As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dandara dos Palmares

Imagem: Zeynep Sude Emek
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MÁRIO MAESTRI*

A heroína e símbolo de resistência, que já é apresentada como a primeira e a única mulher de Zumbi, nasceu, certamente, em inícios dos anos 1980

Em 21 de maio, no jornal A Tarde, Luiz Mott verteu bilis e fel ao comentar o uso, na Bahia, de Dandara dos Palmares como exemplo paradigmático de heroína negra. Em verdade, em 2019, ela fora consagrada como tal ao ter seu nome inscrito no chamado “Livro de Heróis e Heroínas da Pátria”, por decisão soberana do Senado, que não prima pela escolha cuidadosa dos homenageados. Três anos antes, 6 de fevereiro fora definido, no calendário do Rio de Janeiro, por lei estadual, como o Dia de Dandara e da Consciência da Mulher Negra.

A razão da rabugice de Luiz Mott é simples e pra lá de justificada. Dandara dos Palmares e os três filhos que teria tido com Zumbi jamais existiram. É uma invenção, como a Mulher Maravilha ou Ana Terra, do romance O Tempo e o Vento, de Érico Veríssimo. E, ao inventarem Dandara, exageraram no conto. Mott lembra que dois dos três pretensos filhos de Dandara com Zumbi atenderiam pelos nomes de “Harmódio e Aristogíton”, “dois heróis atenienses que teriam matado o tirano Hiparco” no quinto século da nossa era. Apenas um deles, Matumbo, não teria um nome grego! Realmente, é dose!

Um simples reparo

Conhecendo os atuais tempos bicudos, Luiz Mott previu que o simples reparo em defesa da verdade histórica seria recebido de pedras na mão, sendo explicado como a tentativa de um macho branco eurocêntrico, expoente da branquitude, de silenciar uma das maiores heroínas negras do passado. Dandara é apresentada como diplomata, exímia capoeirista, senhora das artes militares, líder de homens e mulheres. Sobre sua origem, propõe-se que talvez fosse africana da nação Jeje Mahin, nascida no Benin [Apud CAETANO & CASTRO, 2020]. Ela teria se suicidado, em 6 de fevereiro de 1694, para não ser escravizada, quando os luso-brasileiros escravistas ocuparam a Cerca Real do Macaco, o último reduto palmarino. [FREITAS, 1973; GOMES, 2005.]

A própria historiografia acadêmica de viés identitário já propusera que Dandara, como outras “protagonistas negras”, teria sido excluída da “História oficial do Brasil contada em nossas escolas”, devido, “dentre vários outros fatores”, além do racismo, ao “machismo” e ao “sexismo ainda existente em nossa sociedade.” Nesse silenciamento, as autoras não arrolam o classismo, que golpeia e sufoca a memória da história de lutadoras e lutadores e das classes oprimidas. [CAETANO & CASTRO, 2020.]

Dito e feito. No dia seguinte, 22 de maio, no mesmo jornal, Ângela Guimarães respondeu indignada ao reconhecido estudioso da escravidão brasileira. No artigo “Dandara dos Palmares, Heroína do Brasil”, ela propõe que a “história” do negro no Brasil “foi propositadamente apagada, e sem chance de recuperar”. Afirmação destrambelhada. Os mais de três séculos de cativeiro no Brasil produziram milhões de documentos sobre os trabalhadores e as trabalhadoras escravizados. Em parte, eles foram estudados por inúmeros cientistas sociais que produziram, não raro, trabalhos excelentes. E essa documentação revela multidões de mulheres escravizadas, heroínas de carne e osso, que resistiram, de variados modos, à escravidão. Não existe necessidade de reverenciar protagonistas imaginárias.

É verdade que essa rica historiografia demorou-se em focar os holofotes nas mulheres, nas crianças e nos velhos escravizados. Porém, nos últimos tempos, avançou-se na recuperação desse atraso. É já grande o número de artigos, ensaios, etc. abordando especificamente esses protagonistas históricos semi-esquecidos. Um dos primeiros trabalhos sobre a mulher escravizada no Brasil é de Maria Lucia, irmã de Luiz Mott – Submissão e resistência: a mulher na luta contra a escravidão. [MOTT, M.L. 1988.] Certamente a secretária de Promoção da Igualdade Racial e dos Povos e Comunidades Tradicionais da Bahia conhece ao menos parte dessa imensa e rica produção bibliográfica diretamente atinente às suas funções.

Não havia tabelião

Ângela Guimarães ironiza a afirmação de Luiz Mott, que estaria exigindo registro do casamento de Dandara e dos filhos, inexistindo “cartórios” nos Palmares para tal. Luiz Mott é um reconhecido estudioso do período colonial e imperial. [MOTT, 1988, 1985, 1987.] Sua deliciosa biografia de Rosa Maria Egipcíaca da Vera Cruz e Rosa Courana (Costa de Ajudá, 1719-Lisboa, 1778), mulher africana escravizada no Brasil e em Portugal, talvez a mais antiga escritora negra do nosso país, acaba de ser lançada, em segunda edição ampliada, pela Companhia das Letras. [MOTT, 1993.] Esse livro, de mais de 700 páginas na primeira edição, foi escrito apoiado em uma muito vasta documentação primária arquival.

Luiz Mott afirmou, apenas, o que há muito é sabido. Ou seja, não existir “provas documentais” sobre a existência de Dandara e seus pimpolhos. Nem uminha. A documentação palmarina existente no Brasil e em Portugal tem sido vasculhada por inúmeros investigadores. Ainda falta fazer o mesmo quanto à guardada nos arquivos holandeses. Até eu curiosei no Arquivo Ultramarino, sobre Palmares, quando por lá passei, à procura de registros sobre Fernão de Oliveira [1507-1581], o primeiro gramático da língua portuguesa e pioneiro do anti-escravismo em Portugal. [MAESTRI, 2022.] E temos compilações exaustivas da documentação arquival palmarina. [ENNES, 1938.] Resumindo. Como proposto, até hoje, ninguém encontrou referência à Dandara ou a qualquer outra esposa – ou esposas – do último comandante militar de Palmares.

 Naqueles idos, não apenas na África Central, um chefe militar de destaque praticava a poligamia, por prestígio e por exigência de alianças políticas. Mesmo as referências diretas ao líder militar de Palmares são extremamente raras. Zumbi, em verdade, N´Zumbi, assim como N´Ganga N´Zumba, eram títulos políticos angolanos. Há indícios na documentação escrita e oral que o nome próprio de Zumbi fosse algo próximo a Sweca. Eu mesmo ouvi essa referência, na boca de um velho camponês, ao pé da Serra da Barriga, em inícios dos anos 1980.

Dandara é porto-alegrense!

Acredito, entretanto, saber onde nasceu Dandara. Em Porto Alegre! Possivelmente nos começos da década de 1980. E não estou brincando. Vou me demorar um pouco na apresentação dessa minha hipótese. Vamos lá. Em 1971, quando a ditadura enfuriava no Brasil, o historiador, advogado e jornalista Décio Freitas publicou, em Montevidéu, onde se refugiara do golpe de 1964, o livro Palmares: la guerrilha negra, na editora Nuestra América. Décio contou-me e contava que comandantes da guerrilha uruguaia tupamara haviam pedido os originais para ler, e ele passara algum tempo temendo que estivessem perdidos.

Em 1973, discretamente, a pequena editora porto-alegrense Movimento, de esquerda, lançou o livro em português, língua na qual fora escrito. Mas, não havia que abusar. Naquele ano e no seguinte, a ditadura reprimia a guerrilha no Araguaia, organizada pelo PCdoB. E, naquele então, ao contrário de hoje, nossas classes dominantes juravam que não havia uma questão negra no Brasil. Por precaução, o título do livro foi modificado para Palmares: a guerra dos escravos.

Palmares: a guerra dos escravos, de Décio Freitas, é um marco da historiografia da escravidão no Brasil. Até então, o principal livro que contávamos sobre Palmares era O Quilombo dos Palmares, escrito por Édison Carneiro, comunista, publicado em 1947, na editora Brasiliense, de seu camarada Caio Prado Júnior. Também por problemas com a ditadura getulista, o livro conhecera, antes, uma edição em espanhol, no México. Entretanto, Édison Carneiro, seguindo a cartilha estalinista, negou a resistência dos trabalhadores escravizados como luta de classes. A leitura pecebista abastardada do passado no Brasil defendia, como contradição dominante, a luta entre latifundiários e camponeses nos anos pré-1888. Os cativos sofreriam a história e não a fariam.

Um francês trotskista no Brasil

Em 1956, apoiando-se factualmente sobretudo no livro de Édison Carneiro, Benjamin Péret, intelectual francês trotskista e fundador do surrealismo, em uma segunda estadia no Brasil, país com o qual mantinha laços familiares e políticos, publicou em dois números da revista Anhembi o ensaio sintético Que foi o quilombo de Palmares? [PÉRET, 1956.]

Benjamin Péret invertia o proposto por Édison Carneiro ao defender a resistência dos cativos como luta de classes. Propôs, igualmente, que a vitória de Palmares, que via historicamente como impossível, teria avançado o desenvolvimento da antiga formação social brasileira. O que era uma revolução epistemológica. O artigo foi literalmente cancelado e esquecido. O trabalho de Benjamin Péret foi apresentado, em livro, apenas meio século mais tarde, pela editora da UFRGS, em edição preparada e apresentada por Robert Ponge e por mim. [PERET, 2002.]

Em 1952, o jovem comunista Clóvis Moura, desrespeitando as diretrizes partidárias, concluiu a redação do livro Rebeliões da senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. Nele, propunha igualmente a resistência servil como luta de classes e o caráter escravista do Brasil pré-1888. Clóvis Moura foi desestimulado na redação do livro por Édison Carneiro e, quando pronto, teve sua publicação rejeitada pela Brasiliense, de Caio Prado Júnior. Ambos eram camaradas, no PCB, de Clóvis Moura, que terminou migrando, de mala e cuia, para o PCdoB. Rebeliões da senzala foi publicado apenas em 1957 na pequena Editora Zumbi, de curta vida e menor alcance. [MAESTRI, 2022.]

Décio Freitas apoiou-se em Édison Carneiro, em Clóvis Moura, em Benjamin Péret e em outros autores, superando-os na apresentação dos sucessos e sobretudo no sentido referencial da confederação dos quilombos de Palmares. Para tal, serviu-se sobretudo da já importante documentação editada conhecida. Construiu, assim, a primeira leitura exaustiva dos quilombos de Palmares, em um viés marxista, como parte da luta de classes de uma sociedade colonial luso-brasileira escravista.

Radical e inovador

O livro, redigido por jornalista de texto cintilante, profundo conhecedor da história do Brasil, acabou tendo um importante sucesso de público, apesar de divulgação restrita e do silêncio da imprensa castrada pela ditadura. Sobretudo, é importante compreender o momento e o objetivo daquele livro. Décio Freitas escreveu Palmares: a guerra dos escravos como parte da luta contra a ditadura. Relatava a saga de uma resistência armada decenal dos explorados contra os exércitos luso-brasileiros, sob a direção de um general dos oprimidos. Tratava-se de um livro dirigido para o grande público de esquerda, sem notas de pé de página.

O livro teve certamente uma repercussão muito além da esperada inicialmente pelo autor, que se transformou na referência nacional sobre Palmares e consagrou no Brasil a figura de Zumbi. Sua obra e ele não foram, porém, jamais, digeridos pela Academia, com destaque para a sul-rio-grandense, que, no geral, sob o regime militar, mantinha-se em um forte apoliticismo científico. Em 1978, 1981 e 1982, a obra foi reeditada em segunda, terceira e quarta edição pela Graal, do Rio de Janeiro, conhecendo uma quinta e última edição pela Mercado Aberto, de Porto Alegre, em 1984.

A consagração do trabalho levou a que Décio Freitas viajasse a Lisboa, de onde trouxe fotocopiada uma muito rica documentação original sobre os sucessos, que publicou, mais tarde. [FREITAS, 2004.] Pude ler a transcrição datilografada dos documentos, antes da publicação. Ela permitia precisar e enriquecer o que fora dito, mas, não apresentava nada de realmente novo.Entretanto, na terceira edição, de 1981, no sexto capítulo, dedicado a Zumbi, Décio Freitas apresentou uma biografia novelesca do comandante militar quilombola, sobre o qual, até então nada se sabia. Décio Freitas literalmente retirava Zumbi das sombras em que a documentação o mantinha. Segundo ele, encontrara, em Portugal, informação arquival, que revelava a detalhada e rocambolesca vida de Zumbi, antes de ser Zumbi. Coisa de não se acreditar! Mas isso veremos a seguir, com maior vagar.

Uma andorinha não faz verão

Em 1977, voltei a Porto Alegre, após seis anos de exílio, iniciado, no Chile, da Unidade Popular, e terminado, na Bélgica, devido ao golpe de 1973, onde concluiu minha graduação, mestrado e iniciei tese de doutoramento. Ainda em Bruxelas, Rogério, meu irmão menor, me presenteara o livro de Décio sobre Palmares, que me causara forte impressão, pela forma e conteúdo. Sobre a história do Brasil, eu sabia pouco. Em minha dissertação, tratara da história da África Negra Pré-colonial, nos séculos 15 e 16, sobretudo nos territórios da atual Angola. [MAESTRI, 1978.]

Desembarquei em Porto Alegre, em 1977, propondo-me a defender tese de doutoramento sobre o escravismo no Rio Grande do Sul, lida a partir do trabalho e da resistência do trabalhador feitorizado. [MAESTRI, 1984.] Nos anos 1970, o escravismo era tema marginal da historiografia brasileira, em geral, e sul-rio-grandense, em especial, por razões que iam muito além da pressão e vigilância da ditadura militar. Contavam-se nas mãos dos dedos os cientistas sociais que se dedicavam a essa questão. Sobretudo quando analisada desde a ótica dos escravizados.

Estabeleci contato com Décio Freitas, o único historiador no Sul que se ocupava da escravidão brasileira. Por alguns anos, pude discutir com ele sobre a África Negra, a escravidão colonial, a sociedade nacional. Sobre a escravidão no Sul, pouco estudara e menos publicara. Muito aprendi nessas conversações. Décio me orientou, igualmente, na arte jornalística de escrever para ser lido, então pouco praticada nos meios acadêmicos. Mantivemos contato quando me transferi para São Paulo e, a seguir, em 1982, fui lecionar no Rio de Janeiro, na Santa Úrsula e na UFRJ. Quanto a ele, mudara-se para Alagoas, convidado para lecionar na UFAL e organizar o primeiro simpósio internacional sobre Palmares.

Segredo de Estado

Durante aquele encontro internacional, em Maceió, conheci, entre outros, Luiz Mott e Clóvis Moura, também convidados por Décio Freitas como referências sobre o estudo da escravidão e da resistência dos escravizados. Luiz Mott escrevera primorosos artigos sobre a escravidão pastoril no Nordeste, entre outros importantes trabalhos. Décio voltou para o Rio Grande do Sul e eu fui estudar a escravidão greco-romana e trabalhar como jornalista, por uns anos, em Milão, onde ele nos visitou. Retornara de uma viagem à Líbia, por convite de Khadafi, interessado talvez no valioso e pioneiro livrinho que Décio escrevera sobre as revoltas malês da Bahia – Insurreições escravas [FREITAS, 1976]. Teria recebido um bom dinheiro pelos direitos para uma eventual edição em árabe do livro. Foi ao menos o que ele me contou.

Não me recordo em que ano, historiador amigo, hoje referência nacional sobre os estudos palmarinos, me inquiriu se sabia algo sobre a origem dos dados biográficos de Zumbi, apresentado por Décio Freitas, que se negava a explicar a sua origem. O jovem historiador, que eu conhecera como estudante da UFRJ, me alertou para o eventual interesse de Décio Freitas em apimentar a nova edição. O que não estranhei. Desde a apresentação da primeira edição de Palmares, ao descrever os limites e a pobreza das fontes, o autor se referiu a “lacunas” que “jamais” poderiam ser “supridas”. O que obrigaria, segundo ele, o historiador a “mobilizar a imaginação”. [FREITAS, 1984:114.] O que é certo, sempre que o autor registre se tratar de suposições e hipóteses suas.

Na edição de 1981, Décio propôs, entre outros sucessos detalhados, uma bibliografia de Zumbi, que intitulou como “De coroinha a guerrilheiro”. Nela, relata que uma expedição luso-brasileira capturara, em 1654-5, em um quilombo, um bebê, que fora entregue a um padre de nome Antônio Melo, de Porto Calvo, que o alfabetizara, em português e em latim! A criança fora batizada com o nome de Francisco – contara em carta o padre Antônio Melo. O bom sacerdote afirmara que o menino tinha inteligência singular, superior à comum, mesmo entre os brancos. Aos dez anos, ele se tornara “coroinha”. Com uns quinze anos, o molecote fugira para os Palmares, transformando-se mais tarde no seu último chefe militar. Mas não se mostrara ingrato, pois visitara seu preceptor, por três vezes, para ajudá-lo economicamente! [FREITAS, 1984: 116-7] Essas informações, Décio afirmou ter obtido em cartas do pároco, que jamais mostrou a ninguém. Seguindo por essa estrada, em 1986, no livro Brasil inconcluso, propôs a existência de uma compilação de leis palmarinas, escrita possivelmente por Zumbi, que ele considerava ter sido a primeira Constituição do Brasil! [FREITAS, 1986: 13; SILVA, 2016.]

A narrativa já era, de per si, inverossímil. Não se trazia, jamais, um bebê de expedição enviada contra quilombos da Serra da Barriga. Não tinha valor nenhum e atrapalhava a difícil caminhada na mata. Palmares jamais foi um estado centralizado. Foi formado por quilombos autônomos, federalizados para defenderem-se dos ataques holandeses e luso-brasileiros. É uma contradição propor uma constituição, ainda mais escrita em português, para população iletrada, que, em grande parte, possivelmente não dominava aquela língua, vivendo em quilombos, distantes e autônomos, praticando uma economia sobretudo de subsistência. E, sobretudo, jamais se encontrou qualquer documentação primária sobre esses detalhados fatos. [GOMES, 2005, 2011.] Nem Décio disse onde ela se encontrava, como vimos.

Uma figura de romance

Décio Freitas foi um historiador e intelectual brilhante, de formação marxista, com rica informação histórica e visão de totalidade da formação social brasileira. O que era raro, na época, e ainda hoje não habitual. Militara quando jovem no PCB e, a seguir, orbitara o trabalhismo de esquerda. De volta ao Brasil, de um rápido auto-exílio no Uruguai, chegou a ser candidato a deputado pelo MDB, após o fim da ditadura, assumindo função relativa à cultura no governo de Pedro Simon [1987-1990]. Era historiador sem formação institucional que pouco conviveu com seus pares da Academia, o que teria sido útil para ele e para os últimos. Uma vez, enquanto conversávamos em seu escritório, o vi, surpreso, atirar suas notas ao lixo, por ter concluído o livro para o qual as preparara. Alegrou-se quando lembrei que poderiam ser utilizadas, se guardadas, em outros trabalhos!

Décio Freitas era um intelectual carismático e brilhante, escritor de talento, orador de recursos. Portava sempre pronta uma narrativa lapidada sobre os fatos em curso, para ser usada na conversação, com o objetivo de impactar e seduzir interlocutores e ouvintes. Era, também, um homem de múltiplas, digamos, idiossincrasias. Dava-se a rompantes de mau humor, descompondo amigos, enquanto agitava sua bengala no ar – para, a seguir, se desdobrar em desculpas. Era femeeiro como coronel afazendado da fronteira sul. Convidado para escrever, por longo tempo, na Folha de São Paulo, uma e outra vez, flexibilizou ideias suas, segundo a orientação dos ventos do prestigioso jornal. [Folha de S. Paulo, 17-1-82].

Potoqueiro costumas

Décio Freitas era um potoqueiro costumas. Tinha uma enorme queda para reinventar ficcionalmente fatos que vivera e não vivera. Com outros amigos de seu círculo próximo, nos divertíamos ao cotejar as narrativas diversas, sempre cativantes, que ia tecendo sobre sucessos que teriam ocorrido durante sua vida. Contava diversas versões sobre a importante entrevista que efetivamente fizera a Vargas, no exílio de São Borja, com destaque para o que conversara com ele em off; das aventuras que vivera durante a redação de Palmares no Uruguai e no Brasil, durante a ditadura; como ocorrera a queda da sacada de sua casa que lhe deixara rengo para sempre. As divergências, às vezes, eram enormes. Tudo isso, porém, Se non era vero, era bene trovato.

Por longas décadas, sobretudo no Rio Grande do Sul, as portas da grande mídia, da Academia, etc. mantiveram-se fechadas para Décio Freitas, devido à sua orientação política e epistemológica, como proposto. Foi uma época em que conheceu dificuldades econômicas, isolamento e cancelamento relativos que reforçaram seu perfil de lobo solitário da historiografia. Seu livro sobre Palmares e as publicações que se seguiram sobre a escravidão transformaram-se em instrumentos de afirmação pessoal e em apoios econômicos, até ser anistiado e aposentado como procurador do Estado, cargo para qual fora nomeado por João Goulart, pouco antes do golpe, segundo me contou.

O avanço da historiografia científica acadêmica e não acadêmica sobre a escravidão envelhecia e superava relativamente seu livro clássico, de 1971, ainda hoje uma referência incontornável sobre Palmares, apesar de seus tropeços. Teria estendido qualitativa e quantitativamente sua proposta inicial de cobrir, com a imaginação, aqui e ali, alguns hiatos da documentação. Teria passado a propor sucessos históricos simplesmente inexistentes, para alavancar as últimas edições.

Como uma multidão de intelectuais de esquerda, Décio Freitas sofreu a usura do avanço da direita e recuo da esquerda através do mundo, nos anos 1980. No fim daquele decênio, quando da vitória histórica da maré neoliberal mundial, assinalada pela dissolução da URSS e pela restauração capitalista dos Estados de economia nacionalizada e planifica, Freitas trocou de trincheira, sem aviso, ou quase. Literalmente de um dia para outro. [MAESTRI, 2023.] Deu as costas ao marxismo, ao socialismo, à esquerda e ao movimento social que abraçara, desde sua juventude, por decisão sua, por quase meio século. Décio Freitas aprestava-se a cumprir setenta anos. Definitivamente, decidiu-se não ficar com as cascas, no que lhe restava de vida.

Aos vencedores, as batatas

Do dia para a noite, Décio Freitas se transformou em intelectual orgânico da direita sul-rio-grandense, propositor e defensor ardiloso do que havia de mais reacionário. Passou a disparar sobre tudo que se movia. Seus serviços qualificados foram reconhecidos. Foi-lhe cedida, creio que até a sua morte, página dominical de destaque no jornal do principal grupo de comunicação liberal do sul do Brasil, que o convidava amiúde para falar na sua rádio e televisão. Passou a ser conferencista requisitado. Escreveu, com um sucesso imediato de vendas, livros que navegavam despudoradamente entre a literatura ficcional e a historiografia. Trabalhos indignos de sua produção intelectual anterior. Jurando, sempre, de mãos juntas, serem trabalhos historiográficos, apoiados em documentação que, mais comumente, não indicava com precisão onde se encontrava. Com as “costas quentes”, podia dizer o que quisesse, impunemente.

Escreveu O homem que inventou a ditadura no Brasil. Uma obra achincalhando Júlio de Castilhos, o político positivista que, quando e após 1889, derrotou a oligarquia latifundiária e modernizou em um sentido capitalista o Rio Grande do Sul. Nessa obra, apresentou como se fossem dos personagens históricos aos quais se referia, entre ele Castilhos, sucessos e sentimentos seus, reais ou imaginários, que me confidenciara, em detalhes, anos antes. Alguns, repetidas vezes. Tive que me esforçar para terminar de ler esse livro ideológico, rapidamente esquecido. Entretanto, já vi o livro citado como fonte historiográfica.

Dandara dos Palmares, que já é apresentada como a primeira e a única mulher de Zumbi, nasceu, certamente, em inícios dos anos 1980, em Porto Alegre, na máquina de escrever de Décio Freitas, no seu apartamento na avenida Independência, diante da Santa Casa de Misericórdia. Onde se inspirou, está ainda por ser acertado. Os filhos, Aristogíto, Aristogíton e Motumbo, que teriam sobrevivido à queda de Palmares e às mortes dos pais, não sei se foram inventices apenas do Décio ou nasceram e foram aleitados pelo costume de que, “quem conta um conto, aumenta um ponto”. Muito logo teremos netos e bisnetos, de Zumbi e Dandara, e por aí vai. Hoje, para esse tipo de leitura do passado, a imaginação é o limite. E, com essas violências, se lança mais uma pá de cal sobre a história da resistência gloriosa das mulheres e dos homens escravizados do nosso passado.

Ao escrever esse comentário, confesso que senti uma profunda saudade de Décio Freitas. Do primeiro, é certo. O segundo, conheci de longe e prefiro esquecer.

*Mário Maestri é historiador. Autor, entre outros livros, de Filhos de Cã, filhos do cão. O trabalhador escravizado na historiografia brasileira (FCM Editora).

Referências


CAETANO, Janaína Oliveira; CASTRO, Helena Carla. Dandara dos Palmares: uma proposta para introduzir uma heroína negra no ambiente escolar, REHR | Dourados, MS | v.14 | n. 27| p.153-179 | Jan. / Jun. 2020.

CARNEIRO, Edison. O Quilombo dos Palmares. 5. Ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

ENNES, Ernesto. As guerras nos Palmares. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. Porto Alegre: Movimento, 1973.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. 2 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. 3 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1981.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. 4 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.

FREITAS, Décio. Palmares: A guerra dos escravos. 5 ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984.

FREITAS, Décio. Insurreições escravas. Porto Alegre: Movimento, 1976.

FREITAS, Décio. Brasil inconcluso. Porto Alegre: Est, 1986.

FREITAS, Décio. O Homem que Inventou a Ditadura no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 1999.

FREITAS, Décio. República de Palmares: pesquisa e comentários em documentos históricos do século XVII, EdUFAL, 2004.

GOMES, Flávio dos Santos. Palmares: escravidão e liberdade no Atlântico Sul.São Paulo: Contexto, 2005.

GOMES, Flávio dos Santos. De Olho em Zumbi dos Palmares: histórias, símbolos e memória social. São Paulo: Claro Enigma, 2011.

MAESTRI, Mário. A agricultura Africana nos séculos XVI e XVII no litoral angolano Porto Alegre: EdUFRGS, 1978.

MAESTRI Mário. O escravo no Rio Grande do Sul. A charqueada e a gênese do escravismo gaúchoPorto Alegre: EST; Caxias do Sul, EDUCS, 1984.

MAESTRI, Mário. Filhos de Cã, Filhos do Cão. O trabalhador escravizado na historiografia brasileira. Porto Alegre: FCM Editora, 2022.

MAESTRI, Mário. Revolução e Contrarrevolução Mundial (1917-2023). Revista AComuna, 7 de abril de 2023, https://acomunarevista.org/2023/04/07/revolucao-e-contrarrevolucao-mundial-1917-2023/

MOTT, Luiz R. B. “Rebeliões escravas em Sergipe”. In: Estudos Econômicos, 17 (n esp.): 111-129 pp. São Paulo, 1987.

MOTT, Luiz. Escravidão, Homossexualismo e Demonologia. São Paulo: Ícones, 1988. [

MOTT, Maria Lucia de Barros. Submissão e resistência: a mulher na luta contra a escravidão. São Paulo: Contexto, 1988.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala: Quilombos, insurreições e guerrilhas. 4 ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

PÉRET, Benjamin. “Que foi o quilombo de Palmares?”. Revista Anhembi, São Paulo, abril e maio, 1956.

PÉRET, Benjamin. O Quilombo dos Palmares. Apresentação Mário Maestri, Robert Ponge. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2002.

SILVA, Adriano Viaro da. Palmares no cepo da história: história e historiografia da Confederação dos Quilombos dos Palmares (1644-1984). Mestrado, PPGH UPF, abril de 2016, orientação de Mário Maestri. http://tede.upf.br/jspui/bitstream/tede/2383/2/2016AdrianoViarodaSilva.pdf


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Celso Frederico Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani José Micaelson Lacerda Morais Flávio Aguiar Gilberto Maringoni João Sette Whitaker Ferreira Remy José Fontana Paulo Martins Elias Jabbour Fernão Pessoa Ramos Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Paulo Nogueira Batista Jr Eleutério F. S. Prado Francisco Pereira de Farias Marilia Pacheco Fiorillo Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Bernardo Ricupero Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Berenice Bento André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Gerson Almeida Slavoj Žižek Valério Arcary Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Afrânio Catani Ricardo Fabbrini Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Atilio A. Boron Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Eugênio Bucci Sandra Bitencourt Sergio Amadeu da Silveira Claudio Katz Michael Roberts Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Henri Acselrad Armando Boito Renato Dagnino Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Luiz Costa Lima Luiz Marques Bruno Machado Paulo Capel Narvai Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Eliziário Andrade Milton Pinheiro Airton Paschoa Érico Andrade Antonino Infranca Rafael R. Ioris Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez Eugênio Trivinho Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Manchetômetro Ladislau Dowbor Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás Vanderlei Tenório Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves André Singer Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Vladimir Safatle Daniel Costa Leonardo Boff Gilberto Lopes Ricardo Antunes Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Carlos Tautz Jorge Branco Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Roberto Noritomi João Lanari Bo Ricardo Abramovay Chico Alencar Mário Maestri Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Manuel Domingos Neto Alexandre de Freitas Barbosa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleonora Albano Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Celso Favaretto José Costa Júnior Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Michael Löwy Dênis de Moraes Tarso Genro João Feres Júnior Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Lincoln Secco Marcelo Módolo João Carlos Salles José Luís Fiori Henry Burnett Otaviano Helene José Dirceu Marcos Silva José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Ricardo Musse José Machado Moita Neto Annateresa Fabris Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Luis Felipe Miguel

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada