As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A taxação dos ultrarricos

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO JANINE RIBEIRO*

A defesa despudorada dos privilégios dos ultrarricos foi um artigo na Folha de S. Paulo de domingo, 3 de setembro

Foi surpreendente a súbita revelação, poucas semanas atrás, de que os ultrarricos têm acesso a fundos de investimentos exclusivos, um por indivíduo ou família, que nao pagam impostos. Nem eu, nem a esmagadora maioria dos brasileiros informados tinha ouvido falar desse privilégio.

Mas não foi surpresa nenhuma, para mim, a reação dos riquíssimos à proposta de submeter essas aplicações, e seus donos, à mesma taxação a que estão sujeitos todos os brasileiros. Eu já esperava por isso. A defesa dos privilégios é uma tradição muito forte no Brasil. Aliás, em boa parte nosso país não prospera justamente por isso.

Lembro, durante a ditadura, um ministro da Fazenda dizendo que era importante os mais ricos desfrutarem do luxo, porque isso atrairia os mais pobres para procurarem se enriquecer, o que por sua vez deslancharia a economia. Também lembro que a Europa Ocidental prosperou justamente porque adotou uma linha diferente: instituiu o Estado de Bem-Estar Social, atenuando a desigualdade social mediante políticas públicas que dão a todos o acesso a uma educação, saúde e transporte decentes. Ao que tudo indica, uma repartição mais justa de renda dá mais certo, para o desenvolvimento econômico, do que sua concentração excessiva.

Exemplo dessa defesa despudorada dos privilégios dos ultrarricos foi um artigo na Folha de S. Paulo de domingo, 3 de setembro. No espaço nobre da terceira página, um senhor comparava a tributação dos rendimentos de fundos com o imposto sobre grandes fortunas, que levou em alguns países à evasão de grandes somas. Mas o truque era comparar o que não tem nada a ver. Por definição, um imposto sobre grandes fortunas apenas incidirá sobre os muito ricos. Não é o que está no projeto do Governo. O que este propõe é quase o inverso: que os muito ricos também paguem o que todos nós pagamos. Uma medida elementar de justiça fiscal e, mais que isso, de elementar justiça.

O artigo é curioso, porque começa com argumentos práticos, sustentando que o imposto (que é apresentado como sendo o que nao é) traria efeitos opostos aos desejados. Mas depois procede a um elogio ilimitado do bem que fazem os muito ricos para a sociedade. OK, aqui pode ser questão de opiniões. O capitalismo é um sistema econômico que funciona a partir do capital, que é diferente da mera acumulação de dinheiro porque este é posto a produzir. Na melhor das situações, produzir bens e serviços. No rentismo, a produzir dinheiro graças a juros exagerados que o Brasil paga. Mas deixemos isso de lado.

Porque continua a questão básica: por que os ultrarricos, se forem tão admiráveis assim, não pagam imposto? Um imposto, repito, que todos os demais investidores, mesmo em somas modestas, pagam. Por que esse privilégio? Lembrando que privilégio etimologicamente é uma lei privada, uma lei para o benefício privado e não público – quase uma contradição em termos.

Finalmente, o caso me recorda a condição da nobreza na França, sob o Antigo Regime. Os nobres, que seriam 4% da população, eram isentos da tributação. Eram também os mais ricos, com vastas terras. Ao longo dos séculos XVII e XVIII, isso significou que, à medida que crescia uma classe burguesa, que pagava impostos, esta o que mais queria era tornar-se nobre.

Subir à nobreza significaria parar de pagar impostos, ter um status social elevado e aproximar-se da corte régia. Por sinal, esse foi um fator importante para o atraso da França em relação à Inglaterra. Neste país, não por acaso o berço da Revolução Industrial, nobres pagavam impostos e podiam fazer negócios. A nobreza inglesa investiu na economia, enquanto a francesa pouco mais fazia além de dilapidar. Tudo isso resultou em duas revoluções quase opostas, a Francesa e, na Inglaterra, a Industrial. De modo que isentar de impostos a elite mais endinheirada não significa que isso proporcione desenvolvimento.

*Renato Janine Ribeiro é professor titular aposentado de filosofia na USP. Autor, entre outros livros, de Maquiavel, a democracia e o Brasil (Estação Liberdade). https://amzn.to/3L9TFiK


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sergio Amadeu da Silveira Eduardo Borges João Carlos Loebens Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lincoln Secco Daniel Brazil Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Marcus Ianoni Michael Löwy Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Bueno Andrew Korybko Roberto Noritomi Luiz Bernardo Pericás Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Gerson Almeida Marcelo Módolo Paulo Capel Narvai Henri Acselrad Renato Dagnino Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Paulo Ayub Fonseca Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Antonio Martins José Luís Fiori Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Luciano Nascimento Osvaldo Coggiola Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Salem Nasser Dênis de Moraes Berenice Bento Atilio A. Boron Marilena Chauí Antônio Sales Rios Neto Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Walnice Nogueira Galvão Carlos Tautz Valerio Arcary Chico Whitaker Claudio Katz Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Ronald Rocha Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Flávio Aguiar Caio Bugiato Kátia Gerab Baggio André Singer Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Heraldo Campos Leonardo Boff Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Ricardo Abramovay Gilberto Lopes Luiz Roberto Alves Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Remy José Fontana João Carlos Salles Elias Jabbour Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira José Machado Moita Neto Liszt Vieira Leda Maria Paulani Otaviano Helene Valério Arcary Eugênio Bucci Ladislau Dowbor Marcelo Guimarães Lima Paulo Sérgio Pinheiro Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Anselm Jappe Érico Andrade João Feres Júnior Slavoj Žižek Luis Felipe Miguel José Dirceu Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Gabriel Cohn Samuel Kilsztajn Eleonora Albano Mário Maestri Airton Paschoa Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Juarez Guimarães Antonino Infranca José Raimundo Trindade Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Jean Marc Von Der Weid Luís Fernando Vitagliano Mariarosaria Fabris Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Ari Marcelo Solon Ronaldo Tadeu de Souza Chico Alencar Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Bernardo Ricupero José Costa Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada