As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O algoritmo loquaz

Imagem: Luis Gomes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI

A máquina nos convida para o papel de coadjuvantes na nossa própria história. E fala pelos cotovelos de silício

Sim, você sabe o que é o ChatGPT. Claro que sabe: já leu a respeito, já viu notícias nos telejornais e, talvez, até já tenha brincado com ele. O chatbot desenvolvido pelo Open AI Institute explodiu nas preferências das massas interconectadas. A versão 3,5, que funciona pela combinação de 175 bilhões de parâmetros simultaneamente, já bateu a marca de 120 milhões de usuários. A versão 4,0, a caminho, conta com 1 trilhão de parâmetros.

As pessoas não falam de outra coisa. As máquinas também: não falam de outra coisa. Isso mesmo: agora, as máquinas conversam, escrevem sobre temas abstratos, muito além do “pegue a segunda saída à esquerda” ou de “por favor, espere na linha, a sua ligação é muito importante para nós”. Computadores e celulares foram promovidos a seres falantes, e já com ares de seres pensantes. O sujeito vai lá e pergunta: “Que verso de Bocage eu posso citar para a minha namorada hoje no jantar?”. O negócio responde, por escrito. “Como faço um bolo de laranja?” Ele ensina, em um segundo. “Qual a diferença entre um emir e um califa?” “Quem foi Ésquilo?” “Como reverter o aquecimento global?” “Vladimir Putin é movido pelas paixões tristes de que falou Espinosa?” “A trigonometria será um dia dispensável em cálculos geométricos?”

Os templos do conhecimento se alvoroçam. O cyber-oráculo tem aspectos viciantes, já sabemos, mas são os aspectos viciosos que mais agitam a comunidade acadêmica. Estudantes recorrem a ele para redigir seus deveres de casa. Como fica o professor? Como saber se aquele texto é, mesmo, de quem o assina? Os métodos de avaliação escolar estão em xeque. O plágio mudou de patamar. Direitos autorais para robôs entram na pauta.

As provas feitas em sala de aula, baseadas na velha tecnologia de papel e caneta, renascem. As mais prestigiosas revistas científicas do mundo se apressam em anunciar normas editoriais urgentes: não aceitam papers redigidos por Inteligência Artificial (IA), embora admitam usar a famigerada Inteligência Artificial para melhor distribuir “conteúdos” nas redes.

Daqui para a frente, tudo vai ser diferente. “O que vem por aí é uma enxurrada de inovações e nada no passado se compara ao que está para acontecer”, avisou o professor Glauco Garbix, do Departamento de Sociologia da USP, no seminário ChatGPT: potencial, limites e implicações para a universidade, que ocorreu no Instituto de Estudos Avançados da USP, em São Paulo, na terça-feira passada. Um dos mais influentes pesquisadores brasileiros da Inteligência Artificial, Glauco Garbix diz que as tecnologias em marcha não são “ferramentas” neutras: “não são uma reles chave de fenda”.

Em resumo: já começou a grande mutação no modo como os seres humanos se relacionam entre si e com o conhecimento, o trabalho, o consumo e a cultura. As máquinas ainda não começaram a aprender a ser gente, mas já começaram a se comportar como sujeitos de linguagem.

Problemas à vista. Se você for perguntar aos psicanalistas o que distingue o humano dos outros animais, eles dirão que só o humano é sujeito de linguagem, ao contrário das minhocas e das calculadoras. Um antropólogo esboçará uma resposta na mesma linha. O bicho-homem se distingue porque fala e, ao falar, ativa representações abstratas e encadeia proposições orientadas por valores morais.

Ora, o ChatGPT faz tudo isso – ou, pelo menos, simula muito bem. Não que ele seja humano, não é isso, mas as diferenças entre o humano e o não-humano vão ficando mais e mais nubladas. Se máquinas são seres de linguagem (e se já há gente nos Estados Unidos usando aplicativos conversadores para fazer terapia psicológica), o que, afinal de contas, separa uma pessoa de carne e osso de um algoritmo palrador?

Há os que evitam o debate e se refugiam em alegações técnicas. O ChatGPT comete erros, dizem, com alívio. De fato, no dizer dos programadores e dos estudiosos da computação, a engenhoca entra em alucinações: erra, induz a erro, mente – e tudo isso sem enrubescer.

Mas por acaso isso lá é critério para garantir que o organismo não é humano? Errar é desumano? Desde quando? Outro dia, numa resposta dada a uma doutoranda da USP, o prodígio digital se saiu com um “à Deus”, com crase e tudo. O que pode haver de mais humano? Estamos às voltas com um Rolando Lero maquínico, um personagem que tem caradura para sustentar como óbvias afirmações despirocadas. E escreve “à Deus” com crase.

Outros dizem que o Chat não deveria nos preocupar porque, na verdade, não é inteligente, apenas finge ser. Para esses, o artefato passa a impressão de coerência lógica, mas não pensa coisa alguma. Pode ser que estejam certos. No entanto, o mundo está cheio de gente que ostenta a inteligência que não tem. Exatamente como o GPT. Serão elas menos humanas?

E assim estamos. Com algoritmos que falam (e, pior ainda, escutam), além de escrever (e até ler), a nossa irrelevância fica ainda mais indisfarçável. A máquina nos convida para o papel de coadjuvantes na nossa própria história. E fala pelos cotovelos de silício.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bernardo Ricupero Tales Ab'Sáber Antônio Sales Rios Neto André Márcio Neves Soares Paulo Capel Narvai Ladislau Dowbor Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Bruno Machado Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade José Geraldo Couto Eliziário Andrade Tarso Genro Dennis Oliveira Flávio Aguiar Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Antonino Infranca Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Michael Löwy Carlos Tautz Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Marilena Chauí Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Eduardo Borges Gilberto Lopes Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Rodrigo de Faria Lincoln Secco Afrânio Catani Daniel Brazil Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Anderson Alves Esteves José Costa Júnior Leda Maria Paulani Daniel Afonso da Silva Celso Favaretto Leonardo Boff Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Samuel Kilsztajn Michael Roberts Vanderlei Tenório Heraldo Campos Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Remy José Fontana Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Ricardo Musse Sandra Bitencourt Roberto Noritomi Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Salem Nasser Gerson Almeida Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Boaventura de Sousa Santos Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Igor Felippe Santos Atilio A. Boron João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Chico Whitaker José Dirceu André Singer Marcelo Módolo José Raimundo Trindade Flávio R. Kothe Érico Andrade Eleonora Albano Leonardo Sacramento Otaviano Helene Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa Dênis de Moraes Paulo Martins Benicio Viero Schmidt Vladimir Safatle Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Maria Rita Kehl Carla Teixeira Liszt Vieira Airton Paschoa Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Slavoj Žižek Henri Acselrad Henry Burnett Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Luciano Nascimento Ronald Rocha Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Manchetômetro Lorenzo Vitral João Carlos Salles Celso Frederico Armando Boito Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Berenice Bento Jorge Branco Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Ricardo Abramovay Daniel Costa Roberto Bueno

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada