As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Terra contra-ataca

Sergio Sister, 1969, hiddografica,crayon oleoso sobre papel, 33,5 x 70 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

O coronavírus deve ser visto dentro do contexto que permitiu sua irrupção.

Até a presente data toda a preocupação face ao Covid-19 está centrada na medicina, na técnica e em todos os insumos que impedem a contaminação dos operadores da saúde. Principalmente se busca de forma urgente uma vacina eficaz. Na sociedade, o isolamento social e evitar a conglomeração de pessoas. Tudo isso é fundamental. No entanto, não podemos considerar o coronavírus como um dado isolado. Ele deve ser visto dentro do contexto que permitiu sua irrupção.

Ele veio da natureza. Ora, como bem disse o Papa Francisco em sua encíclica Sobre o cuidado da Casa Comum: “Nunca maltratamos e ferimos nossa Casa Comum tanto como nos dois últimos séculos”(n.53). Quem a feriu foi o processo industrialista: o socialismo real (enquanto existia) e principalmente o sistema capitalista hoje globalizado. Este é o Satã da Terra que a devasta e à leva a todo tipo de desequilíbrios.

Ele é o principal (não o único) responsável pelas várias ameaças que pairam sobre o sistema-vida e o sistema-Terra: desde o possível holocausto nuclear, o aquecimento global, a escassez de água potável até a erosão da biodiversidade. Faço minhas as palavras do conhecido geógrafo norte-americano David Harvey: “O Covid-19 é a vingança da natureza por mais de quarenta anos de maus-tratos e abuso nas mãos de um extrativismo neoliberal violento e não regulamentado”.

Isabelle Stengers, química e filósofa da ciência que muito trabalhou em parceria com o Nobel Ilya Prigogine, sustenta a mesma tese que eu também sustento:”o coronavírus seria uma intrusão da Terra-Gaia nas nossas sociedades, uma resposta ao antropoceno”.

Conhecíamos outras intrusões: a peste negra (peste bubônica) que vinda da Eurásia dizimou, ao todo, segundo estimativas, entre 75-200 milhões de pessoas. Na Europa entre 1346-1353 desfalcou a metade de sua população de 475 para 350 milhões. Ela precisou de 200 anos para se recompor. Foi a mais devastadora já conhecida na história. Notória também foi a gripe espanhola. Oriunda possivelmente dos USA entre 1918-1920, infectou 500 milhões de pessoas e levando 50 milhões à morte, inclusive o presidente eleito Rodrigues Alves em 1919.

Agora, pela primeira vez um vírus atacou o planeta inteiro, levando milhares à morte sem podermos detê-la por sua rápida propagação já que vivemos numa cultura globalizada com alto deslocamento de pessoas que viajam por todos os continentes e podem ser portadores da epidemia.

A Terra já perdeu o seu equilíbrio e está buscando um novo. E esse novo poderá significar a devastação de importantes porções da biosfera e de parte significativa da espécie humana.

Isso vai ocorrer, apenas não sabemos quando nem como, afirmam notáveis biólogos. Se vier a temida NBO (The Next Big One), o próximo grande e devastador vírus, poderá, segundo o pesquisador da USP Eduardo Massad, levar à morte cerca de 2 bilhões de pessoas, diminuindo a expectativa geral de vida de 72 para 58 anos. Outros temem até o fim da espécie humana.

O fato é que já estamos dentro da sexta extinção em massa. Inauguramos segundo alguns cientistas, uma nova era geológica, a do “antropoceno” e sua expressão mais danosa, a do “necroceno”. A atividade humana (antropoceno) se revela a responsável pela produção em massa da morte (necroceno) de seres vivos.

Os diferentes centros científicos que sistematicamente acompanham o estado da Terra atestam que, de ano para ano, os principais itens que perpetuam a vida (água, solos, ar puro, sementes, fertilidade, climas e outros) estão se deteriorando dia a dia. Quando isso vai parar?

O dia da “Sobrecarga da Terra” (the Earth Overshoot Day) foi atingido no dia 29 de julho de 2019. Isto significa: até esta data foram consumidos todos os recursos naturais disponíveis e renováveis. Agora a Terra entrou no vermelho e no cheque especial.

Como frear esta exaustão? Se teimarmos em manter o consumo atual, especialmente o suntuoso, temos que aplicar mais violência contra a Terra forçando-a a nos dar o que já não tem ou não pode mais repor. Sua reação se expressa pelos eventos extremos, como o vendaval-bomba em Santa Catarina em fins de junho e pelos ataques dos vários tipos de vírus conhecidos: zika, chicungunya, ebola, Sars, o atual coronavírus e outros. Devemos incluir o crescimento da violência social já que Terra e Humanidade constituem uma única entidade relacional.

Ou mudamos nossa relação para com a Terra viva e a para com a natureza ou poderemos contar com novos e mais potentes vírus que poderão dizimar milhões de vidas humanas. Nunca o nosso amor à vida, a sabedoria humana dos povos e a necessidade do cuidado foram tão urgentes.

*Leonardo Boff é ecoteólogo e escritor. Seu último livro O Covid-19: A Mãe Terra contra-ataca a Humanidade” será publicado pela Editora Vozes ainda este ano.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Gilberto Maringoni Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Lopes João Feres Júnior José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano João Carlos Salles Sandra Bitencourt Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Jorge Branco André Singer Carlos Tautz Ricardo Antunes José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Daniel Afonso da Silva Flávio R. Kothe Claudio Katz Celso Frederico Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Ronald Rocha Marilena Chauí Manchetômetro Gerson Almeida André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Flávio Aguiar Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos Ricardo Abramovay Antonio Martins Rafael R. Ioris Milton Pinheiro Denilson Cordeiro Tales Ab'Sáber Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Thomas Piketty João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn Leonardo Boff José Geraldo Couto José Micaelson Lacerda Morais Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Chico Alencar Caio Bugiato Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri Airton Paschoa Chico Whitaker Roberto Noritomi Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Valério Arcary Heraldo Campos Paulo Martins Anselm Jappe Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Roberto Bueno Elias Jabbour Leda Maria Paulani Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Daniel Brazil Antonino Infranca Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Luís Fernando Vitagliano Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Luiz Costa Lima Andrew Korybko Carla Teixeira Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Eugênio Bucci Annateresa Fabris Ricardo Fabbrini Luiz Bernardo Pericás Ricardo Musse Berenice Bento Igor Felippe Santos Armando Boito Luiz Renato Martins Marcos Silva Celso Favaretto Antônio Sales Rios Neto Juarez Guimarães João Lanari Bo Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Bruno Machado Rubens Pinto Lyra Slavoj Žižek José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre Aragão de Albuquerque Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Michael Löwy Remy José Fontana Luiz Marques Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Costa Tarso Genro Osvaldo Coggiola Henri Acselrad

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada