As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Formas de adiar o fim do mundo na era do Antropoceno

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por IAGO PORFÍRIO*

Pode o cinema indígena, entendido como aquele feito pelos próprios indígenas, operar como forma de adiar o mundo da era do Antropoceno?

Diante de um cenário de catástrofes políticas, climáticas, sanitárias e de retrocessos – no momento em que escrevo este texto, a Câmara e sua Bancada Ruralista aprovam o Projeto de Lei 490/2007, um ataque aos povos originários e que viola a legislação da demarcação de terras indígenas –, coletivos indígenas de cinema têm recorrido aos usos políticos dos recursos do audiovisual como modos de fazer mundos possíveis, de maneira também a adiar o fim do mundo, para usar uma expressão de Ailton Krenak[i], ou impedir que o céu despenque sobre nós.

Entendido como sendo uma desestabilização ecológica permeada por um reacionarismo e negacionismo aos mundos outros e possíveis, o termo Antropoceno refere-se ao brutalismo do mundo. A época geológica e ecológica atual, Paul J. Crutzen e Eugene F. Stoermer[ii] denominam como sendo a era do Antropoceno, que surge pelos “extensos e ainda crescentes impactos das atividades humanas na terra, na atmosfera e em todas as escalas, inclusive a global”. Para Marisol De La Cadena[iii], “o Antropoceno faz referência à era em que os humanos se tornaram uma força geológica capaz de destruição planetária”, um momento de implosão e destruição de mundos outros.

Enquanto seguem os duros ataques à Amazônia e aos povos indígenas pelo atual Governo, que “passa a boiada”[iv], experiências coletivas indígenas têm permeado o uso de ferramentas tecnológicas no campo da comunicação que implica, por sua vez, em um uso político do audiovisual para darem a ver as realidades sociais e políticas de povos que vêm enfrentando os frequentes despejos violentos de seus territórios tradicionais, assassinatos de lideranças e um contexto de extrema violência na retomada de suas terras.

Como forma alternativa a esse regime de ataque às formas de vida, agressivamente modificadas pela ação humana, o tema da cosmopolítica ameríndia se faz presente ao adentrar às imagens construídas por realizadores e realizadoras indígenas, permitindo uma reconexão com o mundo da espiritualidade, ao mesmo tempo em que fazem uma politização da Natureza, ao reativarem a reza como forma de resistência e cura às consequências do desmatamento, das invasões e expropriações. São os ensejos de outros modos de fazer política, não mais sem o animismo e sem os cosmos, que a áurea do modernismo ou da concepção ocidental de política separou.

Como exemplo dessas formas de adiar o fim do mundo, cito a websérie de curtas Nativas Narrativas: mirando mundos possíveis, produzida pela Ascuri (Associação de Realizadores Indígenas do Mato Grosso do Sul)[v]. Dividido em três episódios, o conjunto de série narra como os povos Guarani, Kaiowá e Terena têm agenciado as relações cosmológicas com a Terra no contexto da pandemia do novo coronavírus e das mudanças ecossistêmicas.

A despeito de dar a ver claramente a pandemia como consequência de uma crise ecológica ou uma guerra ontológica entre os mundos, os curtas trazem em primeiro plano a retomada dos vínculos possíveis com a terra e com uma perspectiva política do cultivo. Não se trata, nesse caso, de um debate quanto ao lugar de fala, mas sim de uma passagem à fala dos lugares, ou seja, a natureza assume o seu lugar como agente que alarga a subjetividade de mundos outros.

Assim, nos três episódios que compõem a série, a centralidade das narrativas está na cosmologia Guarani e Kaiowá e no saber em que só é possível de ocorrer onde há os elementos que o constitui, como o rio e a mata. O primeiro dos episódios é o Teko Marangatu, que traz como questão o habitar e ser a terra em um contexto de perturbação humana e de uma crise de habitabilidade em tempos de negacionismos e de uma política genocida;  o segundo, Ary Vaí, a ação cosmológica está para evitar que chegue na aldeia a doença “que os brancos chamam de coronavírus”, e o terceiro, Yvyra’i Jegua, movimenta o tema do cultivo do território e do milho que, além de ser usado nos rituais de reza, se insere num processo de domesticação co-evolutivo, sofrendo modificações fenotípicas em sua aparência, por exemplo.

Proponho aqui uma discussão a respeito dos elementos cosmológicos que atravessam os respectivos filmes e que, sobretudo, têm sido prática articuladora da produção cinematográfica documental indígena, em seus aspectos estéticos e, a partir de Ailton Krenak, lançar a seguinte questão:  pode o cinema indígena, entendido como aquele feito pelos próprios indígenas, operar como forma de adiar o mundo da era do Antropoceno? Embora essa questão exerça uma influência na proposta deste texto, sua reflexão não se esgota aqui.

*Iago Porfírio é doutorando em Comunicação e Cultura Contemporâneas na UFBAÉ autor do romance-reportagem Deus foi dormir: histórias de vida da favela Cidade de Deus (Terceira Via).

Notas


[i] KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

[ii] CRUTZEN, Paul J.; STOERMER Eugene F. “The Anthropocene”. Global Change Newsletter. 41, 17-18, 2000.

[iii] DE LA CADENA, Marisol. Natureza incomum: histórias do antropo-cego. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, no. 69. Dossiê Entreviver – Desafios cosmopolíticos contemporâneos, 2018.

[iv] Em maio de 2020, O STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou a divulgação pelos meios de comunicação de uma reunião ministerial do atual governo, em que o então o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, diz odiar a expressão “povos indígenas”, enquanto, entre outras barbaridades, o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, diz que é preciso “passar a boiada” para mudar a regulamentação ambiental, pois a mídia estaria preocupada em cobrir a pandemia.

[v] A série conta com o apoio e a supervisão de Iván Molina, realizador quéchua e professor da ECA (Escuela de Cine y Artes Audiovisuales) de la Paz, Bolívia, e parceiro da ASCURI. Disponível em: https://redecineflecha.org/mirando-mundos-possiveis/.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Luiz Marques Alexandre de Freitas Barbosa Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Luiz Eduardo Soares Ricardo Abramovay Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias João Adolfo Hansen Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto Yuri Martins-Fontes Vladimir Safatle Atilio A. Boron Leonardo Boff Marcos Aurélio da Silva Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Eduardo Borges Ricardo Fabbrini Valerio Arcary João Carlos Salles Leda Maria Paulani Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Andrew Korybko José Costa Júnior Celso Favaretto Otaviano Helene Ricardo Antunes Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Renato Dagnino Mário Maestri Caio Bugiato Priscila Figueiredo Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Marcos Silva Bernardo Ricupero Dênis de Moraes Paulo Martins Rubens Pinto Lyra Anselm Jappe Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Juarez Guimarães Manchetômetro Marcus Ianoni Fernão Pessoa Ramos Alexandre Aragão de Albuquerque Chico Alencar Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo João Sette Whitaker Ferreira Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Bruno Machado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Berenice Bento Roberto Bueno Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Brazil Remy José Fontana Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Luiz Roberto Alves Rodrigo de Faria Paulo Capel Narvai Antonio Martins Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Elias Jabbour Daniel Costa Eleutério F. S. Prado Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Ronald Rocha Gilberto Maringoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Henry Burnett Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Annateresa Fabris José Dirceu Roberto Noritomi Afrânio Catani Anderson Alves Esteves Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Dennis Oliveira Paulo Sérgio Pinheiro Carla Teixeira Valério Arcary Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares Gabriel Cohn Érico Andrade Leonardo Avritzer Carlos Tautz Ricardo Musse Jorge Branco Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Henri Acselrad Ronald León Núñez Salem Nasser Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Costa Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Marc Von Der Weid Armando Boito Marilena Chauí Claudio Katz Gilberto Lopes Ari Marcelo Solon Antonino Infranca Bento Prado Jr. Vanderlei Tenório Airton Paschoa Thomas Piketty André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada