As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O (neo)liberal, o conservador, o destruidor

Wols (Alfred Otto Wolfgang Schulze), [sem título], 1988
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

A falta de civilidade juntou-se a canalhice dos atos e à desfaçatez no discurso

De vez em quando, a gente precisa vir a público para reiterar o óbvio. Hoje cedo, deslizando pelo feed de uma rede social, topei com uma página (patrocinada) que se autointitula conservadora. A publicação anunciava uma motociata protagonizada pelo inominável no Rio Grande do Norte, no pior estilo Mussolini. Afora o incômodo de ver o sujeito na tela a sorrir e acenar de cima de uma pick-up (símbolo maior do agronegócio), o pior foi constatar que cinquenta e uma mil pessoas haviam referendado a postagem com likes (o alento seria creditar a maior parte à ação de robots).

Após dois ou três segundos, a primeira providência foi denunciar o spam. A segunda, bloquear a página. A terceira, postar um mini-desabafo na mesma rede social, sugerindo que a autodenominação “conservador” não se aplica a quem não tem projeto algum para o país e, independentemente da efetiva classe social a que pertence, odeia o “povo”, detona qualquer forma de assistência e enxerga aos adversários como inimigos mortais. Sim, porque nomear os sujeitos que estão a fazer cosplay de fascistas de “conservadores” é um senhor eufemismo: eles são destruidores.

Longe de mim defender (neo)liberais e “conservadores”: essa gente torpe, careta, hipócrita e fominha que, em nome de abstrações quaisquer (religião, moral, tradição, costume, hierarquia) enxerga o “seu” bairro, a “sua” cidade e o “seu” país, onde (não) vive, como se fosse território particular e exclusivo. A questão é que, pelo menos desde 2013, este pseudopaís, esta república fake resolveu concentrar e expelir tudo o que há de biliar sob a forma de “protestos” acéfalos que serviram aos despropósitos de setores financiados por fundações e megaempresas internacionais (ou alinhadas com o ultraliberalismo endógeno). Haja chá de boldo para quem é capaz de ressentir as dores próprias e alheias.

Não custa lembrar outro fenômeno: os setores da população que idolatram um mitômano, supondo participar (com benesses) do seu canhestro rebanho, agem de modo muito similar aos “patriotas” que vendem o corpo dos habitantes e a alma do território nacional a especuladores bilionários, quase sempre sediados nos países-potência. É como se a sina da “pátria” fosse se submeter ad infinitum aos demais por conta de uma impotência crônica (perdão: não me refiro a qualquer campanha em favor de próteses penianas, quanto menos ao “discurso” monstruoso, “proferido” no último Sete de Setembro).

A impostura do mandatário dialoga com a arrogância dos seus eleitores. Até pouco tempo, a obsessão pela distinção social era um traço que moldava as chamadas classes médias. O que assistimos, agora, é uma pantomima feita por uma massa de pessoas em condições mais ou menos humildes que parecem necessitar de uma figura abjeta como pai (Freud explicou o primitivismo da religião patriarcal e monoteísta em O Futuro de uma Ilusão). Resta saber a que “conservação” os destruidores e seus cúmplices se referem: seria ingenuidade supor que eles se limitariam a manter as coisas ruins tal como já estão.

Lastimemos. A falta de civilidade juntou-se a canalhice dos atos e à desfaçatez no discurso. Eles que não me venham falar em “bons-costumes”, “liberdade” e justiça” – três quimeras que aqui nunca houve. Sob seu guarda-chuva de cristal forrado de hipocrisia, em nome de um deus que contempla (imóvel como sempre) a lama, a fome, a associação com as milícias, a retirada de direitos, o negócio predatório e a corrupção, a tarefa de contradizê-los e atirar pedras seria ainda mais fácil.

Do caixa dois aos imóveis comprados com “dinheiro vivo”, passando pelas rachadinhas, negociatas no congresso, depósitos e cheques milionários de terceiros, é uma afronta que os seguidores do Führer subtropical estejam a elogiar a “sinceridade” do mitômano e a “denunciar” qualquer forma de corrupção (moral e financeira) que não seja a deles mesmos.

Nem perderei tempo em recordar as seiscentas e sessenta mil mortes, que poderiam ter sido evitadas se a vida fosse mais importante que a megalomania e egoísmo do sabemos-muito-bem-quem.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Mil, uma distopia (Luva Editora).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Fernão Pessoa Ramos Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Abramovay Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Antonino Infranca Luiz Marques Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Érico Andrade Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Salem Nasser Airton Paschoa Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Roberto Bueno Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Eleutério F. S. Prado Vinício Carrilho Martinez Lucas Fiaschetti Estevez Eleonora Albano José Machado Moita Neto Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu José Geraldo Couto Afrânio Catani Juarez Guimarães Flávio Aguiar Roberto Noritomi Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Valério Arcary Paulo Martins Tarso Genro Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Michael Roberts Sandra Bitencourt Milton Pinheiro Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Luciano Nascimento Carlos Tautz Bernardo Ricupero Anselm Jappe Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Bruno Machado Armando Boito Jorge Branco Bento Prado Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos Chico Whitaker Eliziário Andrade Marcus Ianoni Henri Acselrad Celso Favaretto Henry Burnett André Singer Gerson Almeida Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Módolo Annateresa Fabris Caio Bugiato Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Mário Maestri Julian Rodrigues Atilio A. Boron Ricardo Fabbrini Berenice Bento João Carlos Salles Gabriel Cohn Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Claudio Katz Luiz Bernardo Pericás Dennis Oliveira Luís Fernando Vitagliano Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Michael Löwy Andrew Korybko Ricardo Musse Denilson Cordeiro José Costa Júnior Ladislau Dowbor Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Alysson Leandro Mascaro Ronald León Núñez João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Eduardo Borges Carla Teixeira Valerio Arcary Daniel Afonso da Silva Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Luiz Costa Lima Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Dênis de Moraes Thomas Piketty Chico Alencar José Luís Fiori Heraldo Campos Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada