As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Jenny von Westphalen Marx

Imagem: Engin Akyurt
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

A presença da esposa de Marx

“O peso das gerações passadas assombra como um pesadelo as novas” (Karl Marx).

Nós, marxistas, temos com o que nos orgulhar. Jenny von Westphalen Marx redigiu as obras mais importantes do socialismo revolucionário. Deu à luz a muitos filhos, perdeu tantos outros, e, apesar da tragédia, foi uma mulher exemplar na militância política a favor do socialismo revolucionário. Abrigou os communards em sua casa, em Londres, os refugiados da comuna de Paris. Ela não tinha nem pão para comer e dar a seus filhos, mas o concedia aos pobres exilados. Amava seu marido incondicionalmente. Tinha um pouco de sua origem na aristocracia: era da pequena nobreza, proveniente de funcionários públicos

Seu marido, entretanto, era imperfeito. Ao longo de sua vida, várias expressões racistas utilizava. Referiu-se ao socialista Lassale como “negro judeu”.

Enquanto Jenny dava a luz a uma de suas queridas filhas, Marx engraçava-se com a empregada, e obrigou-a a conceber a criança anonimamente (posteriormente adotada por Engels).

Qual era o problema de Karl Marx?

O problema era o Complexo de Édipo com sua mãe judia.

Tanto do lado materno quanto do lado paterno, Marx descende de dinastias rabínicas. Ocorre que do lado paterno o pai, por questões de oportunidade, converte-se ao cristianismo. Observa-se na passagem a seguir a presença dessa origem: “Marx was converted to Christianity when he was six years old. His father had converted a year before his birth; his mother was to convert a year after his own conversion, so that when we address the question of Marx’s Jewish identity it is clearly not within any theological or ethnic definition” (GILMAN, 1988, p. 275).

E é uma conversão bem-sucedida. Tanto o pai quanto o filho acreditam que, de fato, converteram-se ao espírito prussiano. A Prússia germânica estava acima de tudo: “Karl Marx’s father, Heinrich Marx, born Heschel Marx, was not atypical of the acculturated Jews who saw conversion to Christianity as the natural next step in entering German society. He had strong emotional ties to his sense of “Germanness,” opposing Napoleon and supporting the German position during the “War of Liberation.” This identification with the German society was heightened by the family’s life in Trier, a city perched on the linguistic border between German, French, and Dutch. Of all the cities in Loter, the ancient settlement of German Jewry, it was the area in which the level of awareness of the political and social implication of language was the highest. Marx’s language as a child was German. His father’s identification was with the Prussian state and thus with the German language and its concomitant rhetoric” (GILMAN, 1984, p. 276).

Já a mãe mal sabia alemão. Todas as cartas escrevia ao filho com yiddishismos e desconhecimento total da língua pátria. Isso fez com que as obras perfeitas, hegelianas, que Jenny digitava tivessem erros ideológicos. Quando criticou o antissemita Bauer, por negar emancipação cívica aos judeus, e Marx a defendendo, não deixou de constatar o espírito do materialismo da religião materna.

Até na obra máxima que Jenny digitou, O Capital, há erros ideológicos. A bela teoria aristotélico-hegeliana da mercadoria é um pouco comprometida com resquício da raiva com que Marx sentia pela herança materna. A mercadoria fala uma língua de trapaceiros, de mercadores, de Ostjuden (judeus polacos).

Ainda bem que tivemos Jenny e todas as suas filhas (quatro belas Jenny) para nos orgulharmos cem por cento do socialismo revolucionário.

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

Referências


GILMAN, Sander L. Karl Marx and the Secret Language of Jews. Modern Judaism, v. 4, n. 3, p. 275-294, out. 1984.

VON KROSIGK, Lutz Schwerin. Jenny Marx. Liebe und Leid im Schatten von Karl Marx. Wuppertal: Staats-Verlag, 1976.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Antonio Martins Francisco Fernandes Ladeira Heraldo Campos Valério Arcary Leonardo Sacramento Michael Roberts Celso Frederico Roberto Noritomi João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Juarez Guimarães Ricardo Musse Anderson Alves Esteves José Luís Fiori Henry Burnett Rubens Pinto Lyra Remy José Fontana Annateresa Fabris Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Mário Maestri João Carlos Loebens Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Leda Maria Paulani José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Renato Dagnino Bernardo Ricupero José Dirceu Afrânio Catani Armando Boito Caio Bugiato Ronald Rocha Daniel Costa Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Dênis de Moraes João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Tadeu Valadares Liszt Vieira Chico Alencar Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Henri Acselrad Marcos Silva Lorenzo Vitral Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle Luiz Roberto Alves João Sette Whitaker Ferreira João Adolfo Hansen Celso Favaretto Eliziário Andrade Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Rodrigo de Faria Andrew Korybko Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Eduardo Borges Michael Löwy Luiz Marques Mariarosaria Fabris Boaventura de Sousa Santos Ari Marcelo Solon Bruno Machado Ricardo Fabbrini Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Guimarães Lima Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Yuri Martins-Fontes Jean Pierre Chauvin Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Manchetômetro Marcus Ianoni Carlos Tautz Gerson Almeida Julian Rodrigues Salem Nasser Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Luís Fernando Vitagliano Ricardo Antunes Marilena Chauí Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Anselm Jappe Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Daniel Brazil José Geraldo Couto Jorge Branco Maria Rita Kehl Bento Prado Jr. Érico Andrade Chico Whitaker Igor Felippe Santos Manuel Domingos Neto João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Vanderlei Tenório Denilson Cordeiro Airton Paschoa Flávio Aguiar André Singer Ricardo Abramovay Antonino Infranca Eugênio Trivinho Gabriel Cohn Ladislau Dowbor José Micaelson Lacerda Morais Daniel Afonso da Silva João Lanari Bo Leonardo Boff Eleutério F. S. Prado Gilberto Lopes Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior Berenice Bento Eugênio Bucci Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Slavoj Žižek Luiz Costa Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada