As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mario Benedetti e a chave de ouro

Kazimir Malevich, Sportsmen, 1930-31, óleo sobre tela, 142 × 164 cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

O uruguaio, um dos gigantes da literatura latino-americana, mais conhecido no Brasil como poeta e romancista, é um mestre absoluto da narrativa curta

“Chave de ouro” é uma expressão consagrada, na literatura, para designar o último verso de um soneto, aquele que sintetiza ou conclui com perfeição a ideia desenvolvida no poema. Por extensão, também é aplicada a tudo que se encerra com êxito, de maneira magistral, seja um conto, romance ou poema longo.

Cabe lembrar que as boas fábulas também são fechadas de forma exemplar, desde os tempos de Esopo. A moral, às vezes surpreendente, é sempre guardada para o final. Mesmo nas formas mais prosaicas e vulgares de ficção, como as piadas de salão ou boteco, quanto mais a chave de ouro é bem elaborada, mais aplausos – ou risadas – arranca da plateia.

Os contos e romances policiais se valem muito desta fórmula, pois o mistério só deve ser revelado no final. Provavelmente muitos escritores, fabulistas, poetas e contadores de piada sacam primeiro a potencialidade de uma frase ou imagem, e constroem um enredo que tem seu corolário na tal chave.

No século XX, com a fragmentação e desconstrução dos gêneros e estilos, a chave de ouro foi colocada em xeque. Modelo ultrapassado, para alguns, principalmente os cultores da linguagem mais formalista, experimental, para quem a fruição plena deve perpassar todo o projeto literário, através da linguagem. Há algo de parnasiano nessa visão, de considerar o texto uma espécie de escultura que deve ser apreciado por todos os ângulos, mas é inegável que há obras primas contemporâneas que dispensam a tal chave de ouro, seja em verso ou prosa.

Fiquemos nessa última, com alguns exemplos. Em seus contos, Machado de Assis burilava sua chave de ouro com a pena da galhofa e a tinta da melancolia, como ele mesmo revelou. Já Guimarães Rosa, embora não a descartasse, apostava no encantamento da linguagem, da construção desafiadora e melódica da linguagem.

Por que melódica? Porque, ao contrário da literatura, a música prescinde de uma chave de ouro. Nos maravilhamos com a arquitetura sonora de uma sinfonia ou de um concerto, tenha ou não o tal fechamento dourado. Não é o último acorde que nos comove ou surpreende,[1] mas o discurso estético, a forma com que se desenvolve. Na música popular, a letra às vezes utiliza o engenhoso recurso, herança literária, mas não é imprescindível para que se torne um sucesso de estima.

Esta pequena reflexão me ocorre ao terminar uma releitura de Montevideanos, coletâneas de contos de Mario Benedetti. O uruguaio, um dos gigantes da literatura latino-americana, mais conhecido no Brasil como poeta e romancista, é um mestre absoluto da narrativa curta. Montevideanos, publicado em 1959, enfoca a pequena classe média de seu país, que se iguala à de todos os países. A mesquinhez, os ódios dissimulados, a rivalidade, a ambição, a ausência de solidariedade, tudo isso é colocado sob o microscópio de Mario Benedetti, que analisa e descreve com humor ferino e visão aguda os seus conterrâneos.

Arguto investigador das grandezas e pequenezas do ser humano, o escritor utiliza a tal chave de ouro com tal maestria que nos deixa maravilhados. Um dos fundadores da modernidade literária do continente, cultor de uma linguagem fluida, límpida, sem floreios desnecessários, descreve uma situação em poucas páginas e resolve de modo exemplar.

Obviamente, não vou reproduzir aqui algumas dessas frases finais, geralmente temperadas de humor e sarcasmo. O risco de revelar o segredo que norteia a narrativa é imenso. O humanista de esquerda, que foi exilado pela ditadura, morou em vários países, e foi capaz de escrever versos como “Si te quiero es porque sos/ Mi amor mi cómplice e todo/ Y em calle, codo a codo/ Somos mucho más que dos” (versos da canção Te Quiero, gravada por vários artistas) uniu como poucos razão e sentimento, revolta e compaixão. Escritor prolífico, mas nunca repetitivo, soube valorizar a herança dos que o antecederam, limando os excessos e nos ofertando um destilado da mais refinada extração. Pero, sin perder la ironía jamás.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Mario Benedetti. Montevideanos. Tradução: Ercilio Tranjan. São Paulo, Mundaréu, 2016, 168 págs.
https://amzn.to/3QDEEJH

Nota


[1] O Bolero de Ravel é, nesse sentido, uma espantosa exceção.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Bento Prado Jr. Valerio Arcary Marcos Silva Daniel Brazil Michael Löwy Otaviano Helene Gilberto Lopes Anderson Alves Esteves Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Denilson Cordeiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Lanari Bo Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Lorenzo Vitral Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Remy José Fontana Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Slavoj Žižek Ronald Rocha Andrew Korybko Berenice Bento Henry Burnett José Luís Fiori Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Lincoln Secco Priscila Figueiredo Henri Acselrad Gabriel Cohn José Geraldo Couto Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães Ricardo Antunes Leonardo Avritzer José Machado Moita Neto Jorge Branco Milton Pinheiro Elias Jabbour Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano Luiz Costa Lima Antonio Martins Leda Maria Paulani João Carlos Loebens Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris Vanderlei Tenório Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Annateresa Fabris João Carlos Salles Luciano Nascimento Ari Marcelo Solon Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Bruno Machado Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Claudio Katz Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Michael Roberts Vladimir Safatle Renato Dagnino Armando Boito Leonardo Boff Kátia Gerab Baggio Boaventura de Sousa Santos Airton Paschoa Heraldo Campos Chico Alencar Eduardo Borges Atilio A. Boron Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Everaldo de Oliveira Andrade José Costa Júnior Luiz Renato Martins Marcus Ianoni André Singer Eugênio Trivinho Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Luiz Marques Eliziário Andrade Dênis de Moraes Celso Favaretto Antonino Infranca Francisco Fernandes Ladeira Valério Arcary Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Frederico Maria Rita Kehl Roberto Bueno João Sette Whitaker Ferreira Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre Aragão de Albuquerque Carlos Tautz Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Daniel Costa Manchetômetro Eugênio Bucci João Adolfo Hansen João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Ricardo Abramovay Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr José Raimundo Trindade Afrânio Catani Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Flávio R. Kothe Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse Tales Ab'Sáber Luiz Bernardo Pericás Fábio Konder Comparato Dennis Oliveira Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada