A importância da greve dos petroleiros

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Gilberto Bercovici*

A importância dessa greve está na capacidade de luta dos trabalhadores em defesa dos seus direitos e do Brasil e na conscientização da população sobre o desmonte do Estado

(Publicado originalmente no site Disparada)

Nos tempos de obscurantismo bolsonarista, uma boa notícia tem sido a resistência dos petroleiros e a ampliação da greve nacional iniciada em 1º de fevereiro de 2020. Os motivos que justificaram o início da greve foram a demissão em massa dos funcionários da Petrobrás alocados na Fafen (Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados) do Paraná e o descumprimento de parcelas do Acordo Coletivo firmado entre os sindicatos e a empresa. Mas, para além das disputas trabalhistas, a greve se organizou em torno de algo maior: a defesa da Petrobrás como empresa estatal que deve atuar em benefício da coletividade. Perspectiva esta abandonada desde 2016 e ameaçada pela privatização acelerada de boa parte da estrutura da Petrobrás promovida pelo atual governo.

Nunca é demasiado recordar que a Petrobrás é fruto de uma das maiores campanhas de mobilização popular ocorridas na história brasileira, a Campanha “O Petróleo é Nosso”. A proposta de criação de uma empresa estatal com monopólio sobre a indústria petrolífera não surgiu de um gabinete, mas das ruas. Essa empresa, criada por Getúlio Vargas em 1953, tinha e tem por objetivo garantir o abastecimento nacional de combustíveis e a segurança energética do Brasil. Para isso, imensas quantidades de dinheiro público foram utilizadas para financiar a estruturação e o crescimento da Petrobrás, que, em poucas décadas, se consolidou como a maior empresa do país e uma das maiores do mundo em sua área de atuação. Não bastasse o tamanho e a importância da Petrobrás para o Brasil, a estatal ainda se caracteriza por ser a empresa que mais investe em ciência e tecnologia no Brasil e é detentora de produtos e tecnologias inovadoras que a destacam na indústria petrolífera mundial.

Todo esse patrimônio público, portanto, do povo brasileiro, vem sendo ameaçado com a política de desmonte e venda de ativos iniciada no segundo Governo Dilma e ampliada sob Michel Temer e Jair Bolsonaro. Política esta que entrega a preço vil e sem concorrência parcelas do patrimônio da Petrobrás aos seus concorrentes internacionais, onerando o povo brasileiro com preços abusivos cobrados pelo gás, combustíveis e outros produtos de primeira necessidade. A atual greve nacional dos petroleiros é um grito de alerta contra a destruição deste patrimônio do povo brasileiro.

A greve dos petroleiros é tão importante neste momento que a alta cúpula do Poder Judiciário, tanto no Tribunal Superior do Trabalho como no Supremo Tribunal Federal, não hesitou em decidir contra o direito constitucional de greve, assegurado expressamente no artigo 9º da Constituição de 1988. Justamente por transcender a aspectos trabalhistas, a greve dos petroleiros é tão perigosa para os atuais governantes do país.

Essa greve é perigosa porque ela demonstra que os trabalhadores podem lutar de forma organizada em defesa não só dos seus interesses, mas em defesa do Brasil.

Essa greve é perigosa porque ela busca conscientizar a população do desmonte que o Estado brasileiro vem sofrendo implacavelmente nos últimos anos, comprometendo o nosso futuro.

Essa greve é perigosa porque ela nos relembra que a Petrobrás é o símbolo do desenvolvimento nacional, que a Petrobrás não é dos seus acionistas privados, mas, pelo contrário, que ela pertence a todo o povo brasileiro e o que acontece com a Petrobrás afeta a todos nós.

Para além da campanha de desinformação, fake news e mentiras propagadas para defender a política de privatização e entrega do patrimônio nacional pelo atual governo e seus apoiadores na grande imprensa, nos tribunais e no sistema político, a greve nacional dos petroleiros é um marco na nossa história, é uma greve a favor do Brasil e dos brasileiros. E será o caminhar dos acontecimentos relacionados à greve dos petroleiros que nos mostrará os caminhos de luta para garantir os nossos direitos e o nosso futuro enquanto país livre e soberano.

*Gilberto Bercovici é professor titular de Direito Econômico e Economia Política da Faculdade de Direito da USP.

Publicado originalmente no site Disparada


Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek José Dirceu Gerson Almeida Manuel Domingos Neto Denilson Cordeiro Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Marilena Chauí Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco Eleonora Albano Celso Frederico Flávio Aguiar Flávio R. Kothe José Costa Júnior Heraldo Campos Ronald León Núñez Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Manchetômetro André Márcio Neves Soares Anderson Alves Esteves Michael Roberts Tadeu Valadares Eugênio Bucci Annateresa Fabris Fábio Konder Comparato Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Henri Acselrad Armando Boito Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Andrew Korybko Daniel Brazil Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Loebens Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Caio Bugiato Priscila Figueiredo Carla Teixeira Claudio Katz José Machado Moita Neto Walnice Nogueira Galvão Celso Favaretto Juarez Guimarães Airton Paschoa Carlos Tautz Chico Whitaker Ladislau Dowbor Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Fernão Pessoa Ramos Alysson Leandro Mascaro Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Michel Goulart da Silva Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Francisco Fernandes Ladeira Rodrigo de Faria Anselm Jappe André Singer Atilio A. Boron Eduardo Borges Marcelo Módolo Vanderlei Tenório João Adolfo Hansen Michael Löwy Leda Maria Paulani Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Antonino Infranca Milton Pinheiro Otaviano Helene Valerio Arcary Ronald Rocha Érico Andrade Renato Dagnino Elias Jabbour Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Henry Burnett Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado Eleutério F. S. Prado Osvaldo Coggiola Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Marjorie C. Marona Tales Ab'Sáber Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Jorge Branco Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Leonardo Sacramento Afrânio Catani Ricardo Musse Valerio Arcary Rafael R. Ioris Daniel Costa João Lanari Bo Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Paulo Martins Eugênio Trivinho Berenice Bento Paulo Sérgio Pinheiro Eliziário Andrade João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Andrés del Río Remy José Fontana Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Antonio Martins Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada