As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Depois do coronavírus

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

Enquanto crescer o aquecimento global e aumentar a devastação de habitats naturais não teremos imunidade: os animais nos transmitirão mais vírus.

Muitos já sentenciaram: depois do coronavírus não é mais possível levar avante o projeto do capitalismo como modo de produção nem do neoliberalismo como sua expressão política. O capitalismo é somente bom para os ricos; para os demais é um purgatório ou um inferno e para a natureza, uma guerra sem tréguas. O que nos está salvando não é a concorrência (seu motor principal), mas a cooperação, nem o individualismo (sua expressão cultural), mas a interdependência de todos com todos.

Mas, vamos ao ponto central: descobrimos que a “vida” é o valor supremo, não a acumulação de bens materiais. O aparato bélico montado, capaz de destruir por várias vezes a vida na Terra se mostrou ridículo perante um inimigo microscópico invisível, que ameaça a humanidade inteira. Seria o Next Big One (NBO) do qual temem os biólogos, “o próximo Grande Vírus”, destruidor do futuro da vida? Não cremos. Esperamos que a Terra tenha ainda compaixão de nós e nos dê apenas uma espécie de ultimato.

Já que o vírus ameaçador provém da natureza, o isolamento social nos oferece a oportunidade de nos questionarmos: qual foi e como deve ser nossa relação face à natureza e, em termos mais gerais, face à Terra como Casa Comum? Não são suficientes a medicina e a técnica, por mais necessárias. Sua função é atacar o vírus até exterminá-lo. Mas se continuarmos a agredir a Terra viva – “nosso lar com uma comunidade de vida única”, como diz a Carta da Terra (Preâmbulo) – ela contra-atacará de novo com pandemias mais letais, até uma que nos exterminará.

Ocorre que a maioria da humanidade e dos chefes de Estado não tem consciência de que estamos dentro da sexta extinção em massa. Até hoje não nos sentíamos parte da natureza e nós humanos a sua porção consciente; nossa relação não é para com um ser vivo – Gaia – que possui valor em si mesmo e deve ser respeitado, mas de mero uso em função de nossa comodidade e enriquecimento. Exploramos a Terra violentamente a ponto de 60% dos solos terem sido erodidos, na mesma proporção as florestas úmidas e causamos uma espantosa devastação de espécies, entre 70-100 mil por ano. É a vigência do “antropoceno” e do “necroceno”. A continuar nesta rota vamos ao encontro de nosso próprio desaparecimento.

Não temos alternativa senão fazermos – nas palavras da encíclica papal “Sobre o cuidado da Casa Comum” – uma “radical conversão ecológica”. Nesse sentido o coronavírus é mais que uma crise como outras, mas a exigência de uma relação amigável e cuidadosa para com a natureza. Como implantá-la num mundo montado sobre a exploração de todos os ecossistemas? Não há projetos prontos. Todos estão em busca. O pior que nos pode acontecer seria, passada a pandemia, voltarmos ao que era antes: as fábricas produzindo a todo vapor mesmo com certo cuidado ecológico. Sabemos que grandes corporações estão se articulando para recuperar o tempo e os ganhos perdidos.

Mas há que conceder que esta conversão não pode ser repentina, mas processual. Quando o Presidente francês Emmanuel Macron disse que “a lição da pandemia era de que existem bens e serviço que devem ser colocados fora do mercado” provocou a corrida de dezenas de grandes organizações ecológicas, tipo Oxfam, Attac e outras pedindo que os 750 bilhões de Euros do Banco Central Europeu destinados a sanar as perdas das empresas fossem direcionados à “reconversão social e ecológica” do aparato produtivo em vista de mais cuidado para com a natureza, mais justiça e igualdade sociais. Logicamente isso só se fará ampliando o debate, envolvendo todo tipo de grupos, desde a participação popular ao saber científico, até surgir uma convicção e uma responsabilidade coletiva.

De uma coisa devemos ter plena consciência: enquanto crescer o aquecimento global e aumentar a população mundial devastando habitats naturais e assim aproximando os seres humanos aos animais, estes transmitirão mais vírus. Seremos seus novos hospedeiros, situação para a qual não estamos imunes. Daí pode surgir pandemias devastadoras.

O ponto essencial e irrenunciável é a nova concepção da Terra, não mais como um mercado de negócios colocando-nos como senhores (dominus), fora e acima dela, mas como um super Ente vivo, um sistema autoregulador e autocriativo, do qual somos a parte consciente e responsável, junto com os demais seres como irmãos (frater). A passagem do dominus (dono) a frater (irmão) exigirá uma nova mente e um novo coração, isto é, ver de modo diferente a Terra e sentir com o coração a nossa pertença a ela e ao Grande Todo. Junto a isso o sentido de inter-retro-relacionamento de todos com todos e uma responsabilidade coletiva face ao futuro comum. Só assim chegaremos como prognostica a Carta da Terra a “um modo sustentável de vida” e a uma garantia de futuro da vida e da Mãe Terra.

A atual fase de recolhimento social pode significar uma espécie de retiro reflexivo e humanístico para pensarmos sobre tais coisas e a nossa responsabilidade diante delas. O tempo é curto e urgente e não podemos chegar tarde demais.

*Leonardo Boff, ecoteólogo, é autor, entre outros livros, de Como cuidar da Casa Comum (Vozes, 2018).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Caio Bugiato Dênis de Moraes Remy José Fontana Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Érico Andrade Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Claudio Katz Chico Alencar Ricardo Abramovay Alexandre Aragão de Albuquerque Roberto Noritomi Vladimir Safatle Gilberto Maringoni Thomas Piketty Priscila Figueiredo José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento Luis Felipe Miguel Julian Rodrigues Heraldo Campos Francisco Pereira de Farias Denilson Cordeiro Roberto Bueno André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Módolo Celso Frederico Leonardo Boff Leonardo Avritzer João Carlos Salles José Machado Moita Neto Yuri Martins-Fontes Renato Dagnino José Raimundo Trindade Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Bernardo Ricupero Salem Nasser Mariarosaria Fabris Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Antonio Martins Marilena Chauí Eliziário Andrade Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Marcos Silva Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro Dennis Oliveira Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Armando Boito Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Anderson Alves Esteves João Feres Júnior Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Michael Löwy Mário Maestri Michael Roberts Lincoln Secco Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos João Lanari Bo Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Luiz Renato Martins Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Liszt Vieira Eleonora Albano Valério Arcary Daniel Brazil Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr José Dirceu Luciano Nascimento João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Luiz Costa Lima Samuel Kilsztajn Celso Favaretto João Adolfo Hansen Andrew Korybko Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Tarso Genro Daniel Costa Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Slavoj Žižek Luiz Marques Otaviano Helene Gilberto Lopes José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Flávio Aguiar Chico Whitaker Antonino Infranca Luiz Carlos Bresser-Pereira Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Berenice Bento Tadeu Valadares Elias Jabbour Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada