As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O capitalismo ocidental em xeque

Imagem: Nicolas Garzón
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CAIO BUGIATO*

A guerra na Ucrânia sinaliza uma mudança de eixo da economia política mundial para a Ásia

Diante da reação militar do governo Putin na Ucrânia ao expansionismo da OTAN, os Estados capitalistas ocidentais intensificaram pressões contra o Estado, a sociedade e a economia da Rússia. Sanções econômicas procuram atingir indivíduos, empresas e agentes e instituições estatais em diversos setores, de modo a impedir que os russos viabilizem as operações militares.

No setor bancário, os capitalistas ocidentais removeram bancos russos do sistema Swift, uma plataforma financeira internacional que realiza pagamentos interbancários. No de transporte, fechamento de espaço aéreo e abandono de operações de empresas em território russo foram algumas das medidas. No setor de petróleo e gás, grandes petroleiras ocidentais encerram investimentos e atividades no país. Entre outros.

Na dimensão político-diplomática, a Assembleia-Geral da ONU em sessão extraordinária aprovou resolução condenando o Estado russo. O documento teve voto favorável de 141 países, 35 abstenções, 12 ausências e 5 votos contrários. Na dimensão político-ideológica, com o objetivo de demonizar o governo Putin (e seus aliados), a máquina ocidental de propaganda de guerra cotidianamente afirma o conflito do bem contra o mal, a heroica resistência dos ucranianos (cujas células são em boa parte compostas por neonazistas), crimes de guerra, e o suposto atoleiro em que as forças armadas russas teriam se metido no pântano da resistência local. Vejamos mais de perto estas situações.

O índice de aprovação do governo e o apoio popular à ação das forças armadas subiram no país. Aparentemente o governo Putin sabe trabalhar habilmente com fatos históricos como as invasões napoleônica e nazista (esta que contou com as vistas grossas de Washington), assim como com da nazificação da Ucrânia e com a expansão da OTAN. O enaltecimento do feriado nacional da Grande Guerra Patriótica, que representa a vitória sobre a Alemanha nazista, é emblemático.

Na votação da ONU, os Estados que não votaram a favor da resolução citada representam cerca de 4.1 bilhões de habitantes, dentre os quais China e Índia. A maioria dos países que não votaram contra os russos, que estão na África e na Ásia, têm relações econômicas e políticas amistosas com a Rússia. Vale lembrar que os soviéticos foram os europeus que auxiliaram na descolonização do continente africano, para o qual a Rússia é grande fornecedora de grãos e milho.

O Estado e a economia da Rússia não são subordinados e dependentes às potências capitalistas ocidentais como é o caso do Brasil e da América Latina. Ademais, sua projeção econômica e política (capitalista) é mais voltada para o âmbito regional, onde estabelece uma série de alianças e cooperações. A Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC) é uma delas, cuja finalidade é ajuda militar aos Estados membros contra qualquer agressão a outro. Composta por Armênia, Belarus, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão, foi formada no começo dos anos de 1990 depois do fim do Pacto de Varsóvia.

Em movimentações recentes da OTSC, forças armadas de Belarus e Rússia realizaram exercícios militares conjuntos e posicionaram tropas nas suas fronteiras com a Ucrânia antes da guerra. No Cazaquistão, para conter protestos contra o governo, paraquedistas russos foram enviados a pedido do presidente para ajudar a estabilizar o país. A OTSC foi a autoridade invocada para isso. Entretanto, o Cazaquistão não reconhece a independência de regiões separatistas da Ucrânia. Em contrapartida, o governo da Síria é explícito ao reconhecer tais regiões controladas por separatistas, até mesmo sugerindo o envio de tropas. O governo Putin foi o maior aliado do governo de Bashar al-Assad durante a guerra civil na Síria, considerado fundamental para garantir a continuidade deste governo. A Rússia, inclusive, mantém bases militares no país.

O maior aliado do Estado russo é o Estado chinês, a despeito de posições cautelosas deste sobre a guerra diante de possíveis retaliações econômicas e políticas ocidentais. Rússia e China mantêm estreitas relações econômicas e militares, baseadas nas visões dos governantes sobre o Ocidente: uma ameaça e em declínio. Sobre a guerra na Ucrânia, os chineses advertiram que OTAN toma uma posição agressiva e não respeita o direito soberano de países de defender seu território. Além disso, rechaçaram as sanções contra a Rússia e as classificaram como ilegais.

Importante mencionar que Rússia e China são membros da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), organização econômica e militar fundada em 2001. A OCX é composta por oito Estados membros: Cazaquistão, China, Índia, Irã, Paquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão; e conta com três Estados observadores: Afeganistão, Belarus e Mongólia. Seus membros – alguns são potências nucleares – abrangem cerca de metade da população mundial e algo em torno de 30% do PIB mundial.

Outra relação digna de nota é a entre Rússia e Índia, que mantêm profícuas relações econômicas, com destaque para exportação russa de armas. Os indianos importam cerca de 80% do petróleo que consomem, mas pouco da Rússia. Com a alta do preço do barril, a Rússia está oferecendo petróleo e outras commodities com desconto, o que ajudar a reduzir o problema indiano de energia. Todos os Estados da OTSC, Síria, China e Índia não votaram na ONU a favor da resolução que condena o Estado russo.

Ressaltamos, ainda, que o governo russo oficializou que não aceitará pagamentos em dólares ou euros por petróleo e gás, enquanto Arábia Saudita, grande exportadora de petróleo e tradicional aliada dos EUA, está em negociações avançadas com a China para fixar o preço em yuan de parte de suas vendas. São golpes duros contra a dolarização de economia mundial.

Diante destes elementos (não exaustivos) apresentados, que sinalizam uma possível mudança de eixo da economia política mundial para a Ásia, o governo Biden propõe para as forças armadas estadunidenses um dos maiores investimentos militares da história, de US$ 813 bilhões para gastos em “defesa”. US$ 682 milhões seriam para a Ucrânia, com o intuito principal de combater os russos. Outros US$ 6,9 bilhões seriam destinados para a OTAN. Um sinal de que a potência suprema do capitalismo mundial vai lutar com ferro e sangue para manter seu status.

Na história do capitalismo transformações profundam acontecem no sistema internacional com processos políticos hecatômbicos, acompanhados de fome, a miséria e morte. A Guerra de Independência dos EUA, a Revolução Francesa e as Guerras Napoleônicas estabeleceram a supremacia mundial dos europeus, particularmente da Inglaterra. A Grande Guerra Mundial do Século XX (1914-1919/1939-1945) fez despontar os EUA como potência líder do Ocidente capitalista, enquanto que a Revolução Russa de 1917 e a Revolução Chinesa de 1949 projetaram seus Estados à condição de potências mundiais anticapitalistas.

As várias guerras imperialistas capitaneadas pelos estadunidenses na periferia do sistema internacional, como a Guerra no Afeganistão na década de 1980, e as intervenções da OTAN, como na Iugoslávia na década de 1990, e da ONU serviram para derrotar a URSS e alçar os EUA como única potência global no período recente, quase que incontestável, chefe e administradora do capitalismo mundial. Este, agora, parece estar em xeque e a guerra na Ucrânia demonstra elementos disso, de um processo de transição.

*Caio Bugiato é professor de ciência política e relações internacionais da UFRRJ e do programa de Pós-graduação em relações internacionais da UFABC.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Otaviano Helene Carla Teixeira Leonardo Sacramento Francisco Fernandes Ladeira Luiz Renato Martins Ronald Rocha Afrânio Catani Sandra Bitencourt Ricardo Fabbrini Renato Dagnino João Feres Júnior Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Airton Paschoa Lincoln Secco Thomas Piketty Salem Nasser Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Marcos Silva Jean Marc Von Der Weid Bernardo Ricupero Roberto Noritomi Jorge Luiz Souto Maior Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Rafael R. Ioris Roberto Bueno Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez Eleutério F. S. Prado Celso Frederico Valério Arcary Julian Rodrigues Érico Andrade Atilio A. Boron João Carlos Salles Eleonora Albano Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Vladimir Safatle Dênis de Moraes Eugênio Bucci José Dirceu Leonardo Avritzer Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Luiz Eduardo Soares João Paulo Ayub Fonseca Luiz Costa Lima Gerson Almeida Ricardo Abramovay Manchetômetro Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade Antonino Infranca Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Gabriel Cohn Priscila Figueiredo Marcus Ianoni Luiz Roberto Alves Leonardo Boff Paulo Martins Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. José Luís Fiori Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Whitaker Marilia Pacheco Fiorillo Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Valerio Arcary José Costa Júnior Jorge Branco João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento Mário Maestri André Márcio Neves Soares Maria Rita Kehl Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt Claudio Katz Ari Marcelo Solon Marcos Aurélio da Silva João Adolfo Hansen Heraldo Campos Liszt Vieira Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Annateresa Fabris Paulo Capel Narvai Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Ricardo Antunes Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Armando Boito José Geraldo Couto Luiz Bernardo Pericás Samuel Kilsztajn Bruno Machado Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho André Singer Eduardo Borges Igor Felippe Santos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernão Pessoa Ramos José Machado Moita Neto Carlos Tautz Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Lorenzo Vitral Milton Pinheiro Tales Ab'Sáber Michael Löwy Marilena Chauí Alysson Leandro Mascaro Michael Roberts Ronald León Núñez Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Henri Acselrad Flávio Aguiar Fábio Konder Comparato Vanderlei Tenório Antônio Sales Rios Neto Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada