As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Greg e Ciro

Marcelo Guimarães Lima, Double Phoenix - Allegory of time pencil, color pencil and digital, 2021
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ BOF*

Breve crônica sobre uma fricção entre liberais

Conforme tenho percorrido espaços e ambientes sociais diferentes daqueles dos últimos dois anos mais graves de pandemia, sinto-me fracionado. Como se vivesse em realidades fraturadas. Ao terminar de assistir ao pretenso debate polarizado entre o humorista Gregório e o personagem Ciro, essa impressão é reforçada. Existe uma dissonância entre o animus das redes sociais, essa potência de combate e debate permanentemente convulsiva, cujos substratos mudam a cada semana ou dia e o desenrolar das ruas e da vida real.

No fim e ao cabo, Ciro e Gregório são muito parecidos, em termos políticos e ideológicos. Não por menos, o humorista se apoia na árvore segura de um “ex-eleitor” que comunica sua insatisfação atual com o candidato pelo abandono da “luta antifascista”. Em termos de espectro, ambos transitam por camadas do liberalismo e são defensores da democracia liberal.

Ciro, por infortúnio e traço de personalidade, já sambou com a esquerda, o centro e a direita liberais.

Gregório, ainda jovem, apenas se aventura nos meandros do centro, desempenhando com maestria o papel de conselheiro consciencioso de esquerda. Seus chamados tragicômicos e impotentes ao final de todo greg news, por campanhas de internet e gincanas “politizadas” são a cara da esquerda liberal: uma estrutura de performance, simulação de luta, dissimulação da aversão ao questionamento da ordem da qual se privilegiam.

Consideram-se, dentro e fora desse debate inócuo, construtores e entusiastas de sonhos e utopias, que, coerentemente com sua completa falta de imaginação e perspectiva revolucionária, são todos amordaçados e dissimulam a contradição real de nossa sociedade: a divisão social em classes. Papo do passado, atrasado, anacrônico, claro, para quem faz a vida explorando suas consequências e esquivando de suas causas.

Enquanto dois defensores da exploração assalariada do trabalho, ainda que com paliativos e pomadas de assistencialismo, simulam uma briga de facas, fornecem alimento para a fome de performance das redes sociais, a realidade da massa na atual distopia do capital é gravíssima e se deteriora.

Lembrou-me minhas caminhadas ao trabalho. Através daquela ilha pavimentada de consumo, autoexaltação e ostentação, passo pelas faces recauchutadas e os écharpes cachemire da rua Oscar Freire. Alheios e impassíveis aos acontecimentos do real a poucos metros de sua dimensão de IDH nórdico, protegida pelas armas do Estado, caminham as dondocas e os velhacos endinheirados como se andassem em New York ou Paris.

Acovardados fora de seu ambiente, ali são mimados e tratados a pão de ló, servidos por uma massa de intermediários pardos e negros, por suas babás de vestes beges carregando carrinhos de bebê da Zara, enquanto observam as vitrines lustradas pouco antes por cafuzos. O mosaico social brasileiro se curva para servir a ilustre burguesia paulistana, para quem a inflação e o desemprego, a fila do osso e a miséria são tão fictícias quanto aquilo que vêm em suas séries de reis e rainhas.

Eventualmente, a barbárie lhes toca os pés, materializada na figura de um mendigo guiando um carro de supermercado no qual prende uns 5 ou 7 cães caramelos e onde se contorcem uns 5 ou 6 filhotinhos mais, protegendo-se como podem do frio. Essa cena, de toda forma, pode até chegar a comover um pouco mais esses corações empedrados pela riqueza (graças aos cães, é claro) do que uma idosa comendo sobras, esquentando-se em frente a uma fogueira improvisada, na qual aquece, dentro de uma lata velha de pêssego em conserva, uma água escura e turva para cozinhar.

A gente que acha boa ideia conceder ração humana, não se comove fácil. O ofício que a localizou onde está é baseado na desumanização. É essa estirpe que vive no pináculo de uma ordem social cujas consequências inevitáveis são estas cenas, todas reais, diga-se de passagem.

A acumulação capitalista e seu caráter antagônico, miséria como consequência e base da opulência, são frutos do liberalismo, não importa quais ficções de melhora gradual se proponha como solução.

Ver este debate entre “sonhadores”, tendo de um lado o caudilho e seu “projeto de desenvolvimento nacional” órfão de burguesia independente para isso e, de outro, o humorista do Leblon e seu quixotesco (e ridículo) combate ao fascismo (sic) nas urnas, soa como uma caminhada nas ruas da região da Oscar Freire.

Essa, indigesta e de mau gosto, que só faço por obrigação. No primeiro caso, por ser proletário e assalariado, no segundo, por saber que sou. Diante da maior inflação em 27 anos, da deterioração da vida, endividamento, fome, desemprego generalizado, a utopia da mudança nunca esteve tão longe das expectativas do trabalhador.

Todas as figuras da, por ora, política “relevante” tolhem a possibilidade do peão se encontrar na história. De se ver como peão. De se ver como inimigo de classe dos patrões e de entender que toda mudança na história foi obra de uma classe em luta, consciente e vitoriosa contra sua classe opressora. Uma classe de posse de um programa e uma organização. Uma classe que entende que essa é sua época de lutar e de erguer um novo mundo.

Caso hoje no Brasil, ao invés de querer ser um patrão, todo brasileiro odiasse todos os seus patrões e seu sistema de sugar e roubar riqueza gerada pelo povo trabalhador, teríamos uma realidade absolutamente oposta. Aí sim as portas da utopia, com suas cores imaginativas e sua chama transformadora, estariam no horizonte, não como palavras vazias, mas como atos práticos.

Entretanto, como hoje defender o que interessa ao trabalhador, como, por exemplo, que, com 12% de inflação e 15% de desemprego, os salários fossem reajustados automaticamente conforme a inflação e a jornada se reduzisse e todas horas de trabalho fossem distribuídas, é uma heresia, vivemos a época da ideologia de todos os tipos de liberais. Nosso teto “utópico” é que “o pobre tenha três refeições por dia”, enquanto os bancos seguirão batendo recordes de lucro nas costas da dívida e trabalho do peão.

Consciência de classe e organização de classe. Sem estes dois personagens, o palco da luta de classes transita do gênero da utopia para o da farsa e da tragédia. E não faltam atores de qualidade duvidosa para atuar.

*André Bof é graduado em ciências sociais pela USP.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Bernardo Pericás Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Renato Dagnino Osvaldo Coggiola Caio Bugiato Jorge Branco Michael Roberts Milton Pinheiro Roberto Noritomi Marcelo Módolo Ladislau Dowbor Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Airton Paschoa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Liszt Vieira Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório José Machado Moita Neto Érico Andrade José Costa Júnior Luiz Renato Martins Luiz Eduardo Soares José Luís Fiori Julian Rodrigues Slavoj Žižek Lorenzo Vitral Heraldo Campos Anderson Alves Esteves Leda Maria Paulani José Dirceu João Adolfo Hansen Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn Eduardo Borges Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Mário Maestri Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Thomas Piketty Flávio R. Kothe Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Valério Arcary Marilena Chauí Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade Rubens Pinto Lyra Bruno Machado Roberto Bueno Paulo Martins Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Remy José Fontana Jean Marc Von Der Weid Daniel Costa Flávio Aguiar João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Marcos Aurélio da Silva João Carlos Salles Francisco de Oliveira Barros Júnior Bento Prado Jr. Afrânio Catani José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Tarso Genro Elias Jabbour Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Chico Whitaker Otaviano Helene Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Gilberto Maringoni Marcelo Guimarães Lima Berenice Bento André Singer Lincoln Secco Claudio Katz Salem Nasser Michael Löwy Leonardo Avritzer Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Luiz Costa Lima Carla Teixeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Lima Castro Tranjan Henry Burnett Carlos Tautz João Feres Júnior Sandra Bitencourt Luiz Marques Armando Boito Manuel Domingos Neto Antonino Infranca Dennis Oliveira Ari Marcelo Solon Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Eleutério F. S. Prado Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad João Paulo Ayub Fonseca Marcus Ianoni Chico Alencar Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Priscila Figueiredo Ricardo Abramovay Antonio Martins José Geraldo Couto Atilio A. Boron Annateresa Fabris Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Daniel Brazil Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Ricardo Antunes Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl Ronald Rocha Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Gerson Almeida Denilson Cordeiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada