente do Banco Central. Palocci era um político do PT que se viabilizou dando todas as garantias de que nada faria contra os poderes estabelecidos. E copiou descaradamente a política que vinha sendo seguida por seu antecessor, Pedro Malan, o ministro da Fazenda de Fernando Henrique Cardoso – sem nunca pagar os devidos direitos autorais. Colheu todos os elogios da Faria Lima e da mídia. Deslumbrou-se. E terminou melancolicamente, na traição mais abjeta.

Lula prometeu que voltaria “para fazer mais e melhor”. Não conseguirá se perder o controle da área macroeconômica do governo.

*Paulo Nogueira Batista Jr. é titular da cátedra Celso Furtado do Colégio de Altos Estudos da UFRJ. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. Autor, entre outros livros, de O Brasil não cabe no quintal de ninguém (LeYa).

Versão ampliada de artigo publicado na revista Carta capital, em 02 de dezembro de 2022.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carla Teixeira Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Ronald Rocha José Micaelson Lacerda Morais Bento Prado Jr. Alexandre de Freitas Barbosa Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Ricardo Musse André Márcio Neves Soares Antonio Martins Tarso Genro Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Módolo Ricardo Abramovay Henri Acselrad Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Lincoln Secco José Dirceu Eugênio Trivinho Alysson Leandro Mascaro José Luís Fiori Marjorie C. Marona Luiz Carlos Bresser-Pereira Jean Marc Von Der Weid Henry Burnett Annateresa Fabris Leonardo Sacramento José Costa Júnior Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Eduardo Borges José Geraldo Couto Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Chico Whitaker Andrew Korybko Otaviano Helene Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Eliziário Andrade Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Remy José Fontana Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Ronald León Núñez Marcelo Guimarães Lima Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos Leonardo Avritzer Afrânio Catani Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Salles Daniel Brazil Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Maria Rita Kehl André Singer Luis Felipe Miguel João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Anselm Jappe Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Valerio Arcary Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Lorenzo Vitral Michael Löwy Dênis de Moraes Sergio Amadeu da Silveira João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Mário Maestri Armando Boito Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães João Lanari Bo Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Roberto Noritomi José Raimundo Trindade Luiz Costa Lima Paulo Sérgio Pinheiro Celso Favaretto Vladimir Safatle Marcus Ianoni Gilberto Lopes Elias Jabbour Gerson Almeida Leonardo Boff José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani Luiz Marques Samuel Kilsztajn João Carlos Loebens Salem Nasser Tadeu Valadares Claudio Katz Celso Frederico Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Milton Pinheiro Jorge Branco Heraldo Campos Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Berenice Bento Manuel Domingos Neto Ricardo Antunes Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Roberto Bueno Vanderlei Tenório Slavoj Žižek Luciano Nascimento Valério Arcary Bernardo Ricupero Renato Dagnino Paulo Martins Carlos Tautz Bruno Machado Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada