O socialismo do século XXI

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Na China, mercado e planejamento são parte de uma totalidade, não opostos que se repelem

Alguns dados espantam. Nesse exato momento cerca de dois milhões de engenheiros e economistas estão trabalhando freneticamente em algum órgão público chinês com a missão que vai além de elaborar e executar projetos. Sobre seus ombros repousam as tarefas de garantir autossuficiência tecnológica ao país e, de forma simultânea, garantir que 13 milhões de empregos urbanos sejam criados todos os anos. Além de uma clara combinação entre ciência e arte, trata-se de um interessante retrato de uma engenharia social de novo tipo.

Esta engenharia social pode ser observada como uma nova classe de formações econômico-sociais que emerge na China com o advento das reformas econômicas de 1978, momento aquele em que as reformas rurais levaram o socialismo chinês se reinventar através de instituições de mercado. Desde então mercado e plano na China são parte de uma totalidade, não opostos que se repelem. Nossas pesquisas apontam que a dinâmica deste “socialismo de mercado” é baseada em ondas de inovações institucionais que levaram, por exemplo, à formação de um poderoso núcleo produtivo e financeiro de caráter público (96 grandes conglomerados empresariais estatais sob coordenação da SASAC [Comissão de Supervisão e Administração de Ativos Estatais do Conselho de Estado] e a cerca de 30 bancos de desenvolvimento). Um pujante setor privado não passa de ancilar e receptor dos efeitos de encadeamento gerados pelo core estatal da economia.

Duas questões ao debate: existe na história nenhum país que sob os cuidados de seu Estado Nacional está o papel de coordenar a execução de milhares de projetos simultaneamente, desde uma ponte até grandes plataformas do nível de um computador quântico? Seria alguma heresia afirmar que nenhum país que tenha uma economia baseada na propriedade privada e uma democracia ocidental seria capaz de realizar algo próximo do que os chineses estão realizando?

Às duas questões a resposta é não. O poder político do Partido Comunista e a hegemonia da propriedade pública sobre a grande produção são explicação mais plausível à capacidade do Estado chinês de entregar o que promete. Inclui-se neste pacote histórico o enfrentamento às grandes contradições surgidas como resultado de seu processo de desenvolvimento. Não interessa a ninguém esconder os problemas sociais e ambientais chineses, diga-se de passagem. Afinal não seria o processo de desenvolvimento algo caracterizado por saltos, de um ponto de desequilíbrio a outro?

Neste sentido, o que seria o “socialismo do século XXI”? O conceito se manifesta do movimento real. Ou seja, a forma histórica que emerge da experiência chinesa é um mix entre uma democracia não-liberal e surgimento de novas e superiores formas de planificação econômica. À disposição dos citados dois milhões de profissionais estão inovações tecnológicas disruptivas como o 5G, o Big Data, a inteligência artificial. Nunca, em nenhum momento da história humana, as condições à construção consciente do futuro estiveram presentes em um mesmo lugar.

O fim da pobreza extrema, a melhoria constante das condições de vida de seu povo e ambiciosos planos em matéria de redução de emissões de carbono expressam uma forma histórica caraterizada pela transformação da razão em instrumento de governo. Eis a forma histórica sintetizada na experiência chinesa: o “socialismo do século XXI”, expressão embrionária de um projeto emancipatório e civilizacional, tem na China sua forma histórica mais completa. Uma sociedade amplamente guiada pela ciência. Neste aspecto o socialismo enquanto “razão no comando” é interessante contraponto ao irracionalismo por detrás da ascensão da extrema-direita justamente no coração da civilização ocidental, supostamente “superior”.

*Elias Jabbour é professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É autor, entre outros livros, junto com Alberto Gabriele, de China: o socialismo do século XXI (Boitempo).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, em 19 de dezembro de 2021.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Celso Favaretto Rubens Pinto Lyra Valerio Arcary Matheus Silveira de Souza Ronald León Núñez Leonardo Boff Ronald Rocha Claudio Katz Alexandre Aragão de Albuquerque Chico Whitaker Eliziário Andrade Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Eleonora Albano Andrew Korybko Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Leonardo Sacramento Marjorie C. Marona Annateresa Fabris Fábio Konder Comparato Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt Marilena Chauí Vladimir Safatle Gilberto Lopes Mariarosaria Fabris Marcelo Guimarães Lima Michael Löwy Jorge Branco Ricardo Fabbrini Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser Heraldo Campos Lincoln Secco Alexandre de Lima Castro Tranjan Julian Rodrigues Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Luciano Nascimento Vanderlei Tenório Daniel Costa Flávio R. Kothe João Carlos Loebens Carlos Tautz José Micaelson Lacerda Morais André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Elias Jabbour Luís Fernando Vitagliano Luiz Roberto Alves Gerson Almeida Antonio Martins Alexandre de Freitas Barbosa Berenice Bento Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri João Carlos Salles Thomas Piketty Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Paulo Fernandes Silveira Antonino Infranca Eduardo Borges Airton Paschoa Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Remy José Fontana Celso Frederico Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Flávio Aguiar Armando Boito José Geraldo Couto Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Valerio Arcary Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Michel Goulart da Silva Ricardo Abramovay Luiz Marques José Raimundo Trindade Anselm Jappe Rodrigo de Faria Michael Roberts José Luís Fiori Ricardo Antunes Milton Pinheiro Paulo Capel Narvai Ronaldo Tadeu de Souza Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Marcelo Módolo Francisco Pereira de Farias José Costa Júnior Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Carla Teixeira João Lanari Bo Fernando Nogueira da Costa Caio Bugiato Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Tales Ab'Sáber Francisco de Oliveira Barros Júnior Maria Rita Kehl Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Liszt Vieira Renato Dagnino Andrés del Río Tarso Genro Dennis Oliveira Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil João Feres Júnior Marcus Ianoni Juarez Guimarães Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Otaviano Helene Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Igor Felippe Santos Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Gabriel Cohn José Dirceu José Machado Moita Neto Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES