As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

João Sayad (1945 -2021)

Joan Miró, Corda e pessoas, eu, 1935.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO HADDAD & LEDA PAULANI*

Considerações sobre a singularidade do economista, recém-falecido

João Sayad teve uma carreira de fazer inveja a qualquer um. Depois de um doutorado em Yale (EUA), foi professor titular da Faculdade de Economia da USP, a FEA, quando ainda não tinha 40 anos. Também muito jovem, foi secretário da Fazenda do primeiro governo democraticamente eleito no Estado de São Paulo depois do golpe de 1964 (governo Franco Montoro) e ministro do Planejamento do primeiro governo civil pós-ditadura (governo Sarney); foi sócio de banco, secretário das Finanças do Município de São Paulo, secretário da Cultura estadual, vice-presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington (EUA), e presidente da TV Cultura. Um currículo de espantar, com sucesso em todos os papéis, como homem público, como empresário, como acadêmico.

Mas nunca se viu nele sombra sequer do orgulho, que bem podia ter, por todos esses feitos, pela trajetória brilhante; menos ainda qualquer traço da prepotência e da soberba que costuma marcar as pessoas tidas como importantes, economistas em destaque. Não. Sayad era uma pessoa doce, afável, cordata, incapaz de destratar quem quer que fosse, mesmo que a criatura merecesse.

Não se pense, porém, que essa fineza no trato escondia um sujeito calmo, porque indiferente às coisas, ao contrário; se atirava de cabeça nos projetos, queria ver as coisas acontecerem, se indignava com as injustiças, era apaixonado por São Paulo e por seu país – que muitas vezes via com desânimo e tristeza, mas isso lhe dava mais forças para tentar novos caminhos. Nos anos 1990, irritado com o pensamento simplista e raso dos recém-chegados PhDs sobre os dilemas de nossa economia, dizia que nenhum gasto público com educação deveria ser cortado, a não ser aquele das bolsas de estudantes brasileiros que iam fazer doutorado em Economia nos EUA. Um pouco mais à frente, não hesitava em dizer que banco devia mesmo era ser estatizado.

O déficit de arrogância não era, contudo, o único traço que o distinguia de seus pares economistas. Sayad tinha uma forma peculiar de entender a economia. De horizonte intelectual amplo, se interessava e lia praticamente todo o tempo, não só os artigos e as escaramuças econômicas, mas tudo que era relativo à arte, à filosofia, às ciências humanas. Sua profissão de fé keynesiana era, por isso, mesclada e enriquecida com um sem-número de outras importantes e muitas vezes decisivas considerações.

O dinheiro, por exemplo, um de seus objetos de estudo mais queridos, era algo que o desafiava: nenhuma das teorias econômicas satisfazia plenamente seu desejo de entendê-lo. Diferentemente do monetarista Milton Friedman, para quem não era necessário saber o que é o dinheiro, Sayad não desistiu até encontrar na antropologia uma pista para essa compreensão: para ele, o dinheiro é um mito, cuja funcionalidade depende da fé de quem o utiliza. Só quem esteve presente poderá, não sem rir, lembrar as caras de assombro e aversão de uma plateia repleta de economistas e executivos, quando ele disse algo parecido com isso num evento em São Paulo, numa manhã do início dos anos 2000.

Nós tivemos o privilégio de conviver com esse economista tão especial, com esse intelectual tão invulgar, como colegas na Universidade de São Paulo e comandando a Secretaria de Finanças da Prefeitura de São Paulo. Impossível esquecer que, em meio a tantas atribulações, a tantos esqueletos que íamos encontrando nos armários, em meio às dificuldades para recuperar as combalidas finanças municipais depois do desastre malufista, algumas das vezes em que, atendendo ao chamado do secretário, acorríamos a seu gabinete, a pergunta que vinha era do tipo: o que foi mesmo que Hegel disse sobre o Conceito?

*Fernando Haddad é professor de ciência política na USP. Foi ministro da Educação e prefeito de São Paulo. Autor, entre outros livros, de Trabalho e linguagem: para a renovação do socialismo (Azougue).

*Leda Paulani é professora titular (e sênior) da FEA-USP. Autora, entre outros livros, de Modernidade e discurso econômico (Boitempo).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jean Marc Von Der Weid Heraldo Campos Chico Whitaker Marcelo Módolo Jean Pierre Chauvin Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral Sergio Amadeu da Silveira Thomas Piketty Manchetômetro Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Eliziário Andrade Daniel Brazil Eduardo Borges Leonardo Sacramento Fernando Nogueira da Costa Celso Frederico Berenice Bento Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Sandra Bitencourt Bruno Machado Eleonora Albano José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Otaviano Helene Vanderlei Tenório Anselm Jappe Remy José Fontana Jorge Branco Roberto Bueno João Feres Júnior Rodrigo de Faria Renato Dagnino Henri Acselrad Andrew Korybko Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn José Raimundo Trindade Henry Burnett José Machado Moita Neto Leonardo Avritzer Michael Roberts Gilberto Lopes Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Marcos Silva Walnice Nogueira Galvão Juarez Guimarães João Carlos Salles Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Celso Favaretto André Singer Afrânio Catani Ricardo Antunes Paulo Martins Airton Paschoa João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Marcelo Guimarães Lima Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Lincoln Secco Armando Boito Paulo Nogueira Batista Jr Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Yuri Martins-Fontes Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Ronald León Núñez Gerson Almeida José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Valerio Arcary Ladislau Dowbor Osvaldo Coggiola Benicio Viero Schmidt Ricardo Musse Valério Arcary Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Gabriel Cohn Dênis de Moraes Priscila Figueiredo Tarso Genro Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens Mário Maestri Luiz Costa Lima Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Julian Rodrigues Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Fabbrini Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber João Sette Whitaker Ferreira Flávio Aguiar Claudio Katz André Márcio Neves Soares José Micaelson Lacerda Morais Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Boff José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Igor Felippe Santos Carlos Tautz Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Denilson Cordeiro Roberto Noritomi Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe João Lanari Bo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada