Linhas fundamentais da filosofia do direito

Imagem: BEN NICHOLSON
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN-FRANÇOIS KERVÉGAN*

Apresentação da recém-lançada edição brasileira do livro de G. W. F. Hegel

Publicadas em 1820, estas Linhas fundamentais da filosofia do direito (Grundlinien der Philosophie des Rechts) constituem uma das obras máximas da filosofia jurídica e política moderna, e um dos escritos centrais de Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831). O presente volume coloca à disposição dos leitores brasileiros uma tradução original e meticulosa para o português, de autoria do eminente especialista no pensamento hegeliano que foi Marcos Lutz Müller, autor também das preciosas notas explicativas e interpretativas que acompanham esta tradução.

Aqui, apropriando-se da herança das teorias do direito natural moderno (Thomas Hobbes, John Locke, Jean-Jacques Rousseau, Immanuel Kant), G. W. F. Hegel rompe com os pressupostos individualistas e o juridicismo dessa corrente em prol de uma abordagem dialética e institucional do que ele chama de “espírito objetivo”, com o intuito de pensar a articulação sistemática dos diferentes domínios (direito, moral, política) da filosofia prática.

Mas ele também leva em conta a herança dos seus predecessores, como dá a entender o subtítulo da obra: “Direito natural e ciência do Estado no seu traçado fundamental”. Para tanto, Hegel põe em operação, como ele próprio indica em vários momentos do livro, as exigências especulativas expostas na Ciência da lógica (1812-1816) e na Enciclopédia das ciências filosóficas (primeira edição de 1817). Isso lhe permite pensar de maneira unitária, enquanto momentos sucessivos de um processo histórico de realização da liberdade, o “direito abstrato” (o direito privado), a moralidade subjetiva e, enfim, o que ele chama de eticidade – Sittlichkeit –, vasto espaço das interações familiares, sociais e políticas, tais como estas se estabeleceram e se transformaram nas sociedades modernas.

Particularmente inovador é o estudo da sociedade civil (bürgerliche Gesellschaft), por meio do qual Hegel procura dar conta dos efeitos positivos e negativos do desenvolvimento de uma sociedade de mercado que já escapa parcialmente da tutela das instâncias estatais. Neste sentido, pode-se enxergar aí um estudo premonitório das formas e das consequências da mundialização capitalista, que ele considera ser ao mesmo tempo inelutável e inquietante, sobretudo porque ela dá vez ao surgimento de uma camada dessocializada, chamada por Hegel de Pöbel (“plebe”), que é o produto e o sintoma das contradições da sociedade civil burguesa.

Uma das tarefas que Hegel confia, portanto, às instituições do Estado “racional” (pós-revolucionário, constitucional) é a de gerir tanto quanto possível essas contradições submetendo-as às exigências de um “viver-junto” político a ser sempre recriado. O Estado, tal como Hegel o concebe, não é uma máquina opressora, porém muito mais “a união enquanto tal” de cidadãos livres, aceitando se submeter às normas que constituem, para cada um deles, não um obstáculo, mas uma condição de sua liberdade.

Essa abordagem inovadora do direito e da política abriu o caminho para as contestações revolucionárias da ordem social burguesa e das novas hegemonias que ela engendrou (Karl Marx, assim como Mikhail Bakunin, é um discípulo herético de Hegel); mas também serviu, algumas vezes, de caução para várias empresas restauradoras ou até mesmo reacionárias. A lenda da “dupla face” da filosofia hegeliana tem suas raízes na heterogeneidade dessa herança.

Hoje, para quem a examina com serenidade, é de todo modo indubitável que esta obra, que carrega as marcas das profundas transformações pelas quais as sociedades europeias passaram desde a Revolução Francesa, é uma reflexão sobre as condições e as formas de uma liberdade moderna.

*Jean-François Kervégan é professor de filosofia na Université Panthéon-Sorbonne (França). Autor, entre outros livros, de Hegel et l’hégélianisme (Presses Universitaires France).

 

Referência


Georg Wilhelm Friedrich Hegel. Linhas fundamentais da filosofia do direito. Tradução e notas: Marcos Lutz Müller. São Paulo, Editora 34, São Paulo, 2022, 736 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Lorenzo Vitral Gilberto Lopes Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Luiz Werneck Vianna João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Liszt Vieira Luiz Bernardo Pericás Kátia Gerab Baggio José Machado Moita Neto Daniel Afonso da Silva Marcos Silva Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Bernardo Ricupero Vinício Carrilho Martinez Claudio Katz Leonardo Avritzer André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Jorge Branco Slavoj Žižek Paulo Martins Eugênio Trivinho Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra Henry Burnett Airton Paschoa Ricardo Musse José Raimundo Trindade Andrew Korybko Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Otaviano Helene Manchetômetro Bento Prado Jr. Jean Marc Von Der Weid Marcelo Módolo Remy José Fontana Afrânio Catani Michel Goulart da Silva Henri Acselrad José Costa Júnior Andrés del Río Érico Andrade Ricardo Fabbrini Ladislau Dowbor Mário Maestri Leda Maria Paulani Dennis Oliveira Bruno Machado Carlos Tautz Eleonora Albano José Dirceu Walnice Nogueira Galvão Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Leonardo Boff Plínio de Arruda Sampaio Jr. Thomas Piketty Dênis de Moraes José Luís Fiori Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Armando Boito Elias Jabbour Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Caio Bugiato Salem Nasser Antonino Infranca Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Renato Dagnino Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary Marcus Ianoni Marcelo Guimarães Lima Eliziário Andrade Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Celso Favaretto Luciano Nascimento Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Francisco Fernandes Ladeira Lincoln Secco Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Vanderlei Tenório Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Anderson Alves Esteves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Roberts Igor Felippe Santos Flávio Aguiar João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira José Geraldo Couto Leonardo Sacramento Alysson Leandro Mascaro Chico Whitaker Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Costa Gerson Almeida Antônio Sales Rios Neto Ricardo Antunes André Singer Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez Jean Pierre Chauvin Antonio Martins Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior João Adolfo Hansen Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Eduardo Borges Daniel Brazil Luiz Marques Valerio Arcary Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada