As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O fantasma do Hitler judeu

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

O relato das suspeitas sobra a ascendência de Adolf Hitler

Calma: de saída, quero apaziguar os ânimos de gregos e troianos, para não falar de outras pertenças mais complicadas: não há qualquer prova – nem mesmo indício contundente – de que Adolf Hitler tivesse ascendência judaica, nem sombra dela. O que há é uma fantasmagoria, baseada numa suspeita que se corporificou lá pelos anos 1950. Mas o curioso, e que torna esta história interessante de ser contada, é que há indícios de que quem começou a dar corpo às suspeitas – duas décadas antes delas se avolumarem – foram atitudes do próprio Hitler e do seu entorno.

O Führer tinha uma obsessão particular por provar sua ascendência 100% ariana. O motivo desta obsessão era o fato de seu pai ser o que se chamava de “filho natural”, ou pior ainda, “ilegítimo”. Batizado com o nome de Alois, ele teve esta pecha preconceituosa registrada em sua certidão de batismo, por sua mãe, Maria Schicklgruber, a avó paterna de Hitler, não ter declarado o nome do pai de seu filho por ocasião do batizado.

Cinco anos depois do nascimento do filho, Maria Schicklgruber casou-se com Johann Georg Hiedler, que terminou por perfilhar Alois. Anos mais tarde, a própria certidão de nascimento deste foi mudada, acrescentando-se o nome de Johann como o do pai biológico, havendo inclusive a assinatura de três testemunhas corroborando esta “paternidade a posteriori” no novo documento, expedido em 1876 pelo mesmo cura que registrara o anterior com o nome do pai em branco.

Ocorre que na Alemanha nazista a questão de se comprovar documentalmente uma ascendência 100% ariana era crucial, ainda mais em se tratando do Führer. Adversários de Hitler começaram a levantar a suspeita de que ele tivesse comprometedora “ascendência judaica”. Embora oficialmente Johann Hiedler fosse reconhecido como seu avô paterno, Hitler ordenou que a SS pesquisasse seu passado. O resultado foi negativo quanto à descoberta de tal ascendência, e para corroborar a “não-descoberta”, Hitler fez publicar um livro – Die Ahnentafel des Führers – título que pode ser traduzido por “A árvore genealógica do Líder”, ou “A linhagem do Líder” (traduções mais maldosas falam em “O pedigree do Líder”). É evidente que tal publicação veio a contribuir para jogar mais fumaça sobre o suposto braseiro.

Este braseiro só se tornou uma fogueira em 1953. Neste ano foi publicado o livro Im Angesicht des Galgens – título que pode ser traduzido por “Face a face com a forca”, ou “com o patíbulo” – que consistia nas memórias do prisioneiro de guerra Hans Michael Frank, executado em 1946. Hans Frank fora ministro sem pasta e o principal assessor jurídico de Hitler. Em 1939 ele foi nomeado Governador Geral da Polônia ocupada, tornando-se o chefe responsável pela administração dos campos de concentração e de extermínio naquele país.

Hans Michael Frank foi aprisionado por tropas norte-americanas em 4 de maio de 1945 na Baviera. Enquanto aguardava seu julgamento no Tribunal de Nuremberg, ele redigiu aquele seu livro de memórias. Entre outras coisas ele contava que em 1930 Hitler, pressionado pela chantagem de seu sobrinho William Patrick Hitler, encarregou-o de pesquisar sua linhagem. Diz Frank então que levantara a hipótese de que a avó de Hitler, Maria Schicklgruber, trabalhara como doméstica na casa de um judeu de nome Leopold Frankenberger na região de Graz, na Áustria.

Ele então “descobrira” a versão de que o pai de Alois seria este Leopold ou um filho seu, o que corroboraria a chantagem de William Patrick. Conta ele ainda em seu livro que por ocasião das investigações que fizera ficara convencido de que Falkenberger ou seu filho não fossem ascendentes de Hitler, acreditando na versão que o Führer lhe havia contado, segundo a qual sua avó teria pressionado o suposto patrão para obter um estipêndio financeiro, mas que isto não eliminava a possibilidade de que ele tivesse tal ascendência.

Ao que parece este William Patrick de fato escrevera cartas ameaçadoras para Hitler, desejando obter vantagens financeiras com a exploração do poder crescente do tio. Nascido na Inglaterra, fora para a Alemanha com a ascensão de Hitler, mas acabou deixando este país, rumando para os Estados Unidos, onde se tornou oficial de enfermagem na Marinha e lutou contra os nazistas na guerra.

As memórias de Hans Frank fizeram furor, apesar de vários historiadores terem apontado incongruências nela, e também apesar de jamais ter-se encontrado outro indício da existência daquele Falkenberg a não ser a referência do autor em seu livro.

Para completar esta história algo rocambolesca, o filho de Hans Frank também publicou suas memórias, onde diz que o pai era um mitômano contumaz. Várias hipóteses acumularam-se sobre o caso, entre elas a de que Frank buscara vingar-se do homem que o conduzira à desgraça em que se encontrava, ou a de que, por seu antissemitismo contumaz, quisera demonstrar que, no fim de contas, a tragédia do mundo, da Europa e de seu país fora provocada por alguém que poderia ser… um judeu!

Como ele já fora executado, foi impossível voltar a interrogá-lo. Por seu turno, as suspeitas que mencionou, por mais inconsistentes que fossem, continuaram seu sinuoso caminho até desembarcarem, ruidosamente, nos bate-bocas provocados pela guerra na Ucrânia, provocando mais incidentes diplomáticos neste já conturbado cenário. Mas isto é assunto para outro artigo.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald Rocha Marcelo Módolo Rafael R. Ioris João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris Michael Roberts Luciano Nascimento Mariarosaria Fabris Carla Teixeira Flávio R. Kothe Juarez Guimarães Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Marcus Ianoni Elias Jabbour Milton Pinheiro Érico Andrade Remy José Fontana Daniel Brazil Bruno Machado Ricardo Abramovay José Luís Fiori Marcos Silva Ladislau Dowbor Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Vladimir Safatle Armando Boito Gerson Almeida José Machado Moita Neto Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa Lucas Fiaschetti Estevez Tarso Genro João Lanari Bo Henry Burnett Valério Arcary Leonardo Avritzer Afrânio Catani Francisco Pereira de Farias Paulo Capel Narvai Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Liszt Vieira Eugênio Trivinho Celso Favaretto Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Marcos Aurélio da Silva Eleonora Albano Vinício Carrilho Martinez Thomas Piketty Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Ronald León Núñez Carlos Tautz Chico Whitaker André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Igor Felippe Santos Leonardo Sacramento Marilena Chauí Luiz Costa Lima José Raimundo Trindade João Feres Júnior Rubens Pinto Lyra Jorge Luiz Souto Maior Renato Dagnino Rodrigo de Faria Celso Frederico Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima Roberto Noritomi Chico Alencar Tales Ab'Sáber Lorenzo Vitral Slavoj Žižek Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Tadeu Valadares Antonino Infranca Luiz Renato Martins Dênis de Moraes Andrew Korybko Heraldo Campos Mário Maestri João Carlos Salles Bernardo Ricupero Antônio Sales Rios Neto José Dirceu Vanderlei Tenório Michael Löwy Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Antunes Eduardo Borges Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Claudio Katz Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse Roberto Bueno Leda Maria Paulani Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Manchetômetro Atilio A. Boron Fábio Konder Comparato Daniel Costa Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Marjorie C. Marona Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada