As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Bolsonarismo: a defesa do “Deus mau”

Bernard Meninsky, Esboço de uma natureza morta com uma tigela de frutas em uma superfície plana, Data desconhecida.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

Apoiar o “mito” deixou de ser mera inclinação política ou ideológica, está além de ser “esquerda” ou “direita”; é negar qualquer tipo de ideal humanístico

Jair Bolsonaro e o movimento ao qual ele é o principal nome – o bolsonarismo – representam o que há de pior no ser humano: racismo, homofobia, misoginia e aporofobia, entre outros sentimentos negativos. No entanto, como todo produto ideológico, o discurso bolsonarista não revela suas reais intenções; se escondendo sobre o lema fascista de uma suposta defesa de Deus, da pátria, da família e da liberdade.

Nesse caso, a família exaltada é aquela organização patriarcal, baseada na autoridade do homem e na completa submissão feminina. Esse tipo de arranjo parental é base para o tipo de pátria sonhada pelo bolsonarismo, “onde a minoria deve se curvar às vontades da maioria” (mero eufemismo para imposição dos preconceitos elencados acima). Já a “liberdade” defendida pelo bolsonarismo nada é mais do que a licença para a violência (física e simbólica) contra pobres, pretos, mulheres, esquerdistas e homossexuais.

Dito isso, alguém pode se perguntar: mas como “Deus” pode ser utilizado para corroborar todo o ódio bolsonarista?

Para responder a essa (complexa e necessária) questão, podemos recorrer à obra do psicanalista, filósofo humanista e sociólogo alemão Erich Fromm, mais especificamente ao seu livro O dogma de Cristo.

Erich Fromm – assim como os gnósticos (corrente religiosa que remete aos primeiros séculos da Era Cristã) –  considera que na Bíblia, livro sagrado do cristianismo, são apresentados “dois deuses”, completamente diferentes: o “Deus mau”, do Antigo Testamento; e o “Deus bom”, referente ao Novo Testamento.

De fato, não é difícil constatar que, no Antigo Testamento, Deus é vingativo e rancorosos, sendo responsável direto pelo extermínio de todos aqueles que não seguiam seus ditames. Por outro lado, no Novo Testamento, Deus é amor, benevolente, perfeito, justo e misericordioso.

Assim, a partir dos preceitos psicanalíticos, calcados nos antagonismos entre pai e filho, Erich Fromm compreende Jesus (o “Deus bom”) como a negação do pai: o “Deus mal”. Não por acaso, o Novo Testamento tem início, justamente, com o nascimento de Jesus.

Esse “Deus mal”, do Antigo Testamento, é grande referência para as pregações de pastores de igrejas neopentecostais, uma das principais bases do bolsonarismo, baluarte daquilo que intelectuais como Jessé Souza e Vladimir Safatle qualificam como “fascismo popular”, movimento responsável por dividir os pobres (que, antes do bolsonarismo, votavam majoritariamente em candidatos petistas, pelo menos nas eleições presidenciais).

Ainda nessa linha de raciocínio, é possível compreender as estreitas ligações entre igrejas neopentecostais e o bolsonarismo com o Estado de Israel (haja vista que o judaísmo só considera como legítimo o Antigo Testamento). Aliás, se formos a fundo na origem dessas organizações religiosas, chegamos aos Estados Unidos da América, não coincidentemente uma nação fundada sob a concepção de “Terra Prometida”, ideia retirada do Antigo Testamento.

Voltando ao Brasil do século XXI, alguém pode argumentar que bolsonaristas e neopentecostais, apesar de seguirem o Antigo Testamento, evocam constante o nome de Jesus. Puro recurso retórico!

Lembrando uma postagem que tem feito bastante sucesso nas redes sociais, associar Jair Bolsonaro e Jesus, seria pensar o Messias, na Galileia, dizendo a Maria Madalena “não te estupro porque você não merece”; vendo Lázaro morto e afirmar “e daí, não sou coveiro” ou, diante de um deficiente físico, comentar: “o que quer que eu faça, não sou médico”. Tratam-se de hipóteses, evidentemente, inconcebíveis.

Em suma, não há argumentos éticos para se defender Bolsonaro. Na presente conjuntura, apoiar o “mito” deixou de ser mera inclinação política ou ideológica, está além de ser “esquerda” ou “direita”; é negar qualquer tipo de ideal humanístico. Infelizmente, no primeiro turno da eleição presidencial, cinquenta e um milhões de brasileiros fizeram essa escolha perversa.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Roberto Noritomi Marcelo Módolo Paulo Fernandes Silveira Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Luiz Costa Lima Lorenzo Vitral Valério Arcary Ladislau Dowbor Benicio Viero Schmidt Lincoln Secco Marcus Ianoni Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Flávio Aguiar Bernardo Ricupero Leonardo Boff Claudio Katz Eugênio Trivinho Atilio A. Boron Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri Antônio Sales Rios Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Érico Andrade Andrew Korybko André Singer João Paulo Ayub Fonseca Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa João Carlos Loebens Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Paulo Martins Eleonora Albano João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Salem Nasser Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Alencar Lucas Fiaschetti Estevez Eugênio Bucci Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Berenice Bento Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Leonardo Avritzer André Márcio Neves Soares Michael Roberts Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Dennis Oliveira Celso Frederico Slavoj Žižek Henri Acselrad Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Renato Dagnino Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Eleutério F. S. Prado Elias Jabbour Igor Felippe Santos Luiz Marques João Carlos Salles Thomas Piketty Julian Rodrigues Vanderlei Tenório Roberto Bueno Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Gilberto Maringoni Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes Flávio R. Kothe João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Antonio Martins Ricardo Musse Bruno Machado Francisco de Oliveira Barros Júnior Tarso Genro Heraldo Campos Marilena Chauí Gilberto Lopes Michael Löwy Manchetômetro Luciano Nascimento Gerson Almeida José Geraldo Couto Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Eduardo Borges Bruno Fabricio Alcebino da Silva Remy José Fontana Armando Boito Celso Favaretto Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Antonino Infranca Milton Pinheiro João Feres Júnior Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Luiz Werneck Vianna Juarez Guimarães Mariarosaria Fabris Ricardo Abramovay José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade José Luís Fiori Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Ronald Rocha Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Rafael R. Ioris Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada