As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Intermezzo crítico

Edu Marin (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO R. KOTHE*

Sobre a teologia da estética

A Estética deriva de uma crença que pode conter erros nos fundamentos, e toda sua edificação pode afundar. Oriunda da metafísica psicológica, ela pressupõe que o homem se divida em corpo e alma, como instâncias separáveis, tendo a alma prioridade por ser imutável, eterna e independente do corpo. Assim como a Lógica cuidaria das ilações da alma em termos analíticos, a Estética cuidaria das percepções corporais, das imagens corpóreas. Essa concepção cristã está presente em Descartes, Leibniz, Wolff, Baumgarten, Kant, Fichte, Solger, Hegel e vários outros. Ela não é propriamente anterior ao cristianismo: os romanos, por exemplo, acreditavam que “a sombra” ia para os Campos Elísios, mas esses não ficavam num “Além” fora da “physis”.

Havia na escolástica uma “lógica superior”, analítica, voltada para o pensamento abstrato, mantendo um controle sobre como ele deveria ser. No século XVIII, com Wolff e Baumgarten, foi proposta a contrapartida do estudo da “Lógica inferior”, a “Estética” voltada para as regiões ínferas, consideradas corpóreas, pois aí também ocorreriam processos de conhecimento, basicamente mediante imagens fugidias. A “Estética” de Baumgarten[i] (#1) juntava áreas diversas: gnoseologia inferior, teoria das artes liberais, a arte das cogitações belas, arte do análogo da razão: seria a ciência dos conhecimentos sensitivos.

Às vezes o pressuposto teológico recebe a variante de que o homem não seria constituído por duas partes e sim por três: corpo, alma e espírito. No signo verbal, o corpo está para o significante assim como o significado está para a alma, mas quando se usa uma ironia o sentido da palavra tende a ser o contrário do significado usual. Há, portanto, uma terceira instância, o espírito da obra. Na Crítica da razão pura, por exemplo, a dimensão corpórea estaria no que ela chamava de Estética – que não era uma Filosofia da Arte – ou seja, a região das percepções dos sentidos; a alma estaria no entendimento conceitual, uma espécie de Espírito Santo que haveria no homem, enquanto o espírito estaria no nível mais elevado da Razão, que tudo comanda com suas três ideias: Deus, imortalidade, liberdade: o tico, o teco e o toco.

O problema central é discernir o cerne teológico que habita a filosofia e a estética, fazendo dos pensadores antes teólogos disfarçados do que propriamente filósofos, caso se aceite a proposta de Heidegger – que ele próprio não cumpriu plenamente – de que a filosofia é ateia por natureza. Numa era de recrudescimento do fanatismo religioso, esse problema se torna mais premente. O monoteísmo religioso tende a levar ao totalitarismo, pois quem só admite um único deus verdadeiro, o seu, não tem tolerância quanto à elevação de outras divindades. A saída não é a regressão ao politeísmo antigo, mas se desvencilhar das religiões: “sem deuses mais”.

A distinção entre corpo e alma parecia fácil: corpo seria uma coisa com extensão, sendo, portanto, divisível; em contrapartida, a alma seria o indivisível. Embora Descartes tenha adotado isso em suas obras principais, nas Paixões da alma[ii] observou que a alma também se divide: tem uma parte em que ela sente as coisas; outra que entende as coisas e ainda uma que decide sobre as coisas. No século XVII e XVIII não se tinha noção clara de que haveria o inconsciente, embora Shakespeare o tenha percebido. Para nós, desde a psicanálise é natural que “a alma” se divida em consciente, pré-consciente e inconsciente. Admitimos até que a morte cerebral possa ocorrer antes da morte do resto do corpo. Quando se dividem as coisas, deveria chegar um momento em que elas não se poderiam dividir mais: é o ponto matemático, cruzamento de duas linhas, que é sem estar aí, é um não-ser que é e que funda tudo (ou afunda tudo no nada). Tudo o que há se baseia num não estar que é.

Numa situação de guerra, sob canhoneio, um soldado se apavora, fica pálido e quer se esconder, enquanto outro fica furioso, vermelho de raiva e se dispõe a enfrentar o fogo do inimigo de peito aberto. Para a mesma causa deveria as mesmas consequências, e isso não ocorre. Se suas “almas” têm a mesma origem divina, por que reagem de modo oposto?

Cada “alma” capta os dados do real, discerne a situação, provoca uma reação somática e uma ação volitiva. Sofrer os dados equivale à figura de Cristo, que corporifica o sofrimento; a intelecção dos dados é feita pelo entendimento, que corresponde ao Espírito Santo, enquanto a expressão divina da vontade é Deus Pai, que decide fazer e desfazer as coisas. Há, porém, além dessa Santíssima Trindade, uma quarta figura, aquela que faz com que o espírito somatize reações corpóreas e que corresponde à figura da Virgem Maria, aquela que fez o espírito se tornar carne e habitar entre humanos.

Quando os filósofos do século XVIII se puseram a desenvolver a “metafísica psicológica”, estavam fazendo algo sacrílego, ou seja, tentar decifrar o que seria a “alma” posta por Deus no homem, mas transpuseram as categorias teológicas para o âmbito da teoria do conhecimento. Eles procuravam a “arquitetura da mente” e tinham um plano “arquitetônico” em seus sistemas. Isso fica mais claro no “robô” construído por Kant na Crítica da razão pura. Ele tem sensores – os sentidos – que captam imagens dos fenômenos das coisas e que as levam ao “entendimento” (Verstand) que os organiza conforme os conceitos – é a programação de que é dotado, o que leva a decisões conforme os princípios volitivos da razão, mediada pelo juízo.

Se em Descartes, nas Paixões da alma, paira a sugestão de que a “alma” se divide em três (eu diria quatro) partes – a intelecção sendo o equivalente ao Espírito Santo, o sentimento ao Cristo e a vontade ao Deus Pai, pode-se acrescentar a somatização dos movimentos psíquicos como equivalente à Virgem Maria, aquela que fez o espírito se tornar carne – essas mesmas categorias teológicas católicas se encontram em Kant, embora este tivesse um background antes luterano do que católico. O “esquema” (no sentido mesmo de esquematismo da razão) da Crítica da razão pura pode ser visto na forma de uma pirâmide, em que a parte de baixo é formada pela multiplicidade caótica das percepções, o corpo, a “estética transcendental”; a parte intermediária pelo sistema conceptual do entendimento (Verstand), e a parte superior pela razão com suas três supostas ideias de Deus, liberdade e imortalidade.

Ou seja, o que comanda tudo é a razão, que é uma transposição da figura de Deus Pai; o entendimento, que é a intelecção das coisas, seria a transposição do Espírito Santo, enquanto que aquele que carrega o que se sente, o estético, seria o equivalente a Cristo, o sofredor. Depois de apresentar esse tríptico, Kant lembra de colocar entre a segunda e a terceira instância a faculdade do juízo, que fica transpondo as ordens da razão abstrata para as atividades concretas, ou seja, é a Virgem Maria que reaparece, aquela que faz o espírito se tornar carne, decisão concreta, a mediação do divino com o humano. Kant usa explicitamente o termo “arquitetura” para designar a estrutura da mente.

Se for tomada uma casa como modelo, pode-se supor também que os fundamentos são os dados fornecidos pelos sensores que são os sentidos, passivos receptores que sofrem, mas são os fornecedores da matéria prima, o Cristo sobre o qual se funda toda a fé cristã; a parte das salas e dos quartos é ocupada pela vida da mente, pela programação conceptual, ou seja, o Espírito Santo; o teto é a formatação do juízo, ou seja, corresponde à Virgem Maria, aquela que torna concreta, torna carne, o que seria a vontade puramente espiritual do que representa o divino, enquanto o telhado que tudo cobre é a razão, que representa a vontade do Deus Pai. Ou seja, deus não é apenas uma ideia da razão – a ser distinguida da crença em deus porque representaria o início e o fim de todas as coisas, portanto esconderia atrás de si a astronomia e a astrofísica –, mas o divino cristão serve para estruturar a própria mente. A mente que possa ser considerada humana só pode ser a mentalidade cristã, a que é feita em conformidade com a crença europeia dominante. Define-se a estrutura da mente conforme uma crença determinada, a cristã.

Marx usou essa imagem de uma edificação para entender a relação entre cultura, sociedade e modo de produção. Este seria a base, o alicerce, sobre o qual se construiria a estrutura social, que seriam como os quartos e salas da moradia, enquanto o telhado formaria a supraestrutura cultural. O termo que ele usa é “Bau”, uma construção, uma edificação, uma casa, o que se perdeu quando se traduziu isso por estrutura, que é antes o esqueleto da construção. Daí os termos “Unterbau” para os alicerces econômicos e “Überbau” para a expressão (Ausdruck) cultural deles.

Temos de olhar de fora essa construção em que habitamos, que nos é. Fácil é aí comparar as pessoas e dizer que umas parecem choupanas; outras, taperas decadentes; outras, construções populares: há uma classe baixa e média de construção, assim como há mansões de classe alta e palácios ideativos. A construção é, porém, algo rígido, uma casa que não tem vida, a estrutura mecânica do pensar. Como ficam, porém, a liberdade e a inventividade dentro disso? Seriam a movimentação de quem aí habita, dentro do previsível?

Constroem-se fundamentos, paredes, tetos e telhados para gerar vazios. Tudo o se edifica é feito para gerar um não-ser. Ele não é, porém, idêntico ao grande feito na ciência ou na arte que produz algo não igual ao já previsto. Ou seja, aquilo que mais distingue o homem não tem espaço na metáfora da edificação.

*Flávio R. Kothe é professor titular de Estética na FAU/UnB, autor de obras sobre o cânone brasileiro, teoria literária e arte comparada, tradutor de Nietzsche, Marx, Kafka, Adorno e autor de poemas, contos e novelas.

[i]Baumgarten, Alexander G. Ästhetik, Hamburg, Felix Meiner Verlag, 2007, latim e alemão, 2 volumes.

[ii] Descartes, René. Paixões da alma. Coleção Os pensadores, São Paulo, Editora Abril, 1983, tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior, p. 218 ss.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Atilio A. Boron João Carlos Salles Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás Salem Nasser Annateresa Fabris Gilberto Lopes Marilena Chauí Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Remy José Fontana Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Kátia Gerab Baggio Luiz Costa Lima Lincoln Secco Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Armando Boito Fernão Pessoa Ramos João Carlos Loebens Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Musse Paulo Martins Gilberto Maringoni Valério Arcary José Luís Fiori Leonardo Sacramento Renato Dagnino Daniel Costa José Costa Júnior Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Otaviano Helene Igor Felippe Santos Leda Maria Paulani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Ronald Rocha Marjorie C. Marona Eliziário Andrade Henri Acselrad Leonardo Avritzer Liszt Vieira Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes Eduardo Borges Ladislau Dowbor Claudio Katz Chico Alencar Ronald León Núñez Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Tadeu Valadares Luciano Nascimento Luiz Renato Martins José Dirceu Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Chico Whitaker Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos Michael Roberts João Paulo Ayub Fonseca Flávio Aguiar Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves Rodrigo de Faria Antonio Martins Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Bento Prado Jr. Caio Bugiato Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior Heraldo Campos Jorge Branco Denilson Cordeiro Berenice Bento Tales Ab'Sáber Manchetômetro André Singer Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Carlos Tautz Tarso Genro Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris João Feres Júnior Bruno Machado Roberto Noritomi Rubens Pinto Lyra Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Dênis de Moraes Dennis Oliveira Henry Burnett Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Anselm Jappe Luiz Marques Mariarosaria Fabris José Raimundo Trindade Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira Vladimir Safatle Elias Jabbour João Lanari Bo Carla Teixeira Bernardo Ricupero Luiz Eduardo Soares Julian Rodrigues Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada