Fora já!

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO JR.*

Sem uma verdadeira refundação da República, não há saída do pântano em que o Brasil se encontra

“Quem luta pode perder, quem não luta já perdeu” (Bertold Brecht).

A graça presidencial concedida por Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira, condenado a mais de oito anos de cadeia por instigar violência contra o STF, aprofunda a anarquia institucional que acompanha a crise terminal da Nova República. Destituída de qualquer fundamento constitucional e moral, a medida é um desacato aberto aos princípios mais elementares de equilíbrio entre os poderes. Trata-se de uma violência inaceitável contra o que ainda resta das conquistas democráticas da luta contra a ditadura.

A ousada ofensiva golpista do presidente miliciano não deveria causar surpresa. Pescador em águas turvas, Bolsonaro jamais escondeu sua admiração pela ditadura militar e sua intenção de dar uma solução despótica para a crise da Nova República. Apesar de seu primarismo grosseiro, não deve ser subestimado. Se mantiver o controle absoluto da iniciativa política e carta branca para extrapolar os limites da lei, o capitão-do-mato é um sujeito político perigosíssimo.

É uma temeridade apostar todas as fichas no desgaste provocado pela catástrofe monumental que significam seus quatro anos de desgoverno para a maioria da população, na “solidez das instituições” e no “espírito democrático” dos donos do poder como antídotos à conspiração golpista. O primeiro pressuposto pode ser temporariamente neutralizado pelas medidas eleitoreiras de transferência de renda. Os outros dois não passam de pensamento mágico. A derrota eleitoral de Jair Bolsonaro encontra-se longe de estar garantida e, mesmo que estivesse, não significaria o fim da ameaça ditatorial.

A falência das instituições democráticas é patente. A omissão criminosa do Ministério Público Federal nos atropelos em série de Jair Bolsonaro à legalidade, a indulgência do Poder Legislativo com seus inúmeros crimes de responsabilidade e a intervenção ostensiva dos militares na política nacional revelam que os poderes instituídos são impotentes para enquadrar Bolsonaro, quando não cúmplices – assumidos ou envergonhados – da escalada contra o Estado de direito. Sem uma verdadeira refundação da República, não há saída do pântano em que o Brasil se encontra.

Até o momento, os abusos de Bolsonaro contaram com a absoluta condescendência das classes dominantes. A escalada autoritária foi funcional tanto para “fazer a boiada passar” quanto para conter as mobilizações sociais. A ameaça de golpe transforma a eleição numa verdadeira chantagem, que reduz a opção do cidadão à escolha do mal menor. É preciso ter consciência de que, apesar de a burguesia não ter dado luz verde para o golpe, ela tampouco avalizou o impeachment. Com a cartada ditatorial na manga, os donos do poder ficam em condições de jogar o terror sobre os trabalhadores; e sempre há a possibilidade de darem luz verde à aventura despótica, se a oposição dentro da ordem não se enquadrar às exigências do capital.

A ousadia de Bolsonaro para desafiar a ordem carcomida da Nova República contrasta com a timidez das forças políticas que se unificaram em torno da Frente amplíssima pela democracia. Ao apostar no caos institucional, Bolsonaro mobiliza sua tropa e coloca em xeque a credibilidade do status quo. Mesmo sendo porta-voz máximo da plutocracia reacionária, traveste-se de portador do novo, ocupando o vácuo político gerado pelo abandono da esquerda de um discurso de mudanças estruturais. Enquanto Jair Bolsonaro se apresenta como a encarnação da antipolítica, atropela às regras do jogo e investe na excitação permanente de sua base política, Lula faz exatamente o contrário: aposta em conchavos com caciques políticos e em encontros a portas fechadas com empresários e trabalhadores. Reivindicando-se guardião do status quo e garantidor da paz social, desestimula a mobilização de sua base social. Aos empresários, promete “previsibilidade” e “segurança jurídica; aos trabalhadores, pede que priorizem o lobby parlamentar em vez das manifestações em Brasília.

A renúncia à mobilização de sua base social e política deixa a Frente amplíssima pela democracia encabeçada por Lula e Alckmin numa perigosa armadilha. Sem a presença das forças comprometidas com a defesa do Estado de direito nas ruas, é impossível barrar o avanço da escalada autoritária e mudar a correlação de forças que, desde a resposta reacionária às Jornadas de Junho de 2013, impulsiona a ofensiva da burguesia contra os direitos dos trabalhadores e contra as instituições democráticas e republicanas.

O silêncio da oposição dentro da ordem diante das recorrentes ameaças de Jair Bolsonaro à democracia é estarrecedor. A barbárie política não pode ser banalizada e naturalizada. Não há espaço para tergiversação. Terceirizar a responsabilidade pela defesa do Estado de direito às instituições falidas da Nova República e confiar no “bom senso” da plutocracia significam deixar o caminho aberto para o avanço da conspiração golpista da extrema direita. A decisão de Bolsonaro de confrontar o STF é um inequívoco crime de responsabilidade que coloca na ordem do dia a urgência de sua imediata deposição.

Os últimos anos foram esclarecedores. A burguesia rompeu todos os nexos morais com as classes subalternas e não tem compromisso com as liberdades democráticas. As instituições encontram-se em pandarecos e demonstraram-se absolutamente impotentes para enquadrar Bolsonaro nas regras do jogo. A liberdade só pode ser defendida e ampliada pela mobilização dos trabalhadores nas ruas. A deposição de Jair Bolsonaro é a tarefa emergencial do momento. Exige coragem e ousadia política. Não há tempo a perder. A campanha do Fora Bolsonaro tem de ir às ruas já.

*Plínio de Arruda Sampaio Jr. é professor aposentado do Instituto de Economia da Unicamp e editor do site Contrapoder. Autor, entre outros livros, de Entre a nação e a barbárie – dilemas do capitalismo dependente (Vozes).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Tales Ab'Sáber Otaviano Helene Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Mário Maestri Ronald León Núñez Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Michael Roberts Armando Boito Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Anselm Jappe Caio Bugiato João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Antonino Infranca Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Atilio A. Boron Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares Francisco Fernandes Ladeira Alysson Leandro Mascaro Elias Jabbour Samuel Kilsztajn Fernando Nogueira da Costa João Paulo Ayub Fonseca Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira José Raimundo Trindade Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Luiz Roberto Alves Leonardo Sacramento Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Frederico Paulo Martins Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Maria Rita Kehl Jorge Branco Manchetômetro Paulo Sérgio Pinheiro Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon Ricardo Antunes Celso Favaretto Lincoln Secco Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Walnice Nogueira Galvão Marjorie C. Marona Carla Teixeira Slavoj Žižek Denilson Cordeiro Daniel Costa Vanderlei Tenório Bruno Machado Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Michael Löwy Leonardo Avritzer Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Juarez Guimarães Tarso Genro Berenice Bento José Geraldo Couto Ricardo Musse Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil Eliziário Andrade Luis Felipe Miguel Michel Goulart da Silva Ricardo Fabbrini Renato Dagnino Thomas Piketty Matheus Silveira de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Luís Fernando Vitagliano André Singer Antonio Martins Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Érico Andrade Flávio Aguiar Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias Leonardo Boff Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Salem Nasser Marcos Aurélio da Silva Eleonora Albano José Dirceu Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Valerio Arcary Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Claudio Katz José Machado Moita Neto Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Flávio R. Kothe Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Gilberto Maringoni Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Dênis de Moraes Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Airton Paschoa Fábio Konder Comparato Bento Prado Jr. Andrés del Río Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt Luiz Marques Remy José Fontana Marilena Chauí Marcos Silva Annateresa Fabris José Luís Fiori Leda Maria Paulani Chico Whitaker Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Vladimir Safatle Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada