As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Não sobrará país algum

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MAURICIO FALAVIGNA*

Enquanto no mundo começa-se a discutir um certo valor ao trabalho e ao Estado social, aqui mais que a primazia absoluta do mercado, ainda buscamos o desmantelamento do Estado

“A liberdade leva à desordem, a desordem à repressão, e a repressão novamente à liberdade.”
(Balzac)

Como em todas as ocasiões em que há propostas e discussões caras ao governo e a sua base de apoio, os assuntos na mídia tergiversam para polêmicas em torno da figura do presidente e de agressões calculadas. Enquanto as privatizações, a reforma administrativa e a manutenção do teto de gastos são as obsessões do momento, surgem disparates que ocupam o espaço dos noticiários. Desta vez a própria mídia se colocou à disposição para criar os factoides, já que houve pouca diferença entre o editorial da Folha e a ameaça de agredir um jornalista.
Mas a comédia humana também inclui a vida real e, portanto, voltando às intenções do governo…
Enquanto o mundo liberal indignou-se no primeiro momento com a quantidade de provas e argumentos levantados por Piketty que comprovam que, se há uma normalidades incontestável é a de que o livre mercado não distribui a riqueza, mas gera desigualdade crescente e cria oligarquias cujo objetivo final é o de abarcar o Estado e minar qualquer aspiração democrática, hoje essas ideias já foram assimiladas por importantes atores políticos do mundo civilizado.

Partidos de esquerda e centro-esquerda validaram essa argumentação no debate político, e até mesmo parte do discurso liberal assimilou o golpe. A forma do capitalismo passou a ser questionada, assim como a do papel social do Estado, as ideias de taxação progressiva, de impostos sobre os ricos e uma necessária redução das desigualdades.
No entanto, por aqui, a selvageria dos anos 80 faz sucesso com a elite. Guedes deve ter sua sala decorada com cartazes de Tatcher e Reagan em cores berrantes. Se considerarmos a cena histórica como o embate político entre Capital e Trabalho (o que não há em Piketty), foi um período em que os interesses dos trabalhadores foram massacrados por políticas antissindicais, desemprego e achatamento salarial. Primeiro se deu a perda do governo, em seguida a desmobilização e a crise salarial e de emprego, por fim uma perda política que aproximou até os partidos de oposição da agenda liberal.
Em Piketty, quando afirma que o retorno sobre o capital sempre supera o crescimento da renda, é colocada uma contradição capitalista. Para Marx seria uma regra ou lei: é o desequilíbrio de poder entre Capital e Trabalho que leva a essa constante. E a história nos mostra que isso vai até levar o achatamento do consumo a níveis em que não se absorve o produto do capital. E, quando se necessita de um aumento de demanda, volta-se a dar um certo valor ao trabalho e ao Estado social. E os caminhos para isso vêm sendo discutidos no cenário internacional.
Mas aqui caminhamos no sentido oposto, percorremos a primeira estrada, hoje globalmente questionada. E, mais que a primazia absoluta do mercado, ainda buscamos o desmantelamento do Estado. Tanto a inação em áreas sociais, quanto reforma administrativa e as almejadas privatizações carecem de sentido lógico, mas liquidam qualquer controle estatal sobre o jogo econômico e reduzem consideravelmente as possibilidades de investimento. Sem contar áreas sociais, que ficariam à mercê da filantropia e da iniciativa privada – duas fontes de investimento que jamais reduziram a desigualdade, que mantêm o status quo. A liberdade do mercado leva ao desespero e aos gritos, estes farão nascer a repressão e o jogo deveria seguir até a retomada do poder por valores que privilegiem a visão do trabalhadores. Mas que Estado sobrará após essa devastação?
O mais impressionante, no caso brasileiro, é a voz única que ecoa nos debates públicos construídos pela mídia. Por mais que haja personagens que se esgoelem contra a política econômica deste governo, não encontraremos um depoimento sequer em noticiários que aponte a irracionalidade do teto de gastos, da criminalização do funcionalismo público, das privatizações de setores estratégicos, do esfacelamento de empresas como a Petrobras, Correios, Caixa e Banco do Brasil. Os interesses do capital são mascarados como forças naturais, como a única estrada a trilhar.
Piketty entrevê soluções políticas para o horror capitalista, enquanto Marx disseca o horror da vida sob esses princípios. Como leitores ávidos de Balzac, com mais ou menos ódio, ambos usam como exemplo o mesmo ser humano para pintar o egoísmo e a ganância que se espraiam pelas relações humanas. Mas, seja nos tons pastéis de Piketty, ou na paleta expressionista do alemão, ambos sabem que, na selvageria dessa reconstrução da realidade brasileira levada a cabo pela primazia do mercado, como diria o romancista, o “privilégio de sentir-se em casa em qualquer lugar pertence apenas aos reis, às prostitutas e aos ladrões”. Não sobrará país algum.

*Mauricio Falavigna é historiador. Autor do livro Inclusão digital – vivências brasileiras.

Publicado originalmente no site reconta aí

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva João Sette Whitaker Ferreira Ladislau Dowbor Rubens Pinto Lyra Dênis de Moraes Marcelo Módolo Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato Érico Andrade Everaldo de Oliveira Andrade Tadeu Valadares Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Bernardo Ricupero Paulo Nogueira Batista Jr Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Gerson Almeida Antonio Martins João Adolfo Hansen Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Walnice Nogueira Galvão Eleonora Albano Luiz Eduardo Soares Roberto Noritomi Atilio A. Boron Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Renato Dagnino Carla Teixeira Bruno Machado João Feres Júnior Salem Nasser Berenice Bento Michael Roberts Vladimir Safatle Luciano Nascimento Valerio Arcary José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Chico Alencar Fernão Pessoa Ramos Valério Arcary Osvaldo Coggiola Henry Burnett Eduardo Borges Otaviano Helene Lorenzo Vitral Ronald Rocha José Costa Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Armando Boito Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Luiz Renato Martins José Dirceu Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Paulo Martins Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Antonino Infranca Henri Acselrad Eugênio Bucci Ronald León Núñez Alexandre de Freitas Barbosa Anderson Alves Esteves Michael Löwy Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Bueno Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Daniel Brazil Flávio Aguiar Vanderlei Tenório André Singer Maria Rita Kehl Fábio Konder Comparato Tales Ab'Sáber Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro José Machado Moita Neto Fernando Nogueira da Costa Annateresa Fabris Leonardo Avritzer Jean Marc Von Der Weid Celso Favaretto Luiz Costa Lima Elias Jabbour Thomas Piketty Manuel Domingos Neto Daniel Costa Airton Paschoa Remy José Fontana Eliziário Andrade Gabriel Cohn Paulo Capel Narvai Rodrigo de Faria Luiz Marques Igor Felippe Santos José Micaelson Lacerda Morais Sandra Bitencourt José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Celso Frederico Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani Marcos Silva Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima Liszt Vieira Leonardo Boff Ricardo Musse Slavoj Žižek Heraldo Campos Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada