O acorde insensível de Deus

Frank Auerbach, A origem do grande urso, 1967–8
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro de Edmar Monteiro Filho

A maneira como é produzida a literatura contemporânea é indissociável da era midiática em que vivemos. O fato de podermos, desde o final do século XX, ter ao alcance dos dedos e dos olhos a maior biblioteca de todos os tempos, a mais babélica profusão de estilos, o mais instantâneo catálogo de consultas bibliográficas e o acesso imediato à produção artística de todos os cantos do planeta faz com que o ato de escrever esteja cada vez mais permeado por uma quantidade tão grande de influências que muitas vezes dificilmente serão detectadas e verificadas.

O Aleph borgiano hoje aparece à nossa frente quando ligamos a tela do computador. Obviamente, isso não nos transforma em magos omniscientes, pois abarcar tanto conhecimento provavelmente nos enlouqueceria. Os labirintos pode virar pesadelos. Novos escritores navegam em diversas correntezas estilísticas que podem levá-los ao sorvedouro desse oceano, se não souberem manejar com perícia o leme da criação.

Edmar Monteiro Filho é um autor brasileiro contemporâneo que se atém à norma culta, às formas narrativas clássicas, mas oferece ao leitor uma viagem para outras dimensões, além da superfície da escrita, onde o manejo de referências estéticas e vivenciais se dá de forma inteligente e perturbadora. Autor premiado de contos que estarão presentes em qualquer antologia dessa primeira metade do século, uma de suas façanhas foi entabular um diálogo fascinante com a obra de M. C. Escher (Atlas do Impossível, Penalux, 2017), criando ficções que espelham ou desenvolvem – nunca de maneira submissa ou realista – as ideias propostas pelo genial holandês.

Seu novo livro, O acorde insensível de Deus, não tem a unidade radical do Atlas, mas reafirma suas qualidades de prosador. Pode ser classificado como um livro de contos, embora a história que empresta o título ao volume tenha 60 páginas. Um funcionário público de Amparo, responsável pelo Museu da cidade, se vê envolvido com um boato de que quadros teriam sumido da Câmara Municipal. Ao mesmo tempo, escarafuncha velhos documentos e cartas de mais de um século, e repassa sua tensa relação com o filho.

Outro conto quase-novela é Retrato de Rashmila, com quase 40 páginas, onde o clima oriental da narrativa nos remete a Borges e seus ardilosos dilemas existenciais. A competência artesanal da escrita de Edmar Pereira Filho nos envolve sutilmente, e as palavras parecem exalar perfume de sândalo e incenso nepalês.

Mas é nas narrativas curtas que o talento do autor faísca. Do clima cortazariano de O funcionamento das ampulhetas, passando pela crueza social de Viúvas, onde um vendedor de montepios busca clientes nos subúrbios, até a concisão suicida do narrador de Ralo (duas páginas!) e o purgatório emocional de uma consulta em Medicina preventiva.

A literatura de Edmar Monteiro Filho faz um contraponto com a experimentação linguística tão em voga – escrever de forma livre, sem regras gramaticais ortodoxas – e comprova que ainda há muitas possibilidades narrativas a serem exploradas utilizando ferramentas mais, digamos, clássicas. E este acaba sendo um dos grandes prazeres que um leitor pode encontrar na literatura brasileira contemporânea: a possibilidade de conviver com estilos opostos, de apreciar raps, sambas e sinfonias ficcionais, de lamber com os olhos quadros figurativos e abstratos, de degustar feijoadas, sushis e sopas de letrinhas digitais, sem ficar preso ao arroz-com-feijão cotidiano.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência

Edmar Monteiro Filho. O acorde insensível de Deus. São Paulo, Ed. Laranja Original, 2022, 172 págs (https://amzn.to/3OSZrYA).

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Financeirização — crise, estagnação e desigualdadeCarlos-Vainer 28/05/2024 Por CARLOS VAINER: Considerações sobre o livro recém-lançado, organizado por Lena Lavinas, Norberto Montani Martins, Guilherme Leite Gonçalves e Elisa Van Waeynberge

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES