As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O homem da areia

Maria Bonomi, Faber, xilogravura sobre papel, 118 x 80 cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário sobre a novela de E.T.A. Hoffmann.

O homem da areia, originalmente publicado em 1817, representa apenas uma das facetas da produção do escritor, compositor, empresário de teatro e advogado alemão Ernest Theodor Whilhelm (1776-1822). Tendo adotado o pseudônimo de E.T.A. Hoffmann, trocou o W de seu nome verdadeiro por A, em homenagem a Wolfgang Amadeus Mozart.

Ao longo de sua vida, Hoffmann fez muitas coisas. Entretanto, a atividade musical foi a ocupação que mais o fascinou, tendo deixado composições para ópera e uma série de artigos de crítica sobre Bach e Beethoven, entre outros. Advogou durante muitos anos, até ser afastado de um cargo oficial em razão de charges que publicou na imprensa e que foram consideradas desrespeitosas para com as autoridades. Só voltou às atividades jurídicas em 1814, tendo sido nomeado em 1816 consultor da Corte de Apelação.

Mas havia, também, a literatura. Na apresentação de uma das edições da novela (ed. Imago), Fernando Sabino ressalta que Hoffmann “se firmou como escritor com suas histórias de mistério e terror, que o tornaram conhecido e aclamado como um dos mais expressivos novelistas alemães”, chegando a influenciar, ao longo do tempo, grandes escritores, como Baudelaire, Maupassant, Poe, Wilde, Dostoievski, Álvares de Azevedo e Fagundes Varela.

O Homem da Areia reúne as principais características dos textos de Hoffmann: seu senso do grotesco, do mórbido, do fantástico, do sobrenatural. Nesta pequena novela, dividida em três partes – na verdade, três episódios – observa-se, com o desenrolar da história, a transmutação do narrador: este não é mais Natanael, Clara ou Lothar, tornando-se onisciente. A primeira parte tem início com Natanael contando a seu amigo Lothar acerca de alguns fantasmas que o acompanham desde a infância.

O mais terrível deles é o Homem da Areia, entendido por Natanael como “um homem mau, que vem procurar as crianças que não querem ir para a cama. Joga punhados de areia em seus olhos, que tombam ensanguentados, e os carrega para a lua para alimentar seus netinhos”. Ou seja, dificilmente haveria algo de mais horripilante para ficar entranhado na mente de uma criança. Além disso, Natanael responsabiliza o advogado Coppelius pela morte do pai – ambos, Coppelius e o pai, praticavam secretamente a alquimia. Natanael, posteriormente, convence-se de que Coppola, o mercador de barômetros, não era Coppelius travestido, chegando inclusive a afirmar: os dois “só existem em minha mente, fantasmas de meu próprio eu, e se transformarão em pó desde que eu os reconheça como pó”. Com o passar do tempo, porém, os eventos vão confirmando algumas das inquietações iniciais de Natanael.

Sem dúvida, a terceira parte da novela é a mais fascinante, pois é ali que as suspeitas de Natanael se concretizam. Há, também um inquietante relacionamento entre o personagem principal e um autômato, programado para executar quase todas as operações. Justamente esse autômato é o responsável pelo desfecho, de certo modo inesperado, da trama.

Fernando Sabino, na mencionada apresentação de O Homem da Areia, insiste em destacar a extraordinária intuição de Hoffmann ao penetrar nos domínios do subconsciente, não hesitando em classificá-lo como o “verdadeiro precursor das explorações da moderna psicologia”. Não sei se o texto de Hoffmann chega a tanto. Mas está repleto de situações que se encontram próximas do absurdo e da melhor literatura de terror existente – aquela que revive o Homem da Areia que está latente em cada um de nós.

*Afrânio Catani, professor aposentado na USP e professor visitante na UFF, é autor, entre outros, de Origem e Destino: pensando a sociologia reflexiva de Bourdieu (Mercado de Letras).

Publicado originalmente no extinto Jornal da Tarde, em 31 de outubro de 1986.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Jorge Branco Chico Whitaker Celso Favaretto Luiz Bernardo Pericás Luiz Roberto Alves Priscila Figueiredo Paulo Martins Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Antonio Martins Bernardo Ricupero João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade Leonardo Boff Flávio Aguiar Flávio R. Kothe Manchetômetro Luiz Marques Luiz Carlos Bresser-Pereira Anselm Jappe João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt José Machado Moita Neto Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek José Costa Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Singer Valério Arcary Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana Ricardo Abramovay Everaldo de Oliveira Andrade Roberto Noritomi Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Carla Teixeira Igor Felippe Santos Airton Paschoa Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Luiz Renato Martins Otaviano Helene José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani Dennis Oliveira Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Tarso Genro Celso Frederico Milton Pinheiro Julian Rodrigues Dênis de Moraes Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Claudio Katz Vladimir Safatle Eduardo Borges Ricardo Antunes Tales Ab'Sáber Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Samuel Kilsztajn Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Guimarães Lima Bento Prado Jr. Denilson Cordeiro Ronald Rocha André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Armando Boito Kátia Gerab Baggio Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva Ricardo Musse Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz José Geraldo Couto João Carlos Loebens Marcus Ianoni Boaventura de Sousa Santos Henry Burnett Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Juarez Guimarães Michael Roberts Bruno Machado Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Michael Löwy Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino Lorenzo Vitral Chico Alencar Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Gerson Almeida Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Luiz Werneck Vianna Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Leda Maria Paulani Marilena Chauí Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Annateresa Fabris Eugênio Trivinho Liszt Vieira Fernando Nogueira da Costa Leonardo Avritzer José Dirceu José Luís Fiori Valerio Arcary Salem Nasser Gilberto Lopes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Sandra Bitencourt Eleonora Albano Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona João Feres Júnior Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Costa Paulo Capel Narvai Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Maria Rita Kehl Roberto Bueno Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento João Lanari Bo Vanderlei Tenório Andrew Korybko Antonino Infranca Heraldo Campos Luiz Eduardo Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada