As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Eleições, precatórios e COP-26

Imagem de domínio público. Autor desconhecido.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

Enquanto a inflação anual chega aos dois dígitos, a pior manifestação da enfermidade em 30 anos, os juros aumentam, cresce a incerteza institucional sobre a condução da política econômica e aproximam-se as eleições.

Embora seja em 2022, a eleição presidencial aponta para a agudização dos conflitos entre Lula e Bolsonaro. No contexto está a própria sobrevivência da Constituição de 1988. Com Lula vitorioso certamente haverá a construção de um amplo leque de alianças visando a governabilidade com defesa da Constituição, especialmente na expectativa de manutenção e garantia dos direitos básicos e consequente participação de grupos de interesse na condução das políticas públicas.

Hoje, com o governo de Bolsonaro esta dinâmica imaginada em 1988, como garantia de uma democracia perene e estabilizadora, está suspensa. Os episódios do último 7 de setembro, com a nítida tentativa de golpe às instituições democráticas em funcionamento, servem de alerta sobre as possibilidades futuras com a reeleição do atual ocupante do Planalto.

Caso haja reeleição do atual presidente, certamente haverá pressão por drásticas mudanças constitucionais privilegiando ainda mais um sistema elitista e centralizador na administração pública. As disjuntivas lembram as condições políticas existentes entre 1930-37, com Vargas se erigindo em ditador implacável diante da forte oposição de grupos sociais mobilizados por forças progressistas na então sociedade brasileira em franco processo de modernização. Pagando um preço alto, com a repressão social e censura à imprensa, Vargas então venceu e vingou até 1945, extrapolando todos os limites constitucionais vigentes naquela quadra histórica. O que aconteceria ao Brasil, sob esta tendência autoritária e corporativista renovada ?

Neste quadro chega a pré-candidatura de Sergio Moro (Podemos). Já belisca um terceiro lugar, empatando com o eterno candidato Ciro Gomes, nas pesquisas de opinião. No seu lançamento em Brasília faz uma vaga alusão aos principais problemas socioeconômicos do País, mas uma forte entonação sobre a corrupção e as malévolas persistências das disfuncionalidades políticas geradas pelo foro privilegiado aos representantes eleitos, bem como pela existência do mecanismo de reeleição para postos executivos.

Muito pouco para histórica e valentemente abrir horizontes, mas o bastante para amalgamar apoio em uma opinião pública com pouco conhecimento e informação sobre o funcionamento do Estado e da Política. Um candidato forte, a ser contemplado com o apoio da desilusão do bolsonarismo-raiz e com os carentes por uma “terceira via” que fuja ao estabelecido na opinião pública. Pesquisa do PoderData (08-10 novembro) assinala que 26% dos eleitores de Bolsonaro, arrependidos, desejam seu impeachment!

Enquanto isto, na última pesquisa Genial/Quest (10 novembro) Lula aparece liderando com 48% de intenções de voto no primeiro turno, contra 21% de Bolsonaro, Moro 8% e Ciro Gomes 6%. No segundo turno Lula venceria (57%) em todos os cenários, contra Bolsonaro (27%), contra Moro (57%) a (22%) e contra Ciro (53%) a (20%). A avaliação negativa do governo subiu de 55% para 56% em um mês, enquanto a avaliação positiva caiu de 20% para 19%. O PoderData (08-10 novembro) ratifica a mesma tendência : 61% de reprovação ao governo; com consideração negativa de Bolsonaro (ruim ou péssimo) de 57% dos questionados.

À avaliação negativa de Bolsonaro, à reprovação de seu governo e ao arrependimento (26%) de sua base eleitoral agora querendo o impeachment, junta-se a dificuldade de filiação a um partido para concorrer em 2022. Acaba de ser adiada sua entrada no PL, sob alegações diversas, mas que estão centradas nas possíveis candidaturas ao governo de São Paulo.

 

PEC dos Precatórios

De outro lado, a Câmara Federal já aprovou a PEC dos Precatórios, com muitos destaques a serem avaliados a partir deste 16 de novembro, incluindo três propostas alternativas (Oriovisto Guimarães /Podemos-PR; José Anibal/PSDB-SP e Alessandro Vieira/Cidadania-SE), que não afetam ao teto dos gastos e redirecionam emendas do relator (R$ 16 bilhões) para o financiamento do Auxílio Brasil, além de assegurar o pagamento de grande parte dos precatórios. A expectativa é que o Senado resistirá à proposta aprovada pela Câmara Federal.

Ressalte-se a reação do STF que, a partir da liminar da ministra Rosa Weber, julgou improcedente (8 x 2) a administração secreta das emendas do relator (10 novembro). Falta transparência por parte da direção do Legislativo, mas Arthur Lira já trabalha – projeto de resolução – em elaboração da Mesa da Câmara, com a finalidade de manter o controle das verbas bilionárias dos parlamentares e que visam aumentar o clientelismo com vistas às eleições do próximo ano.

 

COP-26

A COP-26, de Glasgow, está encerrada. Pressões contra o uso de combustíveis fósseis; resistência de China, Índia e Austrália à utilização do carvão; primeiras normas balizando o comércio dos créditos de carbono; acordo da limitação do gás metano são os destaques. Além da falta de compromisso efetivo dos países ricos em financiar países com grandes desmatamentos e aumento da poluição geral, mas carentes de recursos. Ficam promessas, repercussão enorme da problemática ambiental – que não é trivial – como instrumento de pressão sobre governos negacionistas como o Brasil. Notável foi a presença não-governamental do Brasil, ilustrando a apatia das autoridades oficiais e o desleixo quanto à pressão internacional. Os acordos comerciais em andamento, e que ainda estão por ser implantados, como o Europa-Mercosul, serão mais uma prova de desgaste do Brasil por sua produção de commodities sem o respeito devido aos recursos naturais existentes. Como, aliás, atesta o novo recorde de desmatamento da Amazônia no último mês de outubro.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Rodrigo de Faria Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Eleonora Albano Berenice Bento Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Leda Maria Paulani Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe Daniel Brazil Bernardo Ricupero Juarez Guimarães João Lanari Bo Tadeu Valadares Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Trivinho Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Chico Whitaker Rafael R. Ioris Paulo Martins Leonardo Avritzer Priscila Figueiredo Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Chico Alencar Andrew Korybko Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vladimir Safatle Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto João Carlos Loebens Marilena Chauí Milton Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcus Ianoni Érico Andrade João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary Leonardo Boff Fernão Pessoa Ramos Manchetômetro José Micaelson Lacerda Morais Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Manuel Domingos Neto Kátia Gerab Baggio Claudio Katz Slavoj Žižek Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez Antonio Martins Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco José Raimundo Trindade Celso Frederico Elias Jabbour Thomas Piketty Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento André Singer Bento Prado Jr. Gabriel Cohn Airton Paschoa Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Gilberto Lopes Remy José Fontana Marcos Silva Marjorie C. Marona Bruno Machado Ronald Rocha Luiz Costa Lima José Machado Moita Neto Michael Roberts Mário Maestri Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Valerio Arcary Henri Acselrad Vanderlei Tenório José Luís Fiori João Feres Júnior Roberto Bueno Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Dennis Oliveira Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Roberto Noritomi Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Heraldo Campos Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Salem Nasser Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Daniel Costa Maria Rita Kehl Flávio Aguiar Caio Bugiato Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Salles Igor Felippe Santos Annateresa Fabris Ricardo Antunes Gilberto Maringoni João Paulo Ayub Fonseca Carlos Tautz Atilio A. Boron Luciano Nascimento Yuri Martins-Fontes Michael Löwy Jorge Branco Tales Ab'Sáber Otaviano Helene José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada