As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

História do PCB

Ivor Abrahams, Suite Jardim III, 1970
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LINCOLN SECCO & LUIZ BERNARDO PERICÁS*

Apresentação dos organizadores ao livro récem-publicado

O Partido Comunista teve papel destacado em diversos momentos da história contemporânea brasileira, tanto para a direita (já que ele foi o objeto preferencial do anticomunismo por décadas, embora o discurso contra o comunismo seja anterior à fundação do partido e à própria Revolução Russa, persistindo até hoje), como para a esquerda, sendo inegável a importância política do PCB, que pautou o debate no campo progressista ao longo de alguns decênios. Quase todas as correntes ideológicas se relacionaram com ele: anarquistas, trotskistas, maoístas, trabalhistas, petistas, além de militantes feministas, sindicalistas e dos movimentos negro, LGBT, ambientalista, estudantil etc.

A periodização é sempre um tema polêmico. Em 1919, no ano da fundação da Internacional Comunista, surgiu um Partido Comunista do Brasil com caráter mais anarquista do que marxista, que durou poucos meses e que logo desapareceu. Todavia, há amplo consenso de que foi em 1922 que, de fato, se fundou a organização que logrou continuidade histórica sob o nome de Partido Comunista do Brasil (PCB) e, desde 1961, Partido Comunista Brasileiro (mantendo a mesma sigla).

A agremiação foi desarticulada no final da década de 1930; começou a se recompor a partir de 1942; cresceu bastante até o encerramento do Estado Novo; em seguida, conseguiu eleger um senador e vários deputados federais (que, após a cassação do registro do partido, perderam seus mandatos); passou por longos momentos de ilegalidade e mudanças programáticas; resistiu à ditadura militar; continuou no período da redemocratização e da Nova República; e chegou até 1992 (logo após a dissolução da União Soviética), quando então houve uma cisão que levou à construção de dois grupos bastante distintos.

Um deles abandonou de vez a legenda, o nome, o programa, os princípios e a própria teoria marxista, resultando no surgimento do PPS (depois Cidadania), que se situa no espectro da “centro-direita”, que defende um programa neoliberal e “democrático”, e que mantém em suas mãos a Fundação Astrojildo Pereira. Já o outro, o Movimento Nacional em Defesa do PCB, se reorganizou à esquerda e preservou a sigla e os princípios marxista-leninistas. O Instituto Astrojildo Pereira (IAP), por sua vez, continua a ser administrado por comunistas e intelectuais marxistas (com ou sem filiação partidária).

A partir daí transcorre uma história que não é objeto desta obra. Hoje, diferentes agremiações disputam o legado do comunismo no Brasil, incluindo o PCdoB, que desde 1962 se reivindica o legítimo herdeiro do partido fundado em 1922 e é retratado num dos artigos desta antologia. Esta legenda nos anos 1980 contava com cerca de cinquenta mil filiados e elegeu uma bancada constituinte de seis deputados.

Este livro procura retomar alguns debates já clássicos sobre a história do comunismo em nosso país, seus momentos decisivos, cisões e disputas e, ao mesmo tempo, revelar novas linhas de pesquisa. Dessa forma, esta coletânea foi organizada com a máxima abrangência temática, envolvendo autores conhecidos e jovens acadêmicos. Cada colaborador teve liberdade para estabelecer sua leitura mais ou menos crítica da trajetória dos comunistas brasileiros, da sua incidência na vida política e cultural e das suas relações internacionais. Por isso mesmo, contradições entre as abordagens, divergências teóricas e superposições de períodos analisados são esperados.

Temos certeza de que se trata de obra única, ao historiar os principais momentos do Partido Comunista sob diversos pontos de vista e com amplitude temática, incluindo a juventude, mulheres, negros, artistas, gráficos, editores, militares etc.

*Lincoln Secco é professor do Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de História do PT (Ateliê).

*Luiz Bernardo Pericás é professor no Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de Caio Prado Júnior: uma biografia política (Boitempo).

Referência


Lincoln Secco & Luiz Bernardo Pericás (orgs.). História do PCB. Cotia, Ateliê Editorial, 2022, 432 págs (https://amzn.to/3sdAKNF).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Tarso Genro Carla Teixeira Leonardo Avritzer João Feres Júnior Tales Ab'Sáber Ricardo Musse Celso Frederico Marcelo Módolo Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Fábio Konder Comparato Maria Rita Kehl Lincoln Secco Mário Maestri Benicio Viero Schmidt Bento Prado Jr. Remy José Fontana Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Yuri Martins-Fontes Luís Fernando Vitagliano Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Silva Dennis Oliveira Leonardo Boff Samuel Kilsztajn Valério Arcary João Adolfo Hansen Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Érico Andrade Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque Annateresa Fabris Milton Pinheiro Francisco Pereira de Farias Marcus Ianoni André Singer Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Caio Bugiato Slavoj Žižek José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Roberto Noritomi Armando Boito João Carlos Loebens Eugênio Trivinho Carlos Tautz Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Salem Nasser Sandra Bitencourt Paulo Martins Elias Jabbour Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Roberto Bueno José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Antunes Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Julian Rodrigues Valerio Arcary José Luís Fiori Ronald Rocha Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Daniel Costa Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Marilena Chauí Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Dênis de Moraes Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henri Acselrad Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Berenice Bento Vanderlei Tenório Daniel Brazil José Dirceu Michael Löwy Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Heraldo Campos Jean Marc Von Der Weid Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Jorge Branco Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino Gabriel Cohn Antonio Martins Liszt Vieira Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Celso Favaretto Francisco Fernandes Ladeira Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Tadeu Valadares Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca Chico Whitaker Luiz Roberto Alves Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Salles Michael Roberts Priscila Figueiredo Flávio R. Kothe Rafael R. Ioris Luiz Marques Ronald León Núñez Otaviano Helene Andrew Korybko Luis Felipe Miguel

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada