As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A chacina na Vila Cruzeiro

Imagem: Giovanni Ferri
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Essas megaoperações criminosas não têm valor como repressão ao tráfico. São manobras para desviar o foco da sociedade da corrupção, que alimenta integrantes de forças policiais e de aparelhos do Estado no Brasil

Durante os dias 24 e 25 de maio, estávamos encerrados no Salão Nobre da Faculdade de Direito da USP, em São Paulo, participando da 50ª Sessão do Tribunal Permanente dos Povos. Examinávamos, entre outros temas, os crimes contra a humanidade atingindo a população negra, praticados pelo presidente Bolsonaro e seu governo de extrema direita.

Enquanto isso, lá fora, no Rio de Janeiro, a Polícia Militar, a Polícia Rodoviária Federal e outras forças especiais levavam ao cabo uma operação de doze horas, iniciada na madrugada. Armaram emboscada contra varejistas de drogas, à guisa de conter o narcotráfico, na favela Vila Cruzeiro, na região da Penha, no Norte da cidade. O saldo: 26 execuções, incluídas mortes por bala perdida.

Foram os próprios moradores que recolheram os corpos. Porta-vozes das polícias informaram que a tal “operação” – uma chacina – foi longamente preparada a fim de reprimir traficantes. O que se revelou, no entanto, foi (mais) um arroubo de incompetência das forças públicas, que resultou no extermínio de varejistas do tráfico – cinco com ficha criminal pregressa e o restante suspeito –, em vez de uma verdadeira operação de combate ao crime organizado. Evidentemente, várias mortes foram exibidas como consequência de um confronto “faz de conta”.

As polícias podem dizer o que quiserem sobre como essas mortes ocorreram, pois a cena do crime foi totalmente desfeita, os corpos abandonados na mata pelos policiais. Claro que, pela necropsia, onde a verdade emerge com exame das balas e das armas dos envolvidos, será possível saber mais. Mas a tradição carioca é fazer investigações rigorosíssimas sempre de mentirinha, muitas vezes, como em outras grandes chacinas, conduzidas em segredo, impedindo-se a sociedade civil de ter acesso aos dados da investigação.

Faz tempo que a policiais militares agem, até mesmo como forças de ocupação das favelas no Rio de Janeiro, tendo como alvo a população negra. A organização Favela Não Se Cala até chama esses “campos de extermínio” de “faixas de Gaza brasileiras”. As polícias no Rio, sem controles e sem limites, agem até mesmo com treinamento e armas israelenses, como as forças de ocupação dos territórios palestinos – as quais, segundo o jornalista Gideon Levy escreveu no Haaretz, o respeitadíssimo jornal de Israel, “tornaram-se tropas de assalto (do inglês, storm troops) no sentido mais profundo e carregado desse termo; não há outra maneira de descrevê-las”.

Essas storm troops brasileiras ousam criticar o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, por suas decisões corajosas para conter a sanha de extermínio e de racismo nas operações policiais, desde a pandemia de Covid-19. Decisões que governantes do Rio de Janeiro, em campanha eleitoral, não têm coragem de tomar, por demagogia com a extrema direita bolsonarista.

No passado recente, estava na moda considerar o mau funcionamento das polícias, em conluio com organizações criminosas, narcotraficantes e com as milícias – que hoje controlam a maior parte do território do estado do Rio de Janeiro – como um Estado paralelo. O fato é que nunca houve paralelismo algum. O crime organizado, o narcotráfico e as milícias estão incrustados no funcionamento do Estado, em todas as unidades da federação.

Como disse Pedro Constantine, um dos dirigentes do Favela Não se Cala, em entrevista à TV 247, o aparelho repressivo estatal não tem interesse de enfrentar o tráfico e as milícias para não perder lucros advindos da tolerância às atividades criminosas nas favelas. As armas de uso exclusivo das Forças Armadas, ostentadas pelos criminosos (no atacado e no varejo de drogas) não caem do céu. Muito provavelmente são fornecidas por aqueles que se beneficiam do comércio de drogas.

Está mais do que na hora de deixarmos farsas inúteis. Essa megas operações criminosas que resultam em chacinas não têm valor como repressão ao tráfico. Simplesmente são manobras para desviar o foco da sociedade da corrupção, que alimenta integrantes de forças policiais e de aparelhos do Estado no Brasil.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP; ex-ministro dos Direitos Humanos; relator especial da ONU para a Síria e membro da Comissão Arns. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Adolfo Hansen Gerson Almeida Eliziário Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Branco Celso Favaretto José Luís Fiori Rodrigo de Faria Igor Felippe Santos Daniel Costa Heraldo Campos Carlos Tautz Berenice Bento Andrew Korybko Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato João Sette Whitaker Ferreira Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Luiz Costa Lima Paulo Martins Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Henry Burnett Milton Pinheiro Leonardo Boff Marcos Silva Armando Boito Benicio Viero Schmidt Paulo Fernandes Silveira Gilberto Lopes Antonino Infranca Michael Roberts Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Marcus Ianoni Afrânio Catani Sergio Amadeu da Silveira Eduardo Borges Chico Whitaker Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Vanderlei Tenório Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber Leonardo Avritzer José Geraldo Couto José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Julian Rodrigues João Lanari Bo Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio Maria Rita Kehl Anderson Alves Esteves Marilena Chauí Vladimir Safatle Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Salem Nasser Roberto Bueno Ari Marcelo Solon José Machado Moita Neto Remy José Fontana Eleonora Albano Eleutério F. S. Prado Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Elias Jabbour Ronald Rocha Marjorie C. Marona Roberto Noritomi Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Manuel Domingos Neto Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Eduardo Soares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Fernando Nogueira da Costa Tarso Genro Bruno Machado Yuri Martins-Fontes Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Marcelo Módolo Luciano Nascimento Renato Dagnino Henri Acselrad João Carlos Loebens André Márcio Neves Soares Ricardo Abramovay Daniel Afonso da Silva Claudio Katz Paulo Nogueira Batista Jr Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Leda Maria Paulani Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Salles Leonardo Sacramento Fábio Konder Comparato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Érico Andrade Michael Löwy Valério Arcary Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão José Raimundo Trindade Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Ricardo Musse Priscila Figueiredo Antonio Martins Chico Alencar Ronald León Núñez Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada