As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O fator religioso na eleição presidencial

Imagem: Eva Elijas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

A lógica do mercado, da propaganda e estilos que contradizem diretamente a mensagem bíblica e de Jesus

Que a religião possui uma força política poderosa confessa Samuel P. Huntington em seu discutido livro O choque de civilizações (1977) que hoje, com a nova guerra-fria, se tornou novamente atual. Afirma ele: “No mundo moderno, a religião é uma força central, talvez a força central que mobiliza as pessoas…O que em última análise conta não é tanto a ideologia política nem os interesses econômicos, mas as convicções religiosas de fé, a família, o sangue e doutrina; é por estas coisas que as pessoas combatem e estão dispostas a dar as suas vidas”. Ele fazia uma pesada crítica à política externa norte-americana por nunca ter dado importância ao fator religioso. Por conta disso, os EUA tiveram que sentir na própria pele o terrorismo islâmico.

Consideremos a situação do Brasil. Cito aqui a reflexão de uma pessoa inserida profundamente no meio popular com agudo sentido de observação. Vale a pena ouvir sua opinião pois pode ajudar na campanha para a derrotar a quem está desmontando nosso país.

Afirma ele: “Temo que, apelando cada vez mais para o fator religioso, agitando o fantasma do comunismo = ateísmo e da perseguição religiosa, o negacionista e o “inimigo da vida”, eventualmente possa ainda ameaçar de vencer a eleição”. “Pois, é inelutável reconhecer: o povo em massa é religioso até o osso (supersticioso dirão os “intelectuais”, não importa). Ele vende o corpo e a alma pela religião, entendida de modo indistinto como “essa coisa de Deus”, sobretudo o brasileiro, sincretista que é. E esse apelo, não digo que seja bom, mas apenas que tem uma força tremenda e temo muito que possa ser decisiva no momento de decidir o voto”.

“Infelizmente, essa questão tem pouco peso na campanha do Lula e de seus aliados. Diria quase a mesma coisa com respeito aos dois outros valores que Jair Bolsonaro e toda a “nova direita” do mundo alardeia: Deus, Pátria e Família, a trilogia do Integralismo que a velha esquerda não quer ver nem pintada. E, no entanto, é por aí que a nova direita está mobilizando as massas no mundo e também no Brasil”.

“E note-se como é fácil para um candidato da nova direita como Bolsonaro apresentar à massa eleitoral essa tríade: ele rezando (Deus), com bandeira do Brasil (Pátria) e com Michelle ao lado (Família), três cenas de comoção garantida e atração irresistível para o povão. Quem pode ser contra a reza, a bandeira verde-amarela e uma esposa (sobretudo se é bem feminina)?”

“Os intelectuais podem falar o que quiserem contra esse populismo de direita. Mas que funciona, funciona. E é isso que importa à direita, e acho que deveria importar também à esquerda, sem ofensa à ética, pois dá perfeitamente para defender essas três bandeiras, outrora integristas, como valores morais, à condição, contudo, de não serem excludentes: dos sem religião, das outras pátrias e dos LGBT+respectivamente”.

“Mas mesmo que ganhe o Lula, o que as pesquisam indicam, a questão das três bandeiras acima permanecerá. E os bolsonaristas continuarão a agitá-las, como as está agitando a nova direita em todo o mundo (veja Donald Trump, Vladimir Putin, Marine Le Pen, Mateo Salvini et caterva). E é a “bandeira Deus”, sobre todas as outras, que ser vai mais politizada pela nova direita, e isso tanto mais quanto menos a velha esquerda digeriu essa questão e quanto menos atenção a própria Igreja, progressista ou liberacionista que seja, parece dar a mudança de Zeitgeist (do espírito do tempo), designado como pós-moderno”.

O grande desafio da campanha da coligação ao redor de Lula/Alckmin, que é também das Igrejas cristãs históricas, principalmente da Católica, é como atrair estas massas, manipuladas e ludibriadas pelas igrejas pentecostais, para os valores do Jesus histórico, muito mais humanitários e espirituais do que aqueles apresentados pelos “pastores e bispos” autoproclamados e verdadeiros lobos em pele de ovelha. Estes usam a lógica do mercado, da propaganda e estilos que contradizem diretamente a mensagem bíblica e de Jesus, pois, utilizam-se diretamente da mentira, da calúnia, de fake news.

Vale mostrar a estes seguidores das Igrejas pentecostais, como Jesus dos evangelhos sempre esteve do lado os pobres, dos cegos, dos coxos, dos hansenianos, das mulheres doentes e os curava. Era extremamente sensível aos invisíveis e aos mais vulneráveis, homens ou mulheres, enfim, àqueles cujas vidas viviam ameaçadas. Vale muito mais o amor, a solidariedade, a verdade, e acolhida de todos sem discriminação, como os de outra opção sexual, vendo nos negros, quilombolas e indígenas nossos irmãos e irmãs sofredores. Importa se solidarizar com eles e estar junto com eles para fazerem o seu próprio caminho.

Esse comportamento vale muito mais que o “evangelho da prosperidade” de bens materiais que não podemos carregar para a eternidade e, no fundo, não preenchem nossos corações e não nos fazem felizes. Ao passo que os outros valores do Jesus histórico vão conosco como expressão de nosso amor ao próximo e a Deus e nos trazem paz no coração e uma felicidade que ninguém nos pode roubar.

Logicamente, importa desfazer as calúnias, rebater as falsificações e, eventualmente, usar os meios disponíveis para incriminá-los juridicamente. Vale sempre crer que um pouco de luz desfaz toda uma escuridão e que a verdade escreve a verdadeira página de nossa história.

O Brasil merece sair desta devastadora tempestade e ver o sol brilhar em nosso céu, devolvendo-nos esperança e alegria de viver.

*Leonardo Boff é filósofo e teólogo. Autor entre outros livros de Brasil: concluir a refundação o prolongar a dependência (Vozes).

 

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Silva Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Berenice Bento Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Bruno Machado Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Michael Roberts Roberto Bueno Jorge Luiz Souto Maior Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior João Lanari Bo Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Henri Acselrad Michael Löwy Juarez Guimarães Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares André Singer José Geraldo Couto Chico Whitaker Elias Jabbour José Micaelson Lacerda Morais Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes Vladimir Safatle Ricardo Antunes Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro Luiz Renato Martins Tales Ab'Sáber Antonio Martins Otaviano Helene Tadeu Valadares Liszt Vieira Valerio Arcary Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Gabriel Cohn Bernardo Ricupero Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Armando Boito Carlos Tautz Salem Nasser Mariarosaria Fabris Marilena Chauí Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Afrânio Catani Carla Teixeira Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Marcelo Módolo Claudio Katz Sandra Bitencourt Maria Rita Kehl Thomas Piketty Remy José Fontana José Luís Fiori Vinício Carrilho Martinez Bento Prado Jr. Mário Maestri Ricardo Abramovay Andrew Korybko Jean Pierre Chauvin Rubens Pinto Lyra Paulo Martins Roberto Noritomi Marjorie C. Marona Eugênio Trivinho José Dirceu Slavoj Žižek Daniel Costa Milton Pinheiro Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Paulo Nogueira Batista Jr André Márcio Neves Soares João Feres Júnior Leonardo Avritzer Tarso Genro Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Valério Arcary Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Gerson Almeida Chico Alencar Érico Andrade Anselm Jappe Celso Frederico Flávio Aguiar Daniel Brazil João Adolfo Hansen Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Vanderlei Tenório José Machado Moita Neto Caio Bugiato Marcus Ianoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Leonardo Sacramento Dennis Oliveira Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Rafael R. Ioris Ricardo Musse Leonardo Boff Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Salles Henry Burnett Priscila Figueiredo Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Marques Fábio Konder Comparato Luiz Costa Lima Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Leda Maria Paulani Lorenzo Vitral Jorge Branco Paulo Sérgio Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada