As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Hegemonia regional

Imagem: Imprensa AgruBan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LÍVIA PERES MILANI, LUCIANA WIETCHIKOSKI & ANA PENIDO*

Por que os militares “americanos” estão treinando na nossa Amazônia?

Anunciado com surpresa pela mídia brasileira em geral, entre os dias 6 e 16 de novembro, 294 militares do Exército dos Estados Unidos (EUA) passaram por Belém, Macapá e Oiapoque para um exercício conjunto de treinamento com 1200 homólogos brasileiros. Esta atividade faz parte de uma série denominada Combined Operation and Rotation Exercise (CORE), que visa à realização de exercícios conjuntos anuais até 2028, alternando o território brasileiro e estadunidense como sede. Mas afinal, o que eles querem por aqui? O que representa este episódio para a política de defesa brasileira?

Cooperação ou hegemonia?

As interações entre os militares dos EUA e do Brasil remetem especialmente ao período anterior à Segunda Guerra Mundial. Desde então, é comum o envio de oficiais brasileiros para cursos de curta duração e especialização naquele país, assim como a participação brasileira em exercícios multilaterais regionais organizados pelos Estados Unidos. Apesar de ambos exércitos destacarem o caráter cooperativo destas atividades, na realidade, elas integram uma dinâmica intrinsicamente assimétrica.

As parcerias e programas militares estadunidenses correspondem, corretamente, aos seus interesses nacionais e aos parâmetros estabelecidos em sua documentação normativa de defesa. As iniciativas de caráter educacional por eles levadas a cabo na América Latina são planejadas e coordenadas pelo Comando Sul. Em outras palavras, as atividades que envolvem financiamento e participação estadunidense na região refletem diretamente os problemas, ameaças e soluções de defesa elaborados pelos EUA.

Aquele país descreve o episódio que originou este texto como um exercício “planejado e dirigido pelo Exército dos Estados Unidos, patrocinado pelo Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), nos níveis operacional e tático com o objetivo de aumentar a interoperabilidade das forças de EUA e Brasil”. A interoperabilidade – aumento da capacidade para a atuação de forma conjunta – remete a uma noção de horizontalidade que não se expressa nem mesmo no texto, pois fica explícita a direção estadunidense, cabendo aos brasileiros a implementação. Na prática, introduzindo e treinando militares de outras nações a partir de uma perspectiva específica, em essência, os EUA exercem, por meio do fortalecimento dos consensos estratégico, tático e operacional, a sua hegemonia regional. São, portanto, relações verticais, com caráter de subordinação.

 A escolha do território onde o exercício foi promovido também reflete interesses prioritários dos Estados Unidos. Para o Departamento de Defesa, treinar na Amazônia é uma importante oportunidade para adquirir conhecimento do terreno e para ampliar suas capacidades de combate em selva.

Esse interesse estadunidense não é novo, mas se intensificou nestes últimos anos, sobretudo no contexto da expressão regional, predominantemente econômica, das disputas globais entre EUA e China; na ampliação das relações entre Venezuela e Rússia, inclusive de natureza militar; e com o aumento da relevância dos temas relacionados a clima e meio-ambiente a partir do governo de Joe Biden.

Como resposta ao percebido desafio a sua hegemonia, os EUA têm mobilizado notadamente o instrumento militar. O Departamento de Defesa – e o Comando Sul, a ele subordinado – tem se destacado na formulação e na discussão pública sobre a estratégia do país para a região, como exemplificado pelo aumento das aparições públicas da comandante Laura Richardson na mídia e nos think tanks. Garantir o acesso aos recursos naturais fundamentais na atualidade é prioridade máxima no Comando Sul. Em entrevista ao think tank CSIS, a comandante indica que a América Latina é de grande importância para a segurança nacional dos Estados Unidos não apenas em razão da proximidade geopolítica, mas também dos recursos naturais.

A general cita como exemplos as terras raras, o lítio, o cobre, o ouro e outros minérios presentes na região. Muitos dos recursos estão na região amazônica compartilhada por oito países: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Venezuela e Suriname. Entre seus planos de ação para garantir a influência na região, a general destaca a importância das “parcerias” entre os militares. De acordo com ela, conferências e exercícios são relevantes, sendo que a cooperação em segurança é o principal instrumento para alavancar a presença regional.

A política externa brasileira e as interações internacionais em defesa

Para analisar o significado do exercício bilateral conjunto é necessário entender também a perspectiva brasileira. Cabe pontuar que a aproximação entre os militares dos dois países ocorre em um momento de retomada de uma política externa que se pretende assertiva. Desde a posse de Lula para o terceiro mandato presidencial existe uma orientação geral voltada para diversificação de parcerias e aumento das relações com o Sul global.

Não há, necessariamente, afastamento dos Estados Unidos, como mostra a escolha do país como terceiro destino presidencial – após visitas a Argentina e ao Uruguai – e primeira viagem para além da América do Sul. O governo atual, contudo, espera gerar maior equilíbrio nas relações com parceiros tradicionais e com parceiros mais recentes, como é o caso dos países que compõem os BRICs: Rússia, China, Índia e África do Sul.

O objetivo de equilibrar as relações com potências do status quo e potências ascendentes, no entanto, enfrenta dificuldades no campo da Defesa. Há empecilhos para superar a dependência que existe em relação aos EUA, de onde vêm grande parte do equipamento, do treinamento, e da própria doutrina. As iniciativas de aproximação com a China são discretas, o que reflete a tendência dos militares brasileiros em preferir a cooperação com a potência já tradicional, e a já destacada ênfase dos EUA em usar o instrumento militar com fator para a manutenção da hegemonia regional.

 A necessidade de interação com potências emergentes não parece internalizada ou desejada pelas forças armadas brasileiras. Apesar do convite extemporâneo aos chineses para a participação em evento oferecido pelo exército que contava com a presença de oficiais de diversas nacionalidades, e ida de oficiais brasileiros à China para tratar do tema, as interações em Defesa ainda são esparsas em comparação ao que ocorre com os EUA e seus parceiros da OTAN na Europa.

Pensar nossa soberania

A mudança da configuração de forças no âmbito global tem efeitos práticos e evidentes para o Brasil, cujo mais relevante foi a firmação da China como principal parceiro comercial, além de parceiro político importante para a consecução de objetivos comuns no âmbito internacional através dos BRICs +. Este desenvolvimento político-econômico contrasta, no entanto, com a permanência e intensificação de velhas dependências no âmbito da Defesa, exatamente em um momento no qual os Estados Unidos buscam instrumentalizar este campo para reafirmar sua hegemonia.

Para a consecução de uma política externa pautada na busca pela autonomia e na construção de relações de cooperação com o Sul global, o Palácio do Planalto precisa ir além do Itamaraty, transformando os marcos da política de defesa, o que só é possível com uma efetiva condução civil sobre o Ministério da Defesa.

*Lívia Peres Milani é pesquisadora de pós-doutorado no Programa San Tiago Dantas (UNESP – Unicamp – PUC-SP), autora de Argentina e o Brasil frente aos Estados Unidos (2003 – 2015): entre a autonomia e a subordinação (Appris), 2012. [https://amzn.to/47S7Vpv]

*Luciana Wietchikoski é pesquisadora de pós-doutorado na UFSC.

*Ana Penido é pesquisadora de pós-doutorado no Programa San Tiago Dantas (UNESP – Unicamp – PUC-SP), autora de Ninguém regula a América (Expressão Popular), 2021. [https://amzn.to/47SiEA7]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Ladislau Dowbor João Lanari Bo Carla Teixeira Marcus Ianoni Sandra Bitencourt José Luís Fiori Ricardo Musse Daniel Costa Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Caio Bugiato Denilson Cordeiro Roberto Bueno Eleonora Albano Gilberto Maringoni Ronald Rocha Érico Andrade Fernão Pessoa Ramos Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão José Costa Júnior Airton Paschoa Maria Rita Kehl Rodrigo de Faria Ricardo Abramovay Sergio Amadeu da Silveira Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Leonardo Sacramento Liszt Vieira José Raimundo Trindade Ari Marcelo Solon Marilena Chauí Michael Löwy Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Heraldo Campos Armando Boito Gabriel Cohn Berenice Bento Mário Maestri Kátia Gerab Baggio Flávio Aguiar Anselm Jappe José Dirceu Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Annateresa Fabris Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Marcos Silva José Micaelson Lacerda Morais Luiz Roberto Alves Marilia Pacheco Fiorillo Chico Alencar Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro Daniel Afonso da Silva Renato Dagnino Dênis de Moraes Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Marcelo Módolo Bento Prado Jr. Tadeu Valadares Marcelo Guimarães Lima Daniel Brazil Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Celso Frederico João Carlos Loebens Afrânio Catani Remy José Fontana Henri Acselrad Valério Arcary Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tales Ab'Sáber Marcos Aurélio da Silva Juarez Guimarães João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Antonino Infranca Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Leda Maria Paulani Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Chico Whitaker José Machado Moita Neto Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes José Geraldo Couto Bruno Machado Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Luciano Nascimento Vladimir Safatle Leonardo Avritzer Valerio Arcary Jorge Branco Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid Lincoln Secco Dennis Oliveira Anderson Alves Esteves João Carlos Salles Fernando Nogueira da Costa João Feres Júnior André Singer Vanderlei Tenório Celso Favaretto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manchetômetro Luis Felipe Miguel Luís Fernando Vitagliano Bernardo Ricupero Paulo Capel Narvai Claudio Katz Luiz Costa Lima Manuel Domingos Neto Roberto Noritomi Gilberto Lopes Rafael R. Ioris Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada