Povos escolhidos

Imagem: Eva Anggar
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ LUÍS FIORI*

Afragmentação e a radicalização avançam na geopolítica mundial, estando presentes até mesmo em sociedades que pareciam imunes a este tipo de fundamentalismo religioso

“Agradecemos a Deus pela bomba atômica ter vindo para nós, e não para os nossos inimigos; e oramos para que Ele possa nos guiar para usá-la em Seus caminhos, e para Seus propósitos” (Presidente Harry, S. Truman, citado em Perry Anderson, A política externa norte-americana e seus teóricos, Boitempo, p. 42).

Do ponto de vista estritamente lógico, é impossível de imaginar um Deus que seja único e absoluto, e que ao mesmo tempo faça escolhas de qualquer tipo que seja. Mas esta ideia da monopolização unilateral da “vontade divina”, por alguns povos, parece ser muito antiga e persistente, sobretudo entre os que professam religiões monoteístas.

O exemplo mais conhecido talvez seja o do povo hebreu, como aparece descrito num dos cinco livros de Moises, o Êxodo: “Então Javé chamou a Moisés e lhe disse: agora, se ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis para mim uma propriedade peculiar entre todos os povos, porque a terra é minha. Vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa” (Êxodo, 19).

Mas esta mesma convicção pode ser encontrada no Zoroastrismo, e na relação preferencial de Ahura Mazda com o povo persa e com o Império Aquemênida, da Ciro, Dario e seus descendentes; na relação de Alá, com os sucessivos impérios islâmicos, desde o século VII d.C; ou na relação do Deus cristão com os povos europeus e seu projeto de expansão e conversão do mundo, a partir do século XVI.

E esta mesma ideia está por trás da certeza norte-americana a respeito do seu “destino manifesto” a liderar a humanidade. Uma visão construída pelos seus “founding fathers”, e que permanece viva até hoje, como se pode ler na epígrafe do presidente Harry Truman; ou na ideia do presidente John Kennedy, de que “os EUA deviam seguir em frente para liderar a terra… sabedores de que aqui na Terra a obra de Deus deve, em verdade, ser obra nossa”; ou ainda, na certeza do presidente G. W. Bush, de que “a nação americana foi escolhida por Deus e comissionada pela história para ser um modelo para o mundo”.

Esta monopolização da “verdade divina” pode ser absurda do ponto de vista lógico, mas de fato se transformou numa “ideia-força” que cumpriu um papel decisivo através de toda a história humana, tanto dos “povos escolhidos’, como dos “povos não escolhidos” por Deus.

Sem esta imagem de si mesmo, talvez o povo hebreu não tivesse conseguido resistir ao assédio dos assírios, dos romanos e de tantos outros povos mais poderosos, superando seu sentimento milenar de inferioridade e de cerco; os persas não tivessem conquistado seu gigantesco império de oito milhões de quilômetros quadrados, na África, Europa e Ásia, o Islã não tivesse se expandido de forma tão continua e vitoriosa, a partir do século VII; e os europeus não tivessem conseguido impor sua dominação colonial ao redor do mundo, a partir do século XVI.

Sempre movidos pela mesma certeza ética que levou George Kennan a afirmar, olhando para a destruição alemã, depois da Segunda Guerra Mundial, “que ele se tranquilizava com o fato de que os EUA tivessem sido os escolhidos pelo Todo-Poderoso para ser os agentes daquela destruição”.

Nesta história, entretanto, é fundamental distinguir o papel decisivo das religiões na construção das civilizações humanas, da sua monopolização e instrumentalização pelos poderes territoriais e pelos grupos humanos que se autoproclamam superiores e com o direito exclusivo a impor os seus valores aos demais que forem sendo submetidos, convertidos ou exterminadas pelo avanço e pela “tranquilidade ética” dos “povos escolhidos”.

Esta visão unilateral e monopolista da “escolha divina” sempre esteve – e segue estando – por trás de todos os fundamentalismos religiosos responsáveis pela demonização, pela desqualificação, pela humilhação, e pela exclusão de todos os que pensam diferente. Uma radicalização que parece se repetir através da história, em todos os grandes momentos de ruptura e ”perda de horizonte” por parte da humanidade, como está acontecendo de novo, neste início do século XXI.

Depois do fim da Guerra Fria, e em particular nesta terceira década do século XXI, os EUA estão vivendo um momento sem precedente de fragmentação do seu establishment, do seu sistema político e da sua sociedade mobilizada por um fundamentalismo religioso cada vez mais agressivo e excludente. E o mesmo está acontecendo na Europa, onde o esvaziamento ideológico do projeto de unificação abriu portas para um aumento contínuo da intolerância dentro do seu próprio território e dentro de toda sua antiga zona de dominação colonial, em particular no Grande Oriente Médio.

Um panorama regional que se agrava ainda mais com o distanciamento recente entre EUA e Israel, dois povos que se consideram “escolhidos” e que compartilham a mesma genealogia divina. Mas esta fragmentação e esta radicalização não se restringem mais a estes pontos estratégicos da geopolítica mundial, e tem avançado mesmo em sociedades que pareciam imunes a este tipo de fundamentalismo e que agora aparecem divididas pela intolerância e pela proposta explicita de negação do diálogo e da convivência, e de exclusão – muitas vezes – da própria pessoa física dos adversários.

Como é o caso mais recente da sociedade brasileira, que até hoje se considerava “cordial”, e apenas “abençoada por Deus”. Frente a esta situação que tende a se agravar em todo mundo só cabe resistir à intolerância com a tolerância, à irracionalidade com a razão, ao fanatismo com a tranquilidade dos que sabem que não existem os “escolhidos” nem existem pessoas superiores aos demais. Junto com a defesa intransigente, no plano internacional, de que chegou a hora de enterrar de uma vez por todas, na relação entre as nações, a fantasia arrogante e absurda dos “povos escolhidos” por Deus.[1]

*José Luís Fiori é professor emérito da UFRJ. Autor, entre outros livros, de O poder global e a nova geopolítica das nações (Boitempo). [https://amzn.to/3RgUPN3]

Nota


[1] Este artigo foi publicado pela primeira vez em fevereiro de 2015, no jornal Valor Econômico, com o título “As escolhas divinas”.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald Rocha Érico Andrade Eduardo Borges Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Renato Dagnino José Luís Fiori Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Eleonora Albano Everaldo de Oliveira Andrade Fábio Konder Comparato Daniel Afonso da Silva João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Freitas Barbosa Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn André Singer Manchetômetro Eliziário Andrade José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Ricardo Antunes Claudio Katz Bernardo Ricupero Valerio Arcary Marcelo Módolo Heraldo Campos Marilena Chauí Ricardo Fabbrini Priscila Figueiredo Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar Boaventura de Sousa Santos Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima Leonardo Sacramento Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser Andrew Korybko Daniel Brazil José Dirceu Anselm Jappe Tadeu Valadares Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Daniel Costa Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Elias Jabbour Berenice Bento Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão Caio Bugiato Leonardo Avritzer Michel Goulart da Silva José Raimundo Trindade Liszt Vieira Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Vladimir Safatle Dênis de Moraes Paulo Capel Narvai Bruno Machado Antonio Martins Henri Acselrad Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Armando Boito André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Eleutério F. S. Prado Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rodrigo de Faria Julian Rodrigues João Feres Júnior Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Luiz Werneck Vianna Andrés del Río Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Anderson Alves Esteves Antônio Sales Rios Neto Jorge Branco Luis Felipe Miguel Celso Favaretto José Geraldo Couto Gilberto Maringoni Mário Maestri Osvaldo Coggiola Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Trivinho Ari Marcelo Solon Leonardo Boff Antonino Infranca Marjorie C. Marona Henry Burnett Tarso Genro Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Luiz Marques Ladislau Dowbor Remy José Fontana Juarez Guimarães Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Musse João Carlos Salles Vanderlei Tenório Mariarosaria Fabris Lincoln Secco Otaviano Helene Michael Löwy João Paulo Ayub Fonseca João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida Luiz Roberto Alves Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada