Janio de Freitas

Imagem: Carlos Fajardo (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HENRY BURNETT*

Ler o Janio aos domingos, durante os últimos quatro anos, era um refúgio, um dos únicos motivos de seguir pagando a Folha

Eu já fiz coisas quase insanas para ler a Folha de S. Paulo. Morava num conjunto da Cohab no bairro do Coqueiro, no município de Ananindeua, colado a Belém; algo como Guarulhos em relação a São Paulo. É quase certo que eu fosse o único assinante do jornal num raio de quilômetros. Até aí tudo bem.

O problema é que a assinatura devia custar cinco vezes mais que o valor do Sudeste e o jornal, podem rir, não raro só era entregue no dia seguinte. Logo, muitas vezes lia o jornal com um atraso que, no mundo das notícias, podia ser fatal.

O motivo daquele gasto absurdo para um estudante desempregado era simples: os jornais de Belém eram contaminados pela política provinciana e eu achava que o “maior jornal do país” era isento.

Mas logo outros motivos me tornaram dependentes daquela leitura. Marcelo Coelho era meu preferido. Aquilo era jornalismo cultural do mais alto nível e não fazia diferença ler suas colunas um dia depois da publicação.

Nunca esquecerei a estreia de Arnaldo Jabor no jornal. Ele escreveu, cito de memória quase trinta anos depois, sobre o quadro de Diego Velázquez As meninas. Foi um deslumbramento. “Ler” um quadro; eu via aquilo pela primeira vez, num jornal!

Não posso sequer confirmar a informação no Acervo da Folha, porque anteontem cancelei em definitivo minha assinatura digital (teria sido bem melhor se existisse isso naquela época…). Depois de tantos anos lendo esse jornal – contra várias dicas de amigos que sempre me alertaram sobre as ambiguidades destiladas nos editoriais – fui vencido.

Quando soube da demissão do jornalista Janio de Freitas fiquei alguns minutos sem entender – de novo eu tentava entender o jornal, para dar-lhe algum crédito. Tendo publicado duas ou três colaborações e me sentido “o centro do mundo”, me sentia esgotado; já não era sem tempo.

Tentei cancelar minha assinatura a primeira vez logo depois da vitória do Lula. Curioso, Freud explica. Eu já andava sentindo a ambiguidade (?) do jornal bater no teto, mas então antes de abrir o editorial, no dia seguinte à vitória, eu pensei comigo, “a Folha vai cobrar o Lula um dia depois da apuração”. Batata, diria Nelson Rodrigues (por que lembrei dele?). Estava lá o editorial confirmando minha intuição.

Entro no chat e peço para cancelar. O atendente, pasmem, me sugere ler o Ombudsman como argumento para aceitar pagar “1,90 por três meses, depois 9,90”. Perguntei se ele estava me sugerindo manter a assinatura para ler a única coluna que criticava o jornal e a resposta foi sim. Mas eu disse que já lia, ele e Janio de Freitas, e o Marcelo Coelho, claro. Prorroguei mais um ano… (já era caso de internação, eu sei).

Mas a demissão de Janio foi demais. Lembro que ele havia sutilmente se queixado quando o jornal reduziu de duas para uma única coluna dominical sua colaboração. Ler o Janio aos domingos, durante os últimos quatro anos, era um refúgio, um dos únicos motivos de seguir pagando a Folha.

Como um jornal demite seu jornalista mais importante, cuja integridade e acuidade política servia de baliza para dezenas de jornalistas no país? Leio o motivo: contenção de gastos… pensei: não seria o caso de triplicar o salário para manter um jornalista dessa qualidade nos quadros do jornal? Se o New York Times declara voto, por que a Folha se mantém “apartidária”? Meu amigo alemão, no auge da campanha, me disse assim: “a Folha é de esquerda”. Ledo e Ivo engano, meu caro.

Acho que este texto deveria ser escrito por um jornalista, não é meu caso. Sou apenas um ex-leitor, para quem o jornal se tornou um fardo insuportável. Cancelei o recebimento da Newsletter, mas eles seguem mandando, como um castigo.

Soube que Marcelo Coelho saiu junto comigo, em respeito ao colega. Eu, que assinei o jornal muito por sua causa, me senti representado. Pensando bem, a saída dele faz acreditar que ainda resta gente íntegra neste mundo.

*Henry Burnett é crítico musical e professor de filosofia da Unifesp. Autor, entre outros livros, de Espelho musical do mundo (Editora Phi).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lorenzo Vitral Eugênio Trivinho Armando Boito Luís Fernando Vitagliano Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira José Costa Júnior Tales Ab'Sáber Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Dênis de Moraes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Roberto Alves Daniel Brazil Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Boff Elias Jabbour Matheus Silveira de Souza Eugênio Bucci Otaviano Helene Flávio Aguiar Bruno Machado José Machado Moita Neto Yuri Martins-Fontes Eleonora Albano Mário Maestri Vanderlei Tenório Tadeu Valadares João Carlos Loebens Marcos Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Caio Bugiato Claudio Katz Priscila Figueiredo Chico Alencar Gabriel Cohn Eliziário Andrade Paulo Martins Andrés del Río Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva Eduardo Borges Maria Rita Kehl João Feres Júnior Michael Roberts Mariarosaria Fabris Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior João Adolfo Hansen Luciano Nascimento Antonino Infranca Jorge Branco Paulo Capel Narvai Luiz Marques Ronald León Núñez Liszt Vieira Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Gilberto Lopes Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Luis Felipe Miguel Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana Ronaldo Tadeu de Souza Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos Thomas Piketty Paulo Nogueira Batista Jr Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado José Geraldo Couto Ricardo Antunes Michael Löwy Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro Andrew Korybko Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Alexandre de Lima Castro Tranjan Atilio A. Boron Renato Dagnino Marcus Ianoni Paulo Sérgio Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Manuel Domingos Neto Antônio Sales Rios Neto Ladislau Dowbor Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro Leda Maria Paulani Manchetômetro Henry Burnett João Lanari Bo José Raimundo Trindade Chico Whitaker Celso Frederico Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Érico Andrade Airton Paschoa Afrânio Catani André Singer Luiz Bernardo Pericás Walnice Nogueira Galvão Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni José Luís Fiori José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Henri Acselrad Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Gerson Almeida Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins João Carlos Salles Vladimir Safatle Celso Favaretto Carlos Tautz Tarso Genro Rodrigo de Faria Michel Goulart da Silva Leonardo Sacramento Osvaldo Coggiola João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Flávio R. Kothe Rafael R. Ioris Berenice Bento Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin Slavoj Žižek Juarez Guimarães Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Dirceu Daniel Costa Anselm Jappe Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira

NOVAS PUBLICAÇÕES