Arapuca estadunidense

Robert Rauschenberg, Sons da rua, 1992
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LADISLAU DOWBOR*

Comentário sobre o livro recém-editado de Fréderic Pierucci & Matthieu Aron

É raro um depoimento, por parte de um executivo de uma grande corporação multinacional, no caso a Alstom, gigante francês do nuclear, de energia e transportes, detalhar como funcionam o que chamamos curiosamente de “mercados”, e que na realidade envolve guerra entre os grandes grupos, com uso aparelhado do Judiciário, com envolvimento profundo dos governos, e um conjunto de comportamentos que raramente afloram na mídia ou nas pesquisas. Somente uma pessoa de dentro, e em nível elevado de responsabilidade, poderia escrever como funciona o capitalismo realmente existente.

Estamos falando da Alstom, que segundo o autor é um grupo “que tem a maior experiência nuclear do mundo. É a número um no fornecimento de centrais elétricas completas, bem como na sua manutenção, e equipa cerca de 25% do parque mundial. A empresa também é líder mundial na produção de energia hidrelétrica” (p. 164). O livro relata, capítulo por capítulo, como a General Electric americana, grupo ainda maior, conseguiu comprar a Alstom, usando para isso perseguições judiciais, prisões, e naturalmente este cavaleiro branco da política que é a luta contra a corrupção, em nome da qual podem ser feitas as maiores barbaridades.

Frédéric Pierucci, o próprio executivo da Alstom, escreve em primeira pessoa, com a ajuda do pesquisador e jornalista Matthieu Aron. Li o livro em um dia e meio, porque é muito bem escrito, um relato do dia a dia da guerra, mas pesquisado com muito detalhe, uma janela que nos permite entender como funciona efetivamente o sistema. Há tempos apareceu um livro semelhante, Confissões de um Assassino Econômico, obra que apesar do título que sugere um policial, constitui também uma explicitação detalhada sobre os grandes contratos internacionais. Foi escrito por John Perkins, economista-chefe de uma grande empresa de construção americana. Teve grande sucesso nos Estados Unidos, justamente por levantar o véu sobre como funcionam as grandes negociações internacionais.

Controlar a energia, a tecnologia do nuclear, grandes infraestruturas que representam imensos recursos e tecnologias de ponta, é vital para a soberania de um país. Como foi que a França, quinta potência econômica mundial, permitiu que este “florão da economia francesa” fosse arrebatado pela General Electric? Imaginamos o mercado como nos ensinam nos cursos de economia, do tipo que “vence quem presta o melhor serviço”, e não quem tem a máquina do poder político, militar e judiciário para abocanhar os concorrentes. Não achei no livro nenhuma simplificação ideológica, e sim um relato, dia a dia, de como funciona a guerra econômica. Com isso, abre-se uma janela sobre o funcionamento da política em geral.

A política se torna compreensível: “Qualquer que seja o ocupante da cadeira de Presidente dos EUA, seja democrata, seja republicano, carismático ou detestável, o governo em Washington sempre atende aos interesses do mesmo grupo de industriais: Boeing, Lockheed Martin, Raytheon, Exxon Mobil, Halliburton, Northrop Grumman, General Dynamics, GE, Bechtel, United Technologies, dentre outros…Os Estados Unidos, que se arvoram em dar lições de moral a todo o planeta, são os primeiros a fechar negócios fraudulentos nos diversos países sob sua zona de influência, a começar pela Arábia Saudita e o Iraque” (p. 329).

Os Estados Unidos são os primeiros e únicos a aprovar uma Lei Extraterritorial – de 1970, expandida de 1988 – que lhes permite prender uma pessoa de qualquer nacionalidade, por negócios nos mais diversos países, porque a justiça americana – empurrada por uma corporação americana – decide que foram violados interesses americanos (p. 172, 249, 326). Ou podem processar qualquer empresa que fizer negócios com um país que os Estados Unidos decidem unilateralmente como sendo submetido a um bloqueio. Ou seja, os grupos econômicos norte-americanos dispõem de uma arma de perseguição em escala mundial, com o Judiciário formalmente envolvido (o DOJ). E com o envolvimento, graças à colaboração das grandes plataformas de mídia social, da própria NSA, ou seja, do sistema de inteligência do governo.

O Brasil é mencionado em várias ocasiões, e não há como não fazer o paralelo entre a guerra pelo controle das tecnologias mais avançadas e dos maiores contratos internacionais, com o que foi a Operação Lava jato no Brasil. Também desenvolvida em nome da luta contra a corrupção, com o apoio dos Estados Unidos, ela terminou por quebrar grandes concorrentes da construção como a Odebrecht, e por privatizar grande parte da base energética do país, em particular pedaços da Petrobrás e da Eletrobrás, sem falar de outro florão tecnológico do Brasil que é a Embraer.

É guerra, e utilizar o Judiciário americano e brasileiro de forma escandalosa faz parte do sistema. O primeiro passo, como no caso da Alstom, é a privatização, que permite a apropriação externa por mecanismos financeiros. As ameaças e intervenções políticas e policiais fazem o resto. Você imagina a China entregando o controle da sua base energética a corporações internacionais? Pela clareza e profundidade da exposição, uma leitura indispensável.

*Ladislau Dowbor é professor titular de economia da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de A era do capital improdutivo (Autonomia Literária).

 

Referência


Fréderic Pierucci & Matthieu Aron. Arapuca estadunidense: Uma lava jato mundial. São Paulo, Kotter, 2021, 444 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anderson Alves Esteves Michael Löwy Daniel Brazil Andrew Korybko Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Maria Rita Kehl Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary Leonardo Boff Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Celso Frederico Daniel Costa Antonio Martins Igor Felippe Santos Liszt Vieira André Márcio Neves Soares Manchetômetro João Carlos Salles Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Favaretto Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Luiz Roberto Alves Henri Acselrad João Adolfo Hansen Marilena Chauí Marcelo Módolo Luiz Marques Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Jorge Luiz Souto Maior Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Ronald Rocha Renato Dagnino Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos José Dirceu Andrés del Río Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Jorge Branco Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Lorenzo Vitral Carla Teixeira Ronald León Núñez João Feres Júnior Ari Marcelo Solon Érico Andrade Bento Prado Jr. Julian Rodrigues Flávio Aguiar Jean Marc Von Der Weid Gabriel Cohn Gerson Almeida Ricardo Abramovay Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Antonino Infranca João Lanari Bo Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Salem Nasser Afrânio Catani Ricardo Antunes José Micaelson Lacerda Morais Benicio Viero Schmidt Paulo Fernandes Silveira Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento André Singer Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Marcos Silva Yuri Martins-Fontes Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Dennis Oliveira Carlos Tautz Michael Roberts Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Osvaldo Coggiola Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Tadeu Valadares Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior Francisco Pereira de Farias Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Eleonora Albano Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Tales Ab'Sáber José Luís Fiori Leda Maria Paulani Airton Paschoa Juarez Guimarães Elias Jabbour Gilberto Lopes Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek Eduardo Borges Dênis de Moraes Otaviano Helene Thomas Piketty Remy José Fontana Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Samuel Kilsztajn Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Chico Whitaker Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Anselm Jappe Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Ricardo Musse Claudio Katz Eugênio Bucci Paulo Sérgio Pinheiro Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada