As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Às portas da ditadura

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Dirceu*

A gravidade da situação política do país está escancarada. Só não vê quem não quer. Estamos, novamente, sob a ameaça de uma ditadura militar

A militarização do governo Bolsonaro com as últimas indicações para a Casa Civil e a Secretaria de Assuntos Estratégicos tem raízes em nossa história recente e no passado.

O general Braga Netto era chefe do Estado-Maior do Exército, o mesmo que no julgamento do habeas corpus de Lula publicou uma foto da reunião de emergência convocada pelo comandante do Exército Eduardo Villas Bôas para, numa aberta e flagrante violação da Constituição, ordenar – isso mesmo – ao STF que não ousasse conceder Habeas Corpus a Lula. Villas Bôas fez a mesma ameaça via Twitter, o que teria levado à sua prisão imediata em qualquer democracia.

Ali se restabeleceu a tutela militar sobre o poder civil, que estava adormecida no artigo da Constituição Federal que trata das Forças Armadas como garantidora da Lei e da Ordem, a famosa GLO, uma espada de Dâmocles sobre nossa democracia.

Não é de hoje que os militares são uma força política no Brasil. Fizeram a República; se levantaram logo contra ela na Revolta da Armada; na década de 1920 os tenentes se levantaram várias vezes em rebeliões e insurreições nos quartéis, com dezenas de mortos e feridos, até o triunfo da revolução de 1930, na qual os militares e os tenentes foram a força principal.

Getúlio Vargas governou até 1934, quando, após derrotar a revolta paulista separatista disfarçada de defesa de uma Constituinte, o país ganhou uma Constituição, rasgada em 1937 pelo Estado-Maior do Exército e Getúlio. Foi substituída pela famosa Polaca, redigida por Francisco Campos, sob o comando do general Góis Monteiro, o chefe do Exército, cópia da Constituição imposta na Polônia pelo ditador Pilziuskque.

O Estado Novo durou até a deposição de Getúlio, em 1945. O presidente eleito, em 1946, Eurico Gaspar Dutra, ex-chefe do Exército, fez um governo reacionário, religioso, pró-Estados Unidos, repressivo aos trabalhadores e à esquerda.

Inconformados com a volta de Getúlio, eleito em 1950, e do seu PTB, partes importantes do Exército e da Marinha e Aeronáutica iniciam uma série de tentativas de golpes de Estado, ou o não reconhecimento dos resultados eleitorais, com a tese da maioria absoluta. Organizam-se, em 1955, para impedir a posse de JK (Juscelino Kubitschek), com dois levantamentos militares, Jacareacanga e Aragarças. JK debela as tentativas de intervenção, mas lhes concede anistia. Depois da renúncia de Jânio, dão um golpe, paralisado pela resistência de Leonel Brizola e a divisão do Exército, como em 1955, quando o marechal Henrique Teixeira Lott por meio de um contragolpe assegurou a posse de JK.

Hoje, 1964 é história, mas durou até 1985.

Os militares sempre foram uma força política a serviço das elites conservadoras e pró-Estados Unidos, sem contar a vergonhosa divisão antes da 2ª Guerra entre germanistas – fascistas, lógico – e pró-aliados. Em 1964, o Brasil se alinhou totalmente aos Estados Unidos, mandando até tropas para a invasão imperialista da República Dominicana para sufocar uma rebelião popular democrática, sempre apoiando as elites agrárias e de direita sob o manto da luta contra o comunismo.

A Constituição de 1988 poderia ter posto um fim nisso, mas não o fez, conciliou com as Forças Armadas e o resultado agora nos assombra. Eles estão de volta com Bolsonaro, hibernaram 30 anos nas escolas militares e na não submissão do poder militar ao civil. Apesar do comando civil do Ministério da Defesa, ao qual estão subordinados os ministérios militares, nunca o poder civil decidiu a política militar no Brasil e jamais eles, os militares, aceitaram o presidente da República como comandante em chefe das Forças Armadas.

Controlam o orçamento, as promoções, as prioridades da defesa nacional e de sua indústria, seus planos de armamento. E com a nova reforma da Previdência deles mesmos, votada apenas nas comissões do Congresso, se tornaram uma casta.

A gravidade da situação política do país está escancarada. Só não vê quem não quer. Estamos, novamente, sob a ameaça de uma ditadura militar, e fatos como a execução, comandada por Ronnie Lessa, da vereadora Marielle Franco e, agora, no outro polo, a queima de arquivo com a execução do outro suspeito de envolvimento no assassinato, chefe dos milicianos, Adriano da Nóbrega, ambos com ligações mais do que provadas com a família do presidente, só comprovam a que ponto chegamos.

Não se trata mais do risco do autoritarismo, mas da face oculta de todas as ditaduras, a violência acobertada pelo Estado ou por ele promovida. As impressões digitais são a prova que vivemos de novo às portas de uma nova ditadura. Aos poucos, vamos nos dando conta como nos custará caro ter anistiado os crimes da ditadura.

*José Dirceu foi chefe da Casa Civil no governo Lula.

Publicado originalmente no site Metrópoles

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Samuel Kilsztajn Henri Acselrad Benicio Viero Schmidt Slavoj Žižek Luiz Roberto Alves Gabriel Cohn Francisco Fernandes Ladeira Airton Paschoa Bento Prado Jr. Jorge Branco Gerson Almeida Valério Arcary Bruno Machado Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Berenice Bento Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Anderson Alves Esteves Rodrigo de Faria Marilena Chauí Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai Thomas Piketty Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Ari Marcelo Solon Luciano Nascimento Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes Eugênio Trivinho Érico Andrade José Dirceu Antonio Martins Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Igor Felippe Santos Dennis Oliveira Celso Favaretto Gilberto Maringoni Lorenzo Vitral Manchetômetro Carlos Tautz Chico Alencar Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Lopes Otaviano Helene Anselm Jappe Liszt Vieira Boaventura de Sousa Santos Antonino Infranca Chico Whitaker Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco Ricardo Musse Flávio R. Kothe Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Daniel Brazil Leonardo Boff Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Kátia Gerab Baggio Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Bueno Bernardo Ricupero Luis Felipe Miguel Luiz Costa Lima Marcos Silva Remy José Fontana Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Mário Maestri Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado Paulo Nogueira Batista Jr Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez José Geraldo Couto José Luís Fiori Paulo Sérgio Pinheiro André Singer Rubens Pinto Lyra Eduardo Borges Daniel Costa Marcelo Guimarães Lima Tarso Genro Armando Boito Ronald León Núñez João Feres Júnior Salem Nasser João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Michael Roberts Atilio A. Boron Paulo Martins Afrânio Catani Vanderlei Tenório André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Vladimir Safatle Valerio Arcary Roberto Noritomi Eliziário Andrade Annateresa Fabris Claudio Katz Ronald Rocha Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Henry Burnett Michael Löwy Denilson Cordeiro Eugênio Bucci Osvaldo Coggiola João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino José Micaelson Lacerda Morais Eleonora Albano Ricardo Fabbrini José Costa Júnior José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Francisco Pereira de Farias Heraldo Campos Elias Jabbour Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Mariarosaria Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Marques

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada