O saldo da manifestação de domingo

Imagem: Jéshoots
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SÉRGIO E. FERRAZ*

O recado do domingo da Ustrapalooza é na prática, endereçado, principalmente, a Tarcísio de Freitas, Romeu Zema, Ronaldo Caiado e a Michele Bolsonaro

Qual o saldo líquido para Jair Bolsonaro do ato de domingo? Basicamente, mostrar, para os que disputam seu espólio, que ele continua sendo, de longe, a principal liderança do campo da direita e que, se quiserem contar com seu apoio, em eleições futuras, deverão inserir em suas plataformas uma proposta de anistia, que o inclua, naturalmente.

O recado do domingo da Ustrapalooza é, portanto, na prática, endereçado, principalmente, a Tarcísio de Freitas, Romeu Zema, Ronaldo Caiado e a Michele Bolsonaro.

Não é por certo o que Jair Bolsonaro desejaria, mas é o que está ao seu alcance no presente momento: mostrar capacidade de mobilização e “fidelizar” eventuais herdeiros, evitando perda precoce de controle do campo da direita. Em especial, exigir a cláusula da anistia como condição de apoio. Pela enésima vez em sua carreira, o ex-capitão busca, quando acuado, em primeiro lugar, salvar a própria pele e se isentar de responsabilidades. Desde Gandu, nenhuma surpresa.

Outros objetivos, mais ambiciosos, como intimidar o STF e evitar sua prisão, ou criar uma situação em que, no Congresso, se produzisse uma maioria capaz de aprovar, desde já, medidas, que garantissem sua impunidade e a do seu círculo mais próximo, dependeriam da capacidade da extrema direita de mostrar força para subverter a ordem pública e virar a mesa. Ou no mínimo para desestabilizar fortemente o processo político. A manifestação de domingo, embora de grande porte, com quase 200 mil participantes, claramente está longe de representar ameaça dessa natureza.

Na verdade, essa força, no limite capaz de levar a uma ruptura de regime, foi exatamente o que Jair Bolsonaro e seu grupo demonstraram não possuir durante todo o mandato presidencial e, em especial, nos meses finais que desembocaram no fracassado putsch de 08 de janeiro de 2023, a despeito de todos os esforços realizados e que agora estão vindo à luz com as investigações.

Não tiveram essa força quando estavam no poder. Por óbvio, agora possuem muito menos capacidade de desestabilização. E é por isso que a intimidação ao Judiciário e a capacidade de pautar o Congresso para obter anistia imediata são metas fora do horizonte concreto hoje do bolsonarismo.

Para o infortúnio de Jair Bolsonaro, entre outros fatores, seus propósitos pessoais continuam divorciados dos objetivos de curto e médio prazo das Forças Armadas. Antes da troca de guarda no Planalto, a maior parte do Alto Comando do Exército provavelmente entendeu que tinha mais a perder do que a ganhar com um golpe bolsonarista, evitando assim sua consumação, em que pese as pressões existentes. Não toparam trocar uma posição orçamentária e salarial privilegiada pela subordinação a um extremista que atuaria, a partir da ruptura, livre das amarras do Estado de Direito.

Depois da ascensão de Lula, ou seja, no cenário atual, com as investigações em curso acumulando evidências da trama golpista, faz parte das intenções dos chefes militares usar a prisão de Jair Bolsonaro e seus generais como prova (duvidosa, decerto) de que a corporação se pautou pela legalidade. De novo, os propósitos de Jair Bolsonaro e caterva se chocam com o cálculo das Forças Armadas, tirando credibilidade de eventuais ameaças que possa ensaiar fazer.

Em suma, o domingo da terceira-idade reacionária na avenida Paulista terminou sem alterar em nada as chances de Jair Bolsonaro e sua turma sofrerem a devida responsabilização penal. A crer no que dizem alguns juristas e a Polícia Federal, sua fala contribuiu na verdade para piorar sua situação, evidenciando seu pleno conhecimento das minutas que buscavam dar tintas legais ao golpe em curso. A perspectiva de uma anistia em um futuro distante, com muitos “ses” e “senões” no meio do caminho, é tudo com que Jair Bolsonaro pode contar hoje.

PS: Muitos analistas destacam o caráter religioso do evento. Estão corretos. Esse crescimento da dimensão religiosa parece decorrer do recuo, na coalizão que sustentou Jair Bolsonaro nos últimos anos, dos setores militares e empresariais, que buscam, por vias diversas, e por motivos distintos, se adaptar às novas circunstâncias. Por isso, o bolsonarismo e a extrema direita tendem a se vestir com roupagens ainda mais fortemente religiosas no futuro próximo. Isso deveria estimular no Planalto e na esquerda as buscas – até aqui pouco frutíferas – de pontes com os evangélicos. Mas isso já é outra estória.

*Sérgio Eduardo Ferraz é doutor em ciência política pela USP.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES