O grito dos “sem-poder”

Foto de Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO WHITAKER; MARCELO BARROS; RAFAEL RODRIGUES e WALDIR AUGUSTI*

Tornou-se urgente e imprescindível afastar o Presidente da República. Já não se pode esperar por impeachment nem pelas eleições de 2022

Em número de mortes pela pandemia que assola o planeta, o Brasil está em segundo lugar no mundo, ultrapassando os 390.000 óbitos. E em primeiro lugar no ritmo de aumento desse número.

A perplexidade, a angústia e o medo não podem, no entanto, nos paralisar, como espectadores dessa tragédia. É o momento de um estrondoso grito dos “Sem Poder”. Como o “basta!” que começa a ecoar em todo o mundo, porque o Brasil está se tornando um novo epicentro da doença, com variantes ainda mais letais.

A expressão “sem poder” poderia vir da Bíblia, das narrativas da resistência do povo empobrecido, no livro de Daniel. Mas foi cunhada pelo dramaturgo checoslovaco Vaclav Havel, depois da “Primavera de Praga” de 1968, ano em que o mundo foi sacudido em toda parte por revoltas de jovens e menos jovens. Em maio, na França, protestos estudantis contra diversas formas de opressão estremeceram estruturas de poder. Não conseguiram mudanças mas explicitaram sonhos que alimentaram a rebelião no mundo. Em junho os jovens brasileiros se levantaram contra a ditadura militar, na “passeata dos cem mil”, mas em dezembro veio o AI 5 de triste memória.

Na Checoslováquia tudo começara em janeiro. O próprio governo, chefiado por líderes “reformistas” do Partido Comunista, iniciou a “Primavera” abrindo caminho, com reformas, para o que foi chamado de “socialismo com rosto humano”, com a descentralização da economia, a garantia de direitos dos cidadãos, a liberdade de imprensa, de expressão e de organização.

Em agosto tropas da União Soviética invadiram o país, substituindo os governantes por títeres. Mas não puderam massacrar os “dissidentes” e “não conformistas”, como tinham feito na Hungria doze anos antes: cidadãos e cidadãs resistiram de forma não violenta. Invertiam as placas das estradas para que os tanques voltassem para Moscou, recusavam-se a cooperar com os soviéticos. O jovem Jan Palach protestou imolando-se com fogo.

A resistência continuou. Havel e outros intelectuais escreveram em 1977 o Manifesto 77. Foram presos. Em 78 Havel escreveu “O poder dos sem poder”, sobre a luta dos que não tinham poder político institucional mas, como ele próprio, resistiam. Em 1989, ano da queda do Muro de Berlim, eleições o levaram à Presidência do país. Dubcek – o Presidente “reformista” destituído em 1968 – tornou-se Presidente do Parlamento.

Enquanto isso ocorria, o Brasil retomou, com a promulgação de uma nova Constituição, a construção de sua democracia, interrompida em 64. Mas hoje, trinta e dois anos depois, somos praticamente o único país em que grande parte das mortes causadas pela Covid são, inacreditavelmente, provocadas diretamente pela ação e omissão criminosas do seu próprio governo.

De fato, mal iniciada a pandemia – e até hoje – o Presidente da República age como se tivesse planejado um morticínio: minimiza o caráter letal da doença, confunde a população sobre como enfrenta-la, induz o uso de medicamentos inócuos mas de graves efeitos colaterais, emperra a compra de vacinas, desarticula serviços de saúde, obstaculiza a ação de governadores e prefeitos. E, como um psicopata, demonstra uma cruel insensibilidade com a dor dos enlutados.

Tornou-se, portanto, urgente e imprescindível afastar o Presidente da República. Já não se pode esperar por impeachment nem pelas eleições de 2022. Precisamos todos apoiar a Ordem dos Advogados do Brasil e o Movimento 342 Artes, de juristas e artistas, que abriram outro caminho para esse afastamento. Em representações ao Ministério Público imputaram ao Presidente da República crimes previstos no Código Penal e pediram uma denúncia ao Supremo Tribunal Federal. Se a Câmara dos Deputados autorizar um processo criminal, o Presidente será afastado por 180 dias.

Quarenta organizações da sociedade civil, encabeçadas pelo Centro de Estudos Bíblicos, enviaram uma Carta Aberta ao Conselho Superior do Ministério Público Federal, para que essa instituição faça a denúncia e não possa ser considerada corresponsável, por omissão, pela tragédia que vivemos. A Carta recebe novas adesões em https://ocandeeiro.org/carta-aberta-ao-conselho-superior-do-ministerio-publico-federal-mpf/ É preciso que milhares de “sem poder” a divulguem e a subscrevam.

*Chico Whitaker é consultor da Comissão Brasileira Justiça e Paz.

*Marcelo Barros é monge beneditino, teólogo e assessor de movimentos sociais.

*Rafael Rodrigues é Diretor Nacional do Centro de Estudos Bíblicos – CEBI.

*Waldir A. Augusti é filósofo, assessor de pastorais e movimentos sociais e cofundador do Instituto Padre Ticão.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luis Felipe Miguel Henry Burnett Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Tales Ab'Sáber Anderson Alves Esteves Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. Elias Jabbour Afrânio Catani Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira João Lanari Bo Ladislau Dowbor Lorenzo Vitral Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Jorge Branco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Annateresa Fabris Leonardo Sacramento Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Francisco Pereira de Farias Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Leda Maria Paulani Marcus Ianoni Ronald León Núñez Celso Favaretto Dênis de Moraes Marcelo Módolo Thomas Piketty Marilena Chauí Rubens Pinto Lyra José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Abramovay Daniel Costa Jean Marc Von Der Weid Eugênio Trivinho Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Caio Bugiato Luiz Bernardo Pericás Michael Roberts Priscila Figueiredo Ricardo Fabbrini Heraldo Campos Igor Felippe Santos Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade Armando Boito Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Eugênio Bucci Ricardo Musse Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle José Geraldo Couto Henri Acselrad Daniel Brazil Eduardo Borges João Carlos Salles Luiz Renato Martins Mário Maestri José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero José Luís Fiori João Feres Júnior Celso Frederico Gerson Almeida Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Remy José Fontana Milton Pinheiro Salem Nasser Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Rafael R. Ioris Bruno Machado Antonio Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Manchetômetro Ronaldo Tadeu de Souza Sandra Bitencourt Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Lincoln Secco Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade Paulo Capel Narvai Leonardo Avritzer Kátia Gerab Baggio Matheus Silveira de Souza Paulo Nogueira Batista Jr Carlos Tautz Chico Alencar Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Samuel Kilsztajn Liszt Vieira José Dirceu Slavoj Žižek Leonardo Boff Andrew Korybko Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Luiz Marques Julian Rodrigues Luciano Nascimento José Costa Júnior André Singer Mariarosaria Fabris João Adolfo Hansen Boaventura de Sousa Santos Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Tadeu Valadares Eleonora Albano Gilberto Maringoni Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva Jean Pierre Chauvin José Raimundo Trindade Michel Goulart da Silva Denilson Cordeiro João Paulo Ayub Fonseca Flávio Aguiar Ricardo Antunes Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Michael Löwy André Márcio Neves Soares Gilberto Lopes Luiz Roberto Alves Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada