As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Guerra, terror e ultraje seletivo

Imagem: Faixa de Gaza / Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SALEM NASSER*

Se o jornal Folha de São Paulo seguisse seu próprio Manual, classificaria Israel como terrorista, mas ela só o faz para nomear o Hamas dessa maneira

Imagine. Imagine que 2,5 milhões de judeus vivem há 17 anos numa prisão a céu aberto e que seu carcereiro decide sobre o que entra e o que sai, energia, comida, remédios… Imagine que famílias judias são cotidianamente expulsas de suas casas, suas e de seus antepassados, de sua terra por gerações, para dar moradia a não-judeus vindos do mundo inteiro. Imagine que judeus vivem cercados de muros e cercas e não podem andar pelas mesmas ruas que são livres apenas para não-judeus.

Imagine que os judeus têm a sua a identidade nacional, a sua própria existência enquanto povo, negada. Imagine que alguém, um ministro, por exemplo, diga que os judeus são animais a serem eliminados. Imagine que o carcereiro anuncia, e logo cumpre, que cortará o acesso à água, à luz, à comida, dos judeus. E imagine que aqueles 2,5 milhões de judeus, na sua prisão, são alvo, por dias seguidos, das armas mais inteligentes e mortais do mundo, e por bombas de fósforo branco e que, por exemplo, só na primeira noite de bombardeios, 140 crianças morrem….

Agora, imagine que os judeus são palestinos. Você acordou, finalmente, agora? Se não acordou, vou dar uma dica: você precisa imaginar que o palestino é um ser humano como o judeu; e você precisa imaginar que, assim como os judeus e todos os demais seres humanos, os palestinos podem ser civis. Crianças tendem a ser civis.

O jornal Folha de S. Paulo passou a chamar o Hamas de grupo terrorista porque “Segundo o Manual da Redação, a palavra terrorista deve ser usada para qualificar quem “pratica violência indiscriminada contra não combatentes a fim de disseminar pânico e intimidar adversários””.

Não li versões recentes do Manual da Redação da Folha, mas lembro com saudades de uma propaganda, histórica, que o jornal veiculou e que terminava com uma belíssima frase: “é possível contar um monte de mentiras dizendo só a verdade!”.

A Folha parece não querer se dar ao trabalho nem mesmo de dizer a verdade. Ela reporta o que o Hamas usou como justificativa para o ataque, mas não nos conta que é verdade o que o grupo disse. A verdade pode não justificar os atos, mas não deixa de ser verdade. Reporta o que Benjamin Netanyahu disse, mas apenas a parte que interessa a Benjamin Netanyahu.

A Folha pode chamar o Hamas de grupo terrorista para se manter fiel ao seu Manual, mas, para manter-se fiel ao mesmo Manual, precisaria se referir a Israel como um Estado terrorista e aos seus governantes como terroristas, de acordo com a sua própria definição.

Não discutirei o conceito técnico de terrorismo, que não existe, mas direi algo sobre o uso retórico da palavra.

Antes, no entanto, digo que existem tratados internacionais que estabelecem o Direito internacional humanitário – o que se pode e o que não se pode fazer na guerra –, que definem o crime de genocídio, os crimes de guerra, os crimes contra a humanidade, entre estes o crime de apartheid.

Se alguém se der ao trabalho de ler, verá que, tecnicamente, Israel viola todas as normas possíveis do Direito humanitário e verá que os governantes e militares israelenses são criminosos de guerra e culpados de crimes contra a humanidade, inclusive aquele de apartheid. Não chego ainda a dizer que sejam culpados do crime de genocídio porque não tenho certeza de que a limpeza étnica de um povo sobretudo pela expulsão do território equivale, exatamente, à tentativa de operar a “destruição, total ou parcial, de um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”.

Assim, se a Folha faz questão de abarcar, no modo como se refere ao Hamas, o que percebe como violações do Direito humanitário ou como crimes de guerra ou, ainda, crimes contra a humanidade, eu recorreria a outra terminologia que não a de terrorista.

Mas, para fazer bom jornalismo, precisaria se referir, ao menos, do mesmo modo a Israel, suas autoridades e seus militares.

Bom jornalismo? Não quero ensinar a missa ao vigário, mas a Folha deve saber, não pode não saber, que quando se refere ao Hamas como grupo terrorista, nada mais do que diga ou reporte interessa ou fará qualquer diferença! Assim que diz “grupo terrorista” ela tira qualquer razão aos palestinos e permite tudo a Israel. Todos os crimes são permitidos contra o terrorista! Esse é o poder retórico da palavra.

Se isso não consta do seu Manual da Redação, recomendo fortemente a sua reciclagem.

*Salem Nasser é professor da Faculdade de Direito da FGV-SP.

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Anderson Alves Esteves Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Afrânio Catani Eugênio Trivinho Marcus Ianoni Paulo Fernandes Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Henri Acselrad Bruno Machado Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes Roberto Noritomi Gilberto Maringoni Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Alysson Leandro Mascaro Andrew Korybko André Márcio Neves Soares Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Eleutério F. S. Prado Luiz Roberto Alves Carlos Tautz José Raimundo Trindade Ricardo Antunes João Paulo Ayub Fonseca Ronaldo Tadeu de Souza Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Valerio Arcary Boaventura de Sousa Santos José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Samuel Kilsztajn Jorge Branco Annateresa Fabris Luiz Marques José Luís Fiori Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Francisco Pereira de Farias Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Berenice Bento Marjorie C. Marona Paulo Martins Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Gerson Almeida Luciano Nascimento Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Renato Dagnino Atilio A. Boron Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato Julian Rodrigues Thomas Piketty Eleonora Albano Benicio Viero Schmidt Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Luiz Eduardo Soares Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Michael Löwy Osvaldo Coggiola Salem Nasser Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilena Chauí Leonardo Sacramento Manchetômetro Leonardo Avritzer Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Antonio Martins Anselm Jappe Liszt Vieira Remy José Fontana Dênis de Moraes Ronald León Núñez Lorenzo Vitral Lucas Fiaschetti Estevez Eduardo Borges Eugênio Bucci Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto João Adolfo Hansen Lincoln Secco Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira José Costa Júnior Érico Andrade Roberto Bueno Slavoj Žižek Otaviano Helene Leonardo Boff Luiz Costa Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Lanari Bo Daniel Brazil Daniel Costa Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Celso Favaretto Ricardo Fabbrini Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Mariarosaria Fabris Valério Arcary Henry Burnett André Singer Marcos Silva Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Antonino Infranca Tales Ab'Sáber João Carlos Loebens Mário Maestri Sandra Bitencourt Elias Jabbour Maria Rita Kehl Rafael R. Ioris Heraldo Campos José Dirceu Marilia Pacheco Fiorillo Vanderlei Tenório João Feres Júnior Priscila Figueiredo Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Salles Armando Boito Ari Marcelo Solon Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Ricardo Abramovay José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Chico Alencar

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada