O (neo)liberal, o conservador, o destruidor

Wols (Alfred Otto Wolfgang Schulze), [sem título], 1988
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

A falta de civilidade juntou-se a canalhice dos atos e à desfaçatez no discurso

De vez em quando, a gente precisa vir a público para reiterar o óbvio. Hoje cedo, deslizando pelo feed de uma rede social, topei com uma página (patrocinada) que se autointitula conservadora. A publicação anunciava uma motociata protagonizada pelo inominável no Rio Grande do Norte, no pior estilo Mussolini. Afora o incômodo de ver o sujeito na tela a sorrir e acenar de cima de uma pick-up (símbolo maior do agronegócio), o pior foi constatar que cinquenta e uma mil pessoas haviam referendado a postagem com likes (o alento seria creditar a maior parte à ação de robots).

Após dois ou três segundos, a primeira providência foi denunciar o spam. A segunda, bloquear a página. A terceira, postar um mini-desabafo na mesma rede social, sugerindo que a autodenominação “conservador” não se aplica a quem não tem projeto algum para o país e, independentemente da efetiva classe social a que pertence, odeia o “povo”, detona qualquer forma de assistência e enxerga aos adversários como inimigos mortais. Sim, porque nomear os sujeitos que estão a fazer cosplay de fascistas de “conservadores” é um senhor eufemismo: eles são destruidores.

Longe de mim defender (neo)liberais e “conservadores”: essa gente torpe, careta, hipócrita e fominha que, em nome de abstrações quaisquer (religião, moral, tradição, costume, hierarquia) enxerga o “seu” bairro, a “sua” cidade e o “seu” país, onde (não) vive, como se fosse território particular e exclusivo. A questão é que, pelo menos desde 2013, este pseudopaís, esta república fake resolveu concentrar e expelir tudo o que há de biliar sob a forma de “protestos” acéfalos que serviram aos despropósitos de setores financiados por fundações e megaempresas internacionais (ou alinhadas com o ultraliberalismo endógeno). Haja chá de boldo para quem é capaz de ressentir as dores próprias e alheias.

Não custa lembrar outro fenômeno: os setores da população que idolatram um mitômano, supondo participar (com benesses) do seu canhestro rebanho, agem de modo muito similar aos “patriotas” que vendem o corpo dos habitantes e a alma do território nacional a especuladores bilionários, quase sempre sediados nos países-potência. É como se a sina da “pátria” fosse se submeter ad infinitum aos demais por conta de uma impotência crônica (perdão: não me refiro a qualquer campanha em favor de próteses penianas, quanto menos ao “discurso” monstruoso, “proferido” no último Sete de Setembro).

A impostura do mandatário dialoga com a arrogância dos seus eleitores. Até pouco tempo, a obsessão pela distinção social era um traço que moldava as chamadas classes médias. O que assistimos, agora, é uma pantomima feita por uma massa de pessoas em condições mais ou menos humildes que parecem necessitar de uma figura abjeta como pai (Freud explicou o primitivismo da religião patriarcal e monoteísta em O Futuro de uma Ilusão). Resta saber a que “conservação” os destruidores e seus cúmplices se referem: seria ingenuidade supor que eles se limitariam a manter as coisas ruins tal como já estão.

Lastimemos. A falta de civilidade juntou-se a canalhice dos atos e à desfaçatez no discurso. Eles que não me venham falar em “bons-costumes”, “liberdade” e justiça” – três quimeras que aqui nunca houve. Sob seu guarda-chuva de cristal forrado de hipocrisia, em nome de um deus que contempla (imóvel como sempre) a lama, a fome, a associação com as milícias, a retirada de direitos, o negócio predatório e a corrupção, a tarefa de contradizê-los e atirar pedras seria ainda mais fácil.

Do caixa dois aos imóveis comprados com “dinheiro vivo”, passando pelas rachadinhas, negociatas no congresso, depósitos e cheques milionários de terceiros, é uma afronta que os seguidores do Führer subtropical estejam a elogiar a “sinceridade” do mitômano e a “denunciar” qualquer forma de corrupção (moral e financeira) que não seja a deles mesmos.

Nem perderei tempo em recordar as seiscentas e sessenta mil mortes, que poderiam ter sido evitadas se a vida fosse mais importante que a megalomania e egoísmo do sabemos-muito-bem-quem.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Mil, uma distopia (Luva Editora).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES