As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

José Paulo Paes

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário sobre o livro “Um Por Todos – Poesia Reunida”, de José Paulo Paes

Reunindo 152 poemas, Um Por Todos – Poesia Reunida, de José Paulo Paes (1926-1998), é uma seleção de sua produção entre 1947 e 1983 e distribuída em 8 livros: O Aluno (1947), Cúmplices (1951), Novas Cartas Chilenas (1954), Epigramas (1958), Anatomias (1967), Meia Palavra (1973), Resíduo (1980) e Calendário Perplexo (1983). A disposição dos poemas, entretanto, obedece a ordem cronológica às avessas, ou seja vai de Calendário Perplexo a O Aluno, antecedida de “O Livro do Alquimista”, excelente apresentação de Alfredo Bosi.

Ironia, humor e concisão: são estas, em rápidas tintas, as principais características dos agitados versos de José Paulo, que se acentuam a partir das Novas Cartas Chilenas. De seu primeiro livro merecem destaque dois belos poemas, “Muriliana“ (Corto a cidade, as máquinas e o sonho / Do jornaleiro preso no crepúsculo / Guardo as amadas no bolso do casaco…) e “O Aluno“ (… Drummond me empresta sempre o seu bigode / Com Neruda, meu pobre verso explode / E as borboletas dançam na algibeira), enquanto em Cúmplices se lê a significativa epígrafe de D.H. Lawrence: “Love is not a goal. It is only a traveling”.

Seus dois livros publicados nos anos 1950 contêm poesias essencialmente políticas. Nas Novas Cartas Chilenas, conforme aponta Bosi, o autor engrossa “o veio oswaldiano e muriliano que vem do Modernismo”, mostrando “o avesso da crônica das origens”. A história dos colonizadores é reescrita com os olhos atentos para as vexações sofridas pelos colonizados.

Veja-se, por exemplo, “O Calendário”, onde as datas em que a voz do povo se fez ouvir mais forte estão presentes e a nobreza dos derrotados vem em primeiro plano: 1684 (Bequimão), 1720 (Felipe dos Santos), 1817 (Frei Miquelino), 1839 (Garibaldi) e 1848 (Pedro Ivo). Prosseguindo, tem-se “A Mão-de-Obra” (São bons de porte e finos de feição / E logo sabem o que se lhes ensina / Mas têm o grave defeito de ser livres). “L’Affaire Sardinha” (O bispo ensinou ao bugre / Que pão não é pão, mas Deus / Presente em eucaristia / E como um dia faltasse/ Pão ao bugre, ele comeu / O bispo eucaristicamente), “Os Nativistas”, “O Testamento”, “Palmares”, “Os inconfidentes”, “O grito” etc, concluindo com “Os Tenentes“ e “Porque me Ufano”.

Em Epigramas, segundo Bosi, “sobe o grau da elaboração artística ao mesmo tempo que a mensagem crítica alcança um horizonte universal”. São exemplos disso “A Uns Políticos”, “Bucólica” (O camponês sem terra / Detêm a chance / E pensa em colheitas / Que nunca serão suas), “Ivan Ilitch, 1958” e “A Clausewitz” (O Marechal de campo / Sonha um universo / Sem paz nem hemorróidas).

Anatomias (1967) nos mostra o poeta atraído pelas propostas neofuturistas do texto visual, incorporando os recursos gráficos ao poema breve e elegendo o trocadilho comum dos seus procedimentos usuais. Veja-se como exemplos significativos “Pavloviana”, “Kipling Revisitado”, “Ocidental” (a missa / a miss / o míssil), “O Milagre Alemão” (volkswarren / volkswagner / volkswagen), “A Moda da Casa” (feijoada / marmelada / goelada / quartelada), “Cronologia” (A.C. / D.C. / W. C.) e “O Suicida ou Descartes às avessas” (cogito / ergo / pum!).

Em Meia Palavra – cívicas, eróticas e metafísicas e em Resíduo, persistem alguns recursos da poesia concreta, sendo relevante o esquema tipográfico e a utilização de fotos e de trocadilhos. Do livro de 1973 ver, por exemplo, “Camassutra”, “Olímpica”, “Minicantiga D’Amigo” e “Metassoneto ou o Computador Irritado”. Por sua vez, os poemas de Resíduo (1980) são, em sua maioria, mais concisos e bem-humorados: “Lembrete Cívico“ (homem público / mulher pública); “O Libertador“ (frei id / freiid / Freud); “A Evolução dos Estilos” (barroco / barrococo / rococô); “Brinde no Dia das Mães!” (à tua!); “Um Sonho Americano” (CIA ilimitada); “Les Mains Sales” (mãos à obra!) e “Hino ao Sono” (sem a pequena morte / de toda a noite / como sobreviver à vida / de cada dia?).

O volume se encerra com os 21 poemas do Calendário Perplexo, terminando em 1983 e que ainda se encontrava inédito. Para Bosi, o Calendário é “um jogo armado ao redor do tempo, para matá-lo ou revivê-lo”. Assim, “Dúvida Revolucionária“ (ontem foi hoje? / ou hoje é que é ontem?) refere-se a 31/março –1o/abril; em 19 de abril temos o “Dia do Índio” (o dia dos que têm / os seus dias contados); 1o de maio é representado por “Etimologia“ (no suor do rosto / o gosto / do nosso pão diário / sal / salário); no dia dos namorados temos “A verdadeira festa” (mas para que fogueira / rojão / quentão? / basta o fogo nas veias / e a escuridão / coração), enquanto em 25 de dezembro surge “Time is Money” (ele nasceu… não ouvem o galo? / vamos correndo crucificá-lo!).

Os livros de poesia de José Paulo Paes praticamente permaneceram desconhecidos do público, uma vez que as tiragens foram sempre limitadas e pagas pelo autor. A edição de Um Por Todos repara, embora tardiamente, esse quase ineditismo de um poeta maior que José Paulo é.

*Afrânio Catani é professor aposentado na USP, professor visitante na UFF e um dos organizadores do Vocabulário Bourdieu (Autêntica).

Publicado originalmente no extinto Jornal da Tarde em 19/4/1986.

Referência


José Paulo Paes. Um Por Todos – Poesia Reunida. São Paulo, Brasiliense, 1986.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira Gilberto Maringoni Bruno Machado Tadeu Valadares Michael Löwy Rafael R. Ioris Lorenzo Vitral Dênis de Moraes João Adolfo Hansen Eduardo Borges Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes Daniel Afonso da Silva Chico Alencar Tarso Genro Leda Maria Paulani João Feres Júnior Paulo Capel Narvai Henri Acselrad Vanderlei Tenório Kátia Gerab Baggio Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Juarez Guimarães Vladimir Safatle Remy José Fontana Priscila Figueiredo Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Érico Andrade João Paulo Ayub Fonseca André Singer Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Daniel Costa Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Ari Marcelo Solon Maria Rita Kehl Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Jorge Branco Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Antonino Infranca Eugênio Bucci Ricardo Musse Ronald Rocha Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Roberto Bueno Valerio Arcary Antonio Martins Manchetômetro Luiz Marques Gabriel Cohn Annateresa Fabris Celso Favaretto Salem Nasser Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Flávio R. Kothe Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Marcus Ianoni Chico Whitaker Afrânio Catani Slavoj Žižek Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Sandra Bitencourt Alysson Leandro Mascaro Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Tales Ab'Sáber João Lanari Bo Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Andrew Korybko Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz José Geraldo Couto Renato Dagnino Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento João Carlos Salles Bento Prado Jr. Paulo Martins Thomas Piketty Leonardo Avritzer Elias Jabbour Carla Teixeira Daniel Brazil Heraldo Campos Marjorie C. Marona Atilio A. Boron Luis Felipe Miguel Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Boff Valério Arcary Ricardo Antunes Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Lucas Fiaschetti Estevez Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Roberto Alves Dennis Oliveira Armando Boito José Costa Júnior Walnice Nogueira Galvão Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato João Carlos Loebens Leonardo Sacramento Henry Burnett José Machado Moita Neto João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Ladislau Dowbor Otaviano Helene Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Ronald León Núñez Liszt Vieira Anderson Alves Esteves Mário Maestri Marcos Silva Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada