CPF cancelado

Clara Figueiredo, sem título, fotomontagem digitalizada, 2017
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Quando um circuito de crises começa empilhar mortos, extinguir a compaixão e plantar sementes de ódio com naturalidade é porque chegamos ao limite

“Durante viagem a Manaus, Jair Bolsonaro debochou dos mortos pela Covid-19 no Brasil. Ao lado do apresentador Sikêra Jr., ele posou para uma foto em que segurava uma placa com a imagem de um CPF e a palavra, numa tarja em vermelho, “cancelado”. A expressão “CPF cancelado” é conhecida em grupos de extermínio para mencionar assassinatos”. A matéria é do Site 247, ontem, dia 24 de abril 2021, 75 anos depois de Auschwitz. As instituições do Brasil estão apenas amortecidas ou já faleceram e somos apenas espectros de humanidade que vagam em outras paragens, onde os corpos não fazem sombras e as consciências sumiram nos potes do mercado?

Primo Levi que fixou na História as pilhas de cadáveres que Hitler, com o apoio de uma parte da população alemã – com a indiferença de muitos e o silêncio complacente dos que não se opuseram à “demonstração despudorada de como o mal prevalece facilmente” – disse que, em plena Europa do Século XX, “foi sonhado um sonho demente, o de edificar um império milenar sobre milhões de cadáveres e de escravos” (…) agregando – sobre a reação da Europa – que os “pouquíssimos (que) se recusaram foram decepados; todos os outros consentiram, parte deles com desgosto, parte com indiferença, parte com entusiasmo.”

Primo Levi sobreviveu a Auschwitz e escreveu “É isto um homem?”, pergunta cuja radicalidade filosófica põe em questão não só os resultados políticos do iluminismo democrático, mas igualmente as parcas possibilidades de conceituar de forma correta – em termos de filosofia moral – o próprio sentido do termo “civilização”. Quando nós, no Brasil, olhamos o Presidente da República e perguntamos “Isto é um homem?” ou “Como isto foi possível”, estamos indagando ao mesmo tempo sobre o nosso passado e o nosso destino comum.

Sobre o passado temos as nossas misérias assentadas na escravidão colonial, bem como nos Tenentes alçados contra a oligarquia; nos vemos nas resistências legais e “ilegais” à ditadura militar, bem como na aceitação majoritária do Golpe contra Dilma e – no nosso passado recente- vemos o espírito de vira-lata da nossa política externa (repousada sobre as melenas falsificadas de Trump) mas também a dignidade do Itamarati, em vários momentos da nossa História, mais recentemente com o Chanceler Celso Amorim, na política externa altiva e ativa na cena pública global.

Certamente historiadores ilustres no futuro, saberão olhar em profundidade o deserto político e moral que nos impingiram com a criação do bolsonarismo. Seu certificado de validade é cimentado pelo compromisso do liberal-rentismo como fascismo redivivo, destinado à destruição do Estado Social, mesmo que ele custe 500 mil mortos – ou mais – no fim deste perverso capítulo da nossa História.

Depois ainda teremos os mortos pela fome, as famílias dissolvidas pelo luto, a loucura engendrada na luta irracional pela sobrevivência. É um Homem, este que propaga um caminho necrófilo? Seremos considerados como Homens, no futuro, se nos omitirmos ou silenciarmos? Difícil responder, mas quando um circuito de crises começa empilhar mortos, extinguir a compaixão e plantar sementes de ódio com naturalidade é porque chegamos ao limite

Rolando Freisler (1893-1945) jurista alemão da época da República de Weimar e nominado como o mais importante Juiz da época de Hitler, condenou à morte centenas de resistentes judeus e não-judeus e simbolizou o que foi a parte mais depravada da Magistratura Alemã, no chamado “Tribunal Popular” (Wolksgerichtshof), jurisdição mais relevante do Estado para “crimes políticos”, na época de Hitler. Seu costume, além de condenar à morte os seres humanos que não se renderam frente à desumanidade necrófila, era teatralizar seus processos de modo a humilhar de forma brutal os réus, a defesa e a família dos futuros condenados.

Alguma similaridade com as condenações prévias aos processos, pelos quais o Juiz Moro obtinha sua cumplicidade com a Rede Globo? Sim, algumas similaridades evidentes que passam, não só pelas relações de proximidade do Juiz Moro com o candidato já notoriamente fascista, mas também pelas humilhações e condenações prévias, feitas pela maioria da imprensa tradicional, assacadas contra os “condenados necessários”, aqueles que deveriam ser eliminados para que o Fascista vencesse e o Juiz se tornasse seu Ministro.

Nos últimos 30 dias um grupo de advogados (entre os quais eu me incluo) e juristas redigiram e propuseram, em nome do PCdoB e do PSOL, uma “ação direta de inconstitucionalidade por omissão” contra a Presidência da República. Nesta ação, apoiados em fatos públicos e notórios – livres de qualquer dúvida, portanto – mostramos que o Presidente não está cumprindo a Constituição, pelas políticas omissivas (e homicidas) que vem desenvolvendo e por estar praticando ações explícitas de sabotagem à saúde pública e a outros direitos fundamentais.

Sustentamos na ação, portanto, que o Presidente está em confronto com a ciência e a razão. Em breve, caberá ao STF dizer – pela metáfora universal que o só o Direito pode produzir – se somos um povo composto de indivíduos dotados de sentimento humanos em toda a sua plenitude ou se somos (e por reflexo eles, Julgadores, também o são) um rebanho passivo conduzido pelo Juiz Freisler ao pelourinho da vergonha. Este é um lugar amplo que jamais deixa de acolher os que renunciam a sua condição humana, para pensarem como um rebanho escravizado pelo mito: imunes ao amor e à solidariedade.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar Dênis de Moraes Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Vladimir Safatle José Costa Júnior Ladislau Dowbor Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Marcos Aurélio da Silva Gerson Almeida Denilson Cordeiro Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Atilio A. Boron Annateresa Fabris Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Eduardo Borges Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa João Carlos Salles Celso Frederico Otaviano Helene Remy José Fontana José Dirceu Marcos Silva Claudio Katz Leonardo Boff Antonio Martins Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens André Singer Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Michael Roberts João Feres Júnior Sandra Bitencourt Andrés del Río Marcelo Módolo Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Anselm Jappe Lucas Fiaschetti Estevez Eleonora Albano Priscila Figueiredo Michael Löwy Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Érico Andrade José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Ricardo Fabbrini Paulo Capel Narvai Gilberto Lopes Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Osvaldo Coggiola Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Daniel Costa Liszt Vieira Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Rodrigo de Faria Everaldo de Oliveira Andrade Henry Burnett Daniel Brazil Luciano Nascimento Thomas Piketty Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ari Marcelo Solon Anderson Alves Esteves Tadeu Valadares Luiz Marques Marjorie C. Marona Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto Julian Rodrigues Antonino Infranca João Lanari Bo Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos Ronald León Núñez Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Antunes Mário Maestri Berenice Bento Fábio Konder Comparato Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias Leonardo Sacramento Celso Favaretto Bruno Machado Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Lorenzo Vitral Michel Goulart da Silva José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Slavoj Žižek Renato Dagnino Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Luís Fernando Vitagliano Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho Marilena Chauí Luiz Roberto Alves Ronald Rocha Armando Boito Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Dennis Oliveira Tarso Genro Luiz Carlos Bresser-Pereira Valerio Arcary Paulo Martins Marilia Pacheco Fiorillo José Machado Moita Neto Matheus Silveira de Souza Eugênio Bucci Leda Maria Paulani Henri Acselrad Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Chico Whitaker Andrew Korybko Juarez Guimarães Manchetômetro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada