As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A caixa de Pandora

Marco Buti, Recursos Humanos, 2021
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUCIANO MIGLIACCIO*

Comentário sobre o livro de Dora e Erwin Panofsky.

A caixa de Pandora apresenta a história da representação deste mito, desde a antiguidade greco-romana até as obras de Paul Klee e Max Beckmann, com o subsídio da análise de uma ampla série de fontes literárias e documentos figurativos. Representa ao mesmo tempo um exemplo admirável da aplicação dos métodos da iconologia na história da arte, a história de uma imagem condensando muitos contraditórios aspectos da relação entre o homem e a mulher, e o documento da vida de um casal.

Pandora é, de fato, o nome que reúne, como em um único ser, as vidas de Dora (Dorothea) e de Erwin Panofsky. O nome da esposa, ela também historiadora da arte, na capa do livro, surge como uma declaração mútua de amor, depois de uma vida de trabalho comum. Os dois estudiosos investigam a transmissão e a transformação do mito de Pandora, presente “belo e mau” dos deuses para os homens, seu vaso ou sua caixinha, invenção de Erasmo de Roterdã, talvez imagem inconsciente do sexo feminino, contendo os males (na versão de Hesíodo), os erros (na versão socrática), os pecados (na versão cristã), que se espalhariam pelo mundo. Ou conteria talvez o cofrinho as virtudes que retornariam ao céu desdenhando o mundo dos homens?

Dorothea, então, é também “Pandora”, porque o encontro com uma mulher significa o encontro com todas as imagens da feminilidade sedimentadas na memória da nossa cultura. Mas é possível fazer uma história das imagens? Existe uma ordem no nascer, multiplicar-se, combinar-se, desfazer-se e recompor-se das imagens? Este livro demonstra que, apesar da aparência confusa, o mundo das imagens é um mundo ordenado e que é possível fazer a história da arte como história das imagens.

Aby Warburg e seu círculo de Hamburgo, em que Panofsky e a esposa se formaram, demonstraram com pacientes pesquisas filológicas que a cultura artística do ocidente moderno vive da herança de imagens recebidas do passado como um repertório lexical de uma língua: um processo histórico de “longa duração” pelo qual na cultura ocidental a história das formas constitui sua própria memória, num triplo movimento de produção, transmissão e transformação dos modelos da Antiguidade. A imagem é um signo, a atribuição de um significado a ela é processo cultural e social.

O caminho da imagem, assim como o apresenta Panofsky, é tortuoso, casual, cheio de ambiguidades, de voltas, de diversões repentinas: certamente não possui uma lógica, nem uma direção, nem uma finalidade. Mas talvez seja possível descobrir nele uma ordem. O artista é um homem que participa da cultura do seu tempo. A cultura figurativa constrói sempre com materiais do passado, adaptando-os ao presente, a partir de experiências muitas vezes remotas, às vezes apagadas. O dado mnemônico fica muitas vezes cortado, indefinido, até equivocado, mas na ordem da cultura o próprio erro produz significado.

Os dois historiadores sabem que não podem se dar ao luxo de trabalhar com materiais selecionados de consagrado valor artístico para estudar o processo criativo. Reúnem o maior número possível de documentos direta ou indiretamente relacionados ao tema que determinaram estudar. Como geógrafos estudando uma correnteza de água, buscam encontrar sua nascente, desenhar seu percurso, compreender seu comportamento. Pode acontecer que o tema se apresente em alguma obra-prima famosa, mais frequentemente a sua presença ou a sua transformação são documentadas por imagens destinadas ao consumo comercial ou a fins utilitários como as ilustrações de livros, as estampas populares, as moedas, os naipes etc.

A imagem gasta, consumida, replicada centenas de vezes e deformada pelo descuido com que é adaptada às mais variadas situações é muitas vezes bem mais eloquente, para os historiadores da imagem, que a versão erudita, fixada com uma precisa estrutura formal. Às vezes associada ou combinada a novos conteúdos devido a confusões, ou a assonâncias com outras imagens do repertório da memória coletiva, ela é o documento de uma cultura, um signo a que é possível atribuir, como às palavras, vários significados.

Para quem já conhece os ensaios teóricos de Panofsky, ou para quem quiser se aproximar dos métodos da iconologia, a leitura deste escrito fluido e agradável na tradução portuguesa é uma experiência realmente gratificante. A presença de apêndices sobre as fontes e as obras analisadas e de um útil índice remissivo contribui para oferecer ao leitor uma guia para orientar-se na imensa erudição mobilizada pelos autores.

*Luciano Migliaccio é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 3, julho de 2009.

Referência


Dora e Erwin Panofsky. A caixa de Pandora: as transformações de um símbolo mítico. Tradução: Vera Pereira. São Paulo, Companhia das letras, 252 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Otaviano Helene Bento Prado Jr. Milton Pinheiro Manuel Domingos Neto Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin Mário Maestri José Costa Júnior Antonio Martins Michael Roberts Igor Felippe Santos Ricardo Abramovay Julian Rodrigues Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Ricardo Fabbrini Liszt Vieira Ronald Rocha Henri Acselrad Eduardo Borges José Luís Fiori Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro Bruno Machado Ronaldo Tadeu de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Renato Dagnino Lincoln Secco Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Francisco Pereira de Farias Luiz Werneck Vianna André Singer Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Érico Andrade Leda Maria Paulani Fernão Pessoa Ramos Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Marcelo Módolo Chico Alencar Lucas Fiaschetti Estevez Atilio A. Boron Annateresa Fabris Michael Löwy Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Gerson Almeida Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Francisco Fernandes Ladeira Roberto Noritomi Heraldo Campos Vinício Carrilho Martinez Sergio Amadeu da Silveira Yuri Martins-Fontes Marcus Ianoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Manchetômetro Luiz Costa Lima Daniel Afonso da Silva João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Bernardo Ricupero Marcos Aurélio da Silva Luiz Roberto Alves Flávio Aguiar Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira João Lanari Bo José Geraldo Couto André Márcio Neves Soares Berenice Bento Marilia Pacheco Fiorillo Dennis Oliveira Paulo Sérgio Pinheiro Flávio R. Kothe Remy José Fontana Dênis de Moraes Fernando Nogueira da Costa Thomas Piketty Elias Jabbour José Raimundo Trindade Antonino Infranca Luís Fernando Vitagliano Vladimir Safatle Celso Frederico Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Armando Boito Tarso Genro Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Celso Favaretto Marilena Chauí Tadeu Valadares Leonardo Sacramento Eugênio Bucci Ronald León Núñez Salem Nasser Daniel Brazil Anselm Jappe Eliziário Andrade Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Daniel Costa Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório Paulo Martins Walnice Nogueira Galvão Roberto Bueno Luiz Eduardo Soares Marcos Silva Eugênio Trivinho Paulo Nogueira Batista Jr João Feres Júnior Carlos Tautz Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Lorenzo Vitral Ricardo Antunes Marcelo Guimarães Lima Jean Marc Von Der Weid Francisco de Oliveira Barros Júnior Benicio Viero Schmidt João Carlos Salles Luiz Renato Martins Afrânio Catani Ricardo Musse Valerio Arcary José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Lima Castro Tranjan Marjorie C. Marona Gilberto Lopes Leonardo Avritzer Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada