As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Federações partidárias – um desafio à esquerda

Imagem: G. Cortez
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RAUL PONT*

Uma novidade positiva e um desafio aos partidos brasileiros

A aprovação da lei das Federações Partidárias foi um ponto fora da curva na última reforma do sistema eleitoral. Projetada para piorar as regras, a reforma não alcançou votos para retroceder às coligações eleitorais proporcionais nem o malfadado “distritão” que ocasionaria o fim dos partidos e da democracia e instalaria o reino do poder econômico e do personalismo na política brasileira.

Em vigência e em processo de regulamentação pelo TSE, o instituto da Federação traz uma novidade positiva e um desafio aos partidos brasileiros, principalmente, no campo da esquerda onde a questão da coerência, da verdadeira identidade de programa e objetivos comuns pauta a possibilidade da ação conjunta.

A nova lei é inédita e desafiadora num país com mais de 40 siglas com representação parlamentar ou em organização já apta a concorrer.

Ao exigir, para constituir a Federação dois ou mais partidos, (a) caráter nacional sem perda de soberania própria de cada participante, (b) programa comum, (c) unidade mínima por quatro anos, (d) listas unitárias e lideranças únicas das bancadas eleitas, (e) soma dos votos individuais e de legendas para a composição da proporcionalidade, a lei estabelece um desafio histórico aos partidos que se reivindicam da representação dos trabalhadores, do povo oprimido e lutam por uma sociedade socialista.

A luta histórica e estratégica dos socialistas foi e continua sendo a busca da unidade para enfrentar o inimigo comum, o capitalismo e as forças que o sustentam.

Do ponto de vista conjuntural e eleitoral a posição também se justifica. Nas eleições de 2020, a soma dos votos do campo de esquerda e de centro-esquerda alcançou apenas 20 milhões de votos (PT, PSOL, PC do B, PSB e PDT) num universo de 150 milhões de eleitores. A fragmentação partidária atual dificulta qualquer governo. A formação de blocos mais coesos e programáticos servirá, também, para dar mais governabilidade e legitimidade ao governo eleito em 2022.

A busca da unidade, da soma útil de todos os votos nas legendas e candidatos não apenas soma, mas possui uma potencialidade de multiplicação e de atração de eleitores simpatizantes e identificados pelo efeito demonstração da unidade. Nesse sentido não é demais lembrar que a cláusula de desempenho criada em 2017, agora em 2022 para a Câmara Federal será de 2% do colégio eleitoral.

O exemplo concreto dessa capacidade potencial é a manifestação permanente dos milhares que têm marchado conosco nas grandes jornadas nacionais de luta, com as frentes sociais e as centrais sindicais e que reivindicam a unidade das nossas forças na disputa política.

A história partidária no Brasil não nos favorece com experiências exitosas neste sentido e não desconhecemos que o sistema de 2 turnos ajuda mais a fragmentação do que a unidade, bem como da importância das candidaturas próprias para o fortalecimento partidário. Mesmo assim achamos que esses elementos devem ser secundarizados diante do momento crucial que vivemos onde o inimigo comum exige, sem nenhuma dúvida, a unidade do campo democrático, popular e socialista.

Nesse sentido, é positiva a recente decisão tomada pelo PT gaúcho. Sua Direção Estadual, reunida no dia 25 de novembro, aprovou resolução que toma a iniciativa e convida para uma mesa de diálogo os partidos do campo popular e socialista para debater a nova situação criada com a possibilidade da Federação partidária.

A nova lei é desafiadora aos partidos com maior identidade programática e que buscam uma coerência e um maior compromisso nas alianças políticas para governar. Um passo importante para a profunda reforma política que o Brasil precisa visando fortalecer sua frágil experiência democrática.

*Raul Pont é professor e ex-prefeito de Porto Alegre.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Werneck Vianna Luiz Carlos Bresser-Pereira Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Tadeu Valadares Leonardo Sacramento Bento Prado Jr. Antonio Martins Samuel Kilsztajn José Geraldo Couto Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Flávio R. Kothe Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Marjorie C. Marona Carla Teixeira Salem Nasser Chico Alencar João Adolfo Hansen Paulo Fernandes Silveira Vladimir Safatle Ladislau Dowbor Remy José Fontana Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni Mário Maestri Rafael R. Ioris Marilena Chauí Thomas Piketty José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Anderson Alves Esteves Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Módolo Fábio Konder Comparato Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Loebens Ricardo Musse Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Costa Lima Luiz Eduardo Soares Dênis de Moraes Luiz Roberto Alves João Sette Whitaker Ferreira Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Leonardo Avritzer Atilio A. Boron Marcos Silva Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca Ricardo Antunes Fernando Nogueira da Costa Valério Arcary Roberto Bueno Michael Roberts Gabriel Cohn Andrew Korybko Celso Favaretto Annateresa Fabris Eugênio Bucci João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez José Machado Moita Neto Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Mariarosaria Fabris Anselm Jappe Eliziário Andrade Henry Burnett André Singer Eduardo Borges Liszt Vieira Leonardo Boff Jorge Branco Juarez Guimarães Érico Andrade Caio Bugiato Chico Whitaker João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Trivinho Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Gilberto Lopes Maria Rita Kehl Lorenzo Vitral Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Rodrigo de Faria João Feres Júnior Fernão Pessoa Ramos Jean Pierre Chauvin Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos José Dirceu Benicio Viero Schmidt Paulo Capel Narvai Daniel Brazil Bruno Machado Celso Frederico Denilson Cordeiro Berenice Bento Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Marcelo Guimarães Lima Kátia Gerab Baggio José Luís Fiori Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Flávio Aguiar Paulo Martins João Lanari Bo Henri Acselrad Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Michael Löwy Roberto Noritomi José Costa Júnior Manchetômetro Armando Boito Antônio Sales Rios Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada