As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A colmeia digital

Imagem: Cottonbro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO LOUÇÃ*

A inteligência artificial torna a humanidade mais estúpida

Imagine que no Natal venha a estar disponível uma aplicação que lhe permite fazer a sua própria música a partir de uma mistura de alguns acordes de Sérgio Godinho e José Afonso, poemas da Garota Não e de Fausto Bordalo Dias e uns arranjos de José Mário Branco. Tudo possível ao carregar simplesmente num botão. Haverá direitos de autor que foram extorquidos?

Nada daquilo será de sua lavra, mas boa sorte para quem tentar disputar em tribunal a precedência artística, será dificilmente identificável a inspiração de cada uma das componentes da mistura – e a aplicação pode fazer duas diferentes com os mesmos ingredientes em segundos. A indústria musical pode transmutar-se no futuro imediato e a produção artística pode esgotar-se nesse processo. Esta possibilidade suscita várias questões difíceis.

Produção e meios de produção

A primeira questão é que o meio de produção é novo. A música que sairá dessa aplicação será, ainda assim, um produto cultural, mas é uma nova forma de cultura, que eleva o pastiche, além do roubo da propriedade intelectual, a um novo patamar. A arte, neste caso, será só o simulacro da arte.

Então, produzir-se-á mais não se produzindo nada e a cultura será uma forma de incultura e a inspiração uma artimanha. Para combater este risco, diversos escritores processaram as empresas que oferecem aplicações de inteligência artificial – e há hoje uma corrida nesse mercado – por terem treinado os seus algoritmos com textos seus sem autorização. Piratearam para ensinar um programa a piratear.

As implicações deste sistema são gerais. Antes mesmo da aplicação que estou a imaginar que finja que somos bons músicos, já há uma que permite fingir que se é um escritor, como o ChatGPT. Há já literatura escrita deste modo nas livrarias. E há um pânico nas escolas entre quem se tinha empenhado em estimular a criatividade, pedindo aos alunos que escrevessem ensaios, investigassem e fundamentassem uma opinião, em vez do exame de cruzes. Tudo isso acabou, passou a ser indistinguível um trabalho sério e um ficheiro cuspido por um algoritmo. O sistema de ensino readaptar-se-á recuando ao tempo da chamada oral.

Produção e regulação

A segunda questão é o próprio modo de produção. A sociedade moderna regula a forma de construir um automóvel ou outra máquina: há materiais aceitáveis e outros recusados, os processos são patenteados e verificáveis. Em contrapartida, produzem-se agora algoritmos inverificáveis, o meio de produção cultural do século XXI. Aplicados à criação de artefatos, sejam textos, ou músicas, ou jogos, o seu modo de tomar decisões não é escrutinável: é como se fôssemos proibidos de saber como funciona a caixa de velocidades do automóvel.

O que tem sido mais discutido é como este poder algorítmico gera comunidades autocentradas e recompensa a escalada da agressividade emocional, de que os discursos de ódio são felizes utilizadores. De facto, a hipercomunicação impede os modos conhecidos de intermediação, supera em rapidez qualquer tentativa de confirmação ou desmentido e é direcionável por uma caixa negra que, ao contrário dos outros meios de produção que existem na sociedade moderna, é extralegal, e, portanto, está acima do alcance da regulação.

Mas há outra das suas facetas que começa a merecer atenção: a ambição de nos absorver num mundo virtual que ocupe a nossa vida desde crianças (no Reino Unido, um quarto das crianças até aos quatro anos tem o seu aparelho para ver streaming). O projeto Metaverso esmoreceu, mas foi só o primeiro lance deste jogo.

E, na verdade, a imersão na colmeia digital já conseguiu resultados potentes. A vida virtual é uma ansiedade, altera-nos a noção de tempo, promove a multiplicidade de tarefas e impõe a necessidade de uma sociabilidade reconfortante pela trivialização da comunicação permanente. Na base dessa transição está a colonização da nossa capacidade de leitura e de concentração. A University College de Londres concluiu agora um estudo de cinco anos sobre os hábitos de leitura a partir do registo das pesquisas feitas por milhões de utilizadores em duas grandes bibliotecas, que oferecem acesso a jornais, textos online e outros recursos digitais.

A conclusão é esmagadora: os leitores já não leem, saltitam, ou seja, são conduzidos pelo algoritmo. Usam uma página ou duas de uma fonte, seguem para outro texto, e isto “são sinais de uma nova forma de leitura, em que os utilizadores buscam horizontalmente através de títulos e procuram resultados imediatos. É como se estivessem online para evitar ler no sentido tradicional”, dizem os autores do estudo.

Por esta razão, a Suécia vai deixar de usar manuais escolares online, pois as crianças precisam de aprender a ler um livro. O diretor de Educação da OCDE acrescenta que “quanto maior e mais frequente for a utilização da tecnologia digital na sala de aula, pior será o desempenho dos alunos [até] no teste de leitura digital”. Assim, o meio de produção condiciona a nossa forma de aprender e de pensar, não só na formatação da linguagem como também da nossa memória e imaginação.

As aplicações que parecem oferecer-nos um produto cultural, enganando os nossos amigos, quanto às nossas capacidades musicais, ou os professores, quanto ao estudo, estão de facto a mudar o nosso padrão de atenção e a nossa capacidade de expressão. A inteligência artificial está a mudar a humanidade, tornando-a mais estúpida.

*Francisco Louçã é economista, foi coordenador do Bloco de esquerda de Portugal (2005-2012). Autor, entre outros livros, de A maldição de Midas: a cultura do capitalismo tardio (Cotovia).

Publicado originalmente no jornal Expresso.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Denilson Cordeiro Manchetômetro Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Kátia Gerab Baggio Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira José Costa Júnior Vanderlei Tenório Rafael R. Ioris Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento Remy José Fontana Everaldo de Oliveira Andrade Chico Alencar Antonio Martins Eugênio Bucci Vladimir Safatle Paulo Martins Marilena Chauí Henry Burnett Mariarosaria Fabris Thomas Piketty Anderson Alves Esteves Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Tarso Genro José Luís Fiori Liszt Vieira João Carlos Loebens Ronaldo Tadeu de Souza Michael Löwy Andrew Korybko Tadeu Valadares Celso Frederico Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Érico Andrade Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Mário Maestri Marjorie C. Marona Vinício Carrilho Martinez Ricardo Musse Luiz Eduardo Soares Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos João Carlos Salles Ricardo Abramovay Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Celso Favaretto Atilio A. Boron Carlos Tautz Annateresa Fabris Luiz Marques Jorge Branco Maria Rita Kehl Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Carla Teixeira Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr Milton Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Jean Marc Von Der Weid Rodrigo de Faria Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan Heraldo Campos Marilia Pacheco Fiorillo Sandra Bitencourt Anselm Jappe Roberto Noritomi Jean Pierre Chauvin Paulo Capel Narvai Walnice Nogueira Galvão Leonardo Avritzer Berenice Bento Renato Dagnino Lorenzo Vitral Caio Bugiato Marcos Silva Bernardo Ricupero Marcos Aurélio da Silva Leonardo Boff Roberto Bueno Afrânio Catani André Singer Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Juarez Guimarães Daniel Brazil Bruno Machado Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour José Geraldo Couto Claudio Katz Gilberto Lopes Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Gerson Almeida Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Daniel Afonso da Silva Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano José Raimundo Trindade Marcus Ianoni Salem Nasser José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira José Machado Moita Neto Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Chico Whitaker Michael Roberts Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Eleonora Albano Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Flávio Aguiar Airton Paschoa João Lanari Bo Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valério Arcary Eliziário Andrade João Feres Júnior Daniel Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada