A urgência é a fome!

Imagem: Ryutaro Tsukata
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMISTAS PELA DEMOCRACIA*

Se há fome, não há democracia!

São tantas as mazelas enfrentadas atualmente pelo povo brasileiro que fica difícil estabelecer prioridade entre elas. Junto com a insuficiência de vacina contra a Covid-19, o elevado desemprego, a falta de moradia, o nível de violência contra os jovens negros, mulheres e LGBT, e outros tantos infortúnios, entre os quais não podemos esquecer o acelerado processo de desmonte do Estado que está sendo realizado pelo governo central do país e a crescente ameaça à democracia, destaca-se a situação de pobreza e a fome que assola milhões de pessoas em todo o país.

E por mais importante e urgente que seja a resolução do conjunto dessas demandas que hoje estão postas na sociedade brasileira, sem a qual não superaremos a situação quase distópica em que estamos imersos, o combate à pobreza e a resposta à fome assumem total prioridade. Sem alimento não há vida, pois de luz natural, de fé e de esperança não se pode viver.

Não é de hoje que a pobreza e a fome ameaçam o povo brasileiro dos extratos de renda mais baixos, pois constituem traço estrutural de nossa sociedade extremamente desigual. Contudo, como sabido, a pobreza foi significativamente reduzida com a implementação do Programa Bolsa Família, durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, e a fome praticamente extinta. O impacto desse programa sobre a pobreza foi imediato, já se manifestando nos primeiros anos de sua vigência.

Se em 2003, um ano antes do início do Bolsa Família, o Instituto de Pesquisas Aplicadas (IPEA), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimava que a população abaixo da linha de pobreza, atingia 12% da população, em 2008, esse percentual já havia caído para 4,8%. Em 2012, esse indicador tinha caído ainda mais, estando em 3,5%. Entre 2003 e 2008, a pobreza havia se reduzido de 26,1% para 14,1%. Esses dados podem ser acessados nos relatórios de acompanhamento dos objetivos do milênio, publicados pela IPEA em 2010 e 2014.

A partir de 2015, a tendência de melhora desses indicadores começou a se reverter. Isso foi fruto da semiestagnação da economia brasileira que se seguiu à queda acumulada do PIB de 6,8% nos anos 2015 e 2016 e da não intervenção ativa do governo federal, após o impeachment de Dilma Rousseff, no sentido de apoiar adequadamente a população mais carente do país. Em 2019, isto é, na pré-pandemia, a 11% das famílias estavam em situação de pobreza e a extrema pobreza havia aumentado significativamente, atingindo 6,7% da população segundo o IBGE. Chegada a pandemia e iniciados os aportes do Auxílio Emergencial, o percentual de famílias em situação de pobreza chegou a cair para a 5,5%, mas a redução do valor do benefício que se seguiu e sua descontinuidade elevaram novamente esse indicador para níveis há muito não vistos, de 15%, segundo a Fundação Getúlio Vargas.

Ao mesmo tempo em que esse auxílio foi descontinuado, a taxa de desemprego se manteve extremamente alta, atingindo 14.7% no primeiro trimestre de 2021, o que envolve 14,8 milhões de brasileiros, sem levar em conta outros 6 milhões de pessoas que desistiram de procurar emprego e por isso não são contabilizados como desempregados. Essa taxa é a maior já observada desde o início da série iniciada, em 2012, pelo IBGE. Para agravar a situação, a renda domiciliar média registrou queda de 10% no mesmo período e foi ainda muito mais acentuada junto aos domicílios de mais baixa renda, que inclusive são os que mais sofrem com a alta dos preços observada durante a pandemia. Situação que se torna ainda mais dramática com a inflação crescente que onera especialmente o preço dos alimentos, do gás e da energia elétrica, itens essenciais da condição de vida da população pobre.

Desemprego, queda nos rendimentos, carestia e ausência de um auxílio adequado à população de mais baixa renda constituem a sustentação do aumento da pobreza e da fome no Brasil desse período de pandemia. Para além das estatísticas, a elevação da pobreza é visível nas cidades brasileiras, destacando-se a quantidade de famílias que hoje se encontram em situação de rua. A fome, que não está restrita à população sem teto, é o que está por trás das filas que se formam nos locais de oferta de refeições e de distribuição de alimentos e de cestas básicas. São incontáveis as iniciativas de todos os tipos que tentam dar alguma resposta à fome que hoje se alastra no país: de movimentos sociais, empresas, grupos comunitários religiosos ou não, de prefeituras e estados, entre outras.

Essas iniciativas, por mais importantes que sejam, não resolvem a situação de insegurança em que parte da população brasileira se encontra. É preciso apoiar e incentivar todas as mobilizações de grupos sociais com esse objetivo, mas enquanto os condicionantes da fome estiverem presentes, garantir a manutenção de um fluxo de renda adequado para que a população que está vivendo essa tragédia possa superá-la. Isso implica o retorno do Auxílio emergencial de R$ 600,00, única possibilidade de, ao reduzir drasticamente a pobreza, mesmo que somente no período de sua concessão, dar segurança de que o alimento não faltará no dia de amanhã. É preciso, portanto, colocar o retorno do Auxílio Emergencial no centro das prioridades defendidas por aqueles que hoje se mobilizam contra o quadro de tragédia existente no país.

Se há fome, não há democracia!

*Associação Brasileira de Economistas pela Democracia é uma organização que congrega economistas, profissionais afins e estudantes de Economia comprometidos com a defesa da Democracia e o desenvolvimento econômico sustentável do Brasil.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anselm Jappe Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Lucas Fiaschetti Estevez Marjorie C. Marona Lincoln Secco Flávio R. Kothe José Geraldo Couto João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Daniel Costa Carla Teixeira Leonardo Sacramento Paulo Fernandes Silveira Andrew Korybko Vanderlei Tenório Alysson Leandro Mascaro Heraldo Campos Valerio Arcary Eduardo Borges Sergio Amadeu da Silveira Jorge Branco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleonora Albano Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Bruno Machado Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Armando Boito Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero Eugênio Trivinho Tarso Genro Otaviano Helene Mariarosaria Fabris Leonardo Boff Juarez Guimarães Luiz Roberto Alves Marcelo Módolo Henri Acselrad Gerson Almeida Bento Prado Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Vinício Carrilho Martinez Renato Dagnino André Singer Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Julian Rodrigues Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Paulo Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Chico Alencar Priscila Figueiredo Salem Nasser Luiz Werneck Vianna José Dirceu Fernão Pessoa Ramos José Luís Fiori João Carlos Loebens Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Matheus Silveira de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn João Feres Júnior Tales Ab'Sáber Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Sandra Bitencourt Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Daniel Brazil André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Antonio Martins Andrés del Río Alexandre Aragão de Albuquerque Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Airton Paschoa Michael Roberts Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Michel Goulart da Silva Dennis Oliveira Marilena Chauí Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa Slavoj Žižek Manchetômetro Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Francisco Pereira de Farias Luiz Renato Martins Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Fábio Konder Comparato Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez Luiz Carlos Bresser-Pereira Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Paulo Capel Narvai Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Luis Felipe Miguel Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Vladimir Safatle Antonino Infranca João Carlos Salles Liszt Vieira Samuel Kilsztajn Ronald Rocha Celso Favaretto João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Afrânio Catani Eliziário Andrade Chico Whitaker Marcus Ianoni Luiz Marques Luciano Nascimento Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES