Fragmentos XXV

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

prêmio de consolação

viva
perdão morta
durinha e enroladinha
quentinha friinha
podia ser uma baguete
mas era uma menina
                                   palestina
e a portá-la em diagonal
podia ser uma francesa
mas era uma palestina
mas ganhou um prêmio – a foto
viva perdão morta perdão viva a tia e morta a sobrinha
e a menina não ganhou nada?
ganhou uma bala ou uma bomba
                                                      pelo que se sabe
mas nenhuma de chocolate

Histórias da ironia II

Gaza se recobria de gaza, o mais que podia, tripinha a vazar, tripinha de morte ferida, tripinha terminal. Quem te há de recordar? Alfarrábio esfarrapado, esquecido. Mas nós vimos! acompanhamos ao vivo o genocídio que te varreu. Mas quem há de crer em nós, que também passamos e deixamos passar?

cachorro morto

crianças brincam entre escombros
cachorros abanam o rabo
quando os há
                       rabos cachorros
homens à beira do abismo [brincam?]
mães descascam batata
há que fazê-los comer
palavras são inúteis
apelos também
os pelos são de cachorro morto
o rabo idem

Azul bach

Não se olha pra cima? não se enxerga um palmo adiante do nariz? Cometer como atrocidades tais e tantas debaixo dele, azul, azul manto, azul capela, azul canto, de inchar e estourar o tórax, azul bach… Se olha pra cima, sim, como não? ninguém é de ferro, se enxerga além do nariz, e bem além de palmo — até ele se enxerga (inda respirando) com mira telescópica.

De profundis

Quantas vezes não logramos a não ser ouvindo Bach respirar… Os pulmões enchem, como enche as catedrais o órgão de perder o fôlego, e ascendemos, gótico, grotesco, um palmo acima da terra, o teto a que aspirar pode, estourando, ser tão raso e rasteiro. Depois, toca tornar à laje fria, expirando.

Sortudo da vida

Tem notícia que te soterra nas cobertas e se tem um sono de pedra – com sorte. Ficou nas calendas russas a lenda da rua, da redenção, da revolução, da revelação, ou de que nome porte hoje a esperança de altermundismo. Outro mundo soa progressivamente sobrenatural… Mais um bafejo da caprichosa, viva! e te levantam e levam e botam uma pedra em cima.

A cena

Fazer o que lá embaixo? A pessoa acenava sem parar. O quê? Olhei pra cima, ver se era mesmo comigo. Ninguém. E a pessoa acenando, quê? como se fosse imprescindível minha presença. Olhei pra baixo com mais atenção, ver se via alguma coisa diferente. Nada. Postes, prédios, ar, tudo parado, nem os carros se mexiam. Se pulasse, recomeçava o movimento, quem sabe, e atendia o chamado. Mas fazer o que lá embaixo?

*Airton Paschoa é escritor. Aautor, entre outros livros, de Polir chinelo (e-galáxia) [https://amzn.to/4at8YgM]


A Terra é Redonda existe graças
aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES