O Brasil “gasta” muito com educação?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Nelson Cardoso Amaral*

A afirmação de que o Brasil gasta muito com educação é disseminada por todos aqueles que querem diminuir os recursos públicos destinados à educação no Brasil. O próprio uso do termo “gasto” explicita o pensamento subjacente: a ideia de que as despesas com educação constituem um investimento desnecessário, quiçá um desperdício dos recursos públicos.

Essa avaliação está expressa na afirmação – reiterada e bastante repercutida – do atual Ministro da Educação, Abraham Weintraub,  que diz: “a gente gasta como os ricos e tem resultados dos pobres” (O Globo,  04/08/2019)) e no documento do Banco Mundial (BM) quando proclama, na mesma direção, que “em 2014, após uma década de rápido crescimento, as despesas com educação chegaram a 6% do PIB. Já em 2010, os gastos com educação no Brasil eram superiores à média dos países da OCDE(5,5%), do BRICS (5,1%) e da América Latina (4,6%)”.

Nesse documento, o Banco Mundial comete um erro conceitual (deliberado?) ao confundir o número que expressa um percentual do PIB do país com “os gastos com educação no Brasil”. Isto o levou a uma inferência sem comprovação e a uma conclusão absurda, ou seja, a de que “os gastos com educação no Brasil eram superiores à média dos países da OCDE”.

A tabela 01, construída com dados obtidos na Agência de Inteligência Americana (CIA), mostra os valores aplicados por pessoa de 0 a 24 anos (idade educacional), nos países membros da OCDE.

O gráfico 1 ilustra os valores aplicados nos países membros da OCDE e no Brasil, por pessoa de 0 a 24 anos, colocados em ordem decrescente.

A Noruega é o país que desembolsa o maior valor, US$/PPP 17.762,88, por pessoa de 0 a 24 anos (idade educacional); o Brasil e o México são os países, no gráfico, que despendem menores valores, US$/PPP 2.525,48 e US$/PPP 2.313,02, respectivamente.

O equívoco decorre de um erro matemático primário: apesar de ter um PIB de US$/PPP 3.240 bilhões e destinar o equivalente a 6,2% do PIB em educação, o quantitativo de crianças e jovens com idade de 0 a 24 anos é muito grande, 79.737.743 pessoas, o que resulta em US$/PPP 2.525.48 aplicados por pessoa nessa faixa etária. A Coréia do Sul, por exemplo, tem um PIB menor, de US$/PPP 2.035 bilhões, investe o equivalente a 5,3% do PIB em educação, um pouco menos do que o percentual aplicado pelo Brasil, mas como possui apenas 12.967.644 pessoas na faixa entre 0 a 24 anos, o resultado final é o desembolso de US$/PPP 8.317,24 por pessoa.

Por despender valores tão pequenos, comparados com os desembolsados pelos países “ricos”, o Plano Nacional de Educação (PNE) para o período 2014-2024 – lei aprovada pelo Congresso Nacional em 2014 e ignorada pelo Ministério da Educação – estabeleceu em sua Meta 20 que os valores financeiros aplicados em educação deveriam ser elevados até atingir, em 2024, o equivalente a 10% do PIB. Caso essa meta seja atingida o Brasil estaria aplicando US$/PPP 4.073,35 por pessoa de 0 a 24 anos, o que constitui ainda um valor baixo que supera apenas os valores investidos na educação, dentre os membros da OCDE, pela Grécia, Chile, Turquia e México.

O que sustenta afirmações como “os gastos com educação no Brasil são superiores à média dos países da OCDE” e que “gasta como os ricos”? Na medida em que carecem de apoio nos dados objetivos, de comprovação científica, que não decorrem do raciocínio lógico, constituem apenas mantras intensamente divulgados para enfraquecer a luta pelo ensino público.

*Nelson Cardoso Amaral é professor do departamento de física da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • Rio Grande do Sul – o desmantelamento do estadoAmélia Cohn 21/05/2024 Por AMÉLIA COHN: A catástrofe climática no Rio Grande do Sul não configura-se mais como uma tragédia repetida como farsa, pois não é a primeira enchente que devasta o estado e a capital gaúcha
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES