As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O golpe foi um golpe

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Reparação oficial a Dilma Rousseff incomoda a imprensa. Por quê?

Noticia-se que o governo está pensando em promover uma reparação simbólica a Dilma Rousseff, agora que o Poder Judiciário confirmou que o pretexto usado para derrubá-la – as “pedaladas fiscais” – não se sustenta.

É o correto a ser feito. Não só em relação a Dilma Rousseff, embora só isso já fosse suficiente. É importante, para a história do Brasil, deixar registrada essa tautologia: o golpe foi um golpe. Com consequências que foram muito além da retirada ilegal, de seu cargo, de uma presidente eleita.

O golpe marcou a ruptura, de vastos setores da classe dominante brasileira, com o princípio do respeito às regras do jogo. Inaugurou um período de vale-tudo na política brasileira, com incerteza quanto à vigência das normas constitucionais, marcado pela permanente queda de braço entre os poderes. Afinal, deslanchado por Eduardo Cunha e impulsionado pela Lava Jato, o golpe não poderia deixar de assinalar o triunfo do gangsterismo político.

O rompimento dos consensos sobre valores democráticos e igualitários básicos, alimentado pela direita tradicional, PSDB à frente, abriu espaço para o crescimento de uma aberração como o bolsonarismo.

Os líderes do golpe em 2016 e aqueles que se reuniram em torno de Jair Bolsonaro, que no script inicial estavam destinados a ser meros coadjuvantes, se irmanavam, porém, no projeto de redução do Estado e desmonte das proteções oferecidas à classe trabalhadora.

Em suma: o golpe nos legou desorganização institucional, violência política e ampliação da desigualdade.

Mas a Folha de S. Paulo publicou ontem um editorial furibundo contra o possível desagravo a Dilma Rousseff.

É um texto cheio de ódio. Diz que a ideia de Lula, de oferecer uma reparação a Dilma Rousseff, é um absurdo: “não bastou a sinecura internacional com que a presenteou”.

A Folha julga que Dilma Rousseff não tem competência para ser presidente do Banco do BRICS? Que apresente seus argumentos. Em vez disso, prefere lançar acusações ao vento.

Mas o central, anunciado já no título, é que “não foi golpe”.

O que o editorial diz é que “a lei dos crimes de responsabilidade […] é flexível a ponto de permitir o enquadramento de virtualmente qualquer governante”. Em seguida, assume que “Não foi a tecnicalidade das pedaladas fiscais […] que de fato derrubou Dilma Rousseff”.

Ela caiu por conta de sua “política econômica” e de sua “inapetência [sic] parlamentar”.

(Está certo que a péssima redação dos editoriais da Folha é lendária, mas este se superou.)

Em suma: o jornal reconhece que a presidente foi retirada do cargo sob falso pretexto. Mas não podemos chamar de golpe mesmo assim.

A mídia corporativa brasileira foi cúmplice do desmonte da Constituição no Brasil, patrocinando a Lava Jato, apoiando o golpe, aplaudindo as práticas autoritárias do governo de Michel Temer, normalizando o bolsonarismo.

Depois, quando o fedor neofascista do governo passado começou a ficar forte demais, quis se fazer de paladina da democracia. A Folha ainda mais que seus concorrentes.

Sem nem sombra de autocrítica, é claro. Se é incapaz de se arrepender por ter colaborado com a tortura de opositores da ditadura, porque iria fazer mea culpa pela simples participação coadjuvante numa trama golpista?

O editorial de ontem só confirma que ela segue nesse caminho.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Slavoj Žižek Juarez Guimarães Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes José Machado Moita Neto Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Luiz Souto Maior João Paulo Ayub Fonseca Dennis Oliveira João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona Bernardo Ricupero Anderson Alves Esteves Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa José Raimundo Trindade Antonio Martins Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Rafael R. Ioris Jorge Branco Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Frederico Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Eleonora Albano Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Heraldo Campos Marcelo Módolo Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu Airton Paschoa Salem Nasser Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares Valério Arcary Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Gabriel Cohn Julian Rodrigues Milton Pinheiro José Geraldo Couto Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Marilena Chauí Luciano Nascimento Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Elias Jabbour Boaventura de Sousa Santos Leda Maria Paulani Mariarosaria Fabris Liszt Vieira Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Daniel Brazil Michael Löwy Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Priscila Figueiredo André Singer Antônio Sales Rios Neto Antonino Infranca Henry Burnett Armando Boito Érico Andrade Luis Felipe Miguel Samuel Kilsztajn Ricardo Abramovay Leonardo Boff Tarso Genro Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vinício Carrilho Martinez Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio José Luís Fiori Fernão Pessoa Ramos Luiz Marques Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Valerio Arcary Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Chico Whitaker Sandra Bitencourt Flávio R. Kothe Jean Marc Von Der Weid Ronald León Núñez Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Gilberto Maringoni Carla Teixeira Osvaldo Coggiola Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt Gerson Almeida Luiz Renato Martins Thomas Piketty Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Atilio A. Boron Francisco Fernandes Ladeira Roberto Noritomi Marcos Silva Vanderlei Tenório Carlos Tautz Lorenzo Vitral João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Claudio Katz Maria Rita Kehl Henri Acselrad Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Lincoln Secco Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Roberto Bueno Manuel Domingos Neto Rodrigo de Faria Luiz Costa Lima Tadeu Valadares Manchetômetro Michael Roberts Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri Eugênio Bucci Ladislau Dowbor José Costa Júnior Francisco Pereira de Farias Bruno Machado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada