As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O totalitarismo escópico

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

No totalitarismo dos nossos dias, o medo dominante é o medo da invisibilidade. É por aí que o poder dos algoritmos aterroriza todo mundo

O mundo digital jogou a humanidade num novo tipo de totalitarismo. Não há outra palavra para definir a relação entre a massa de bilhões de seres humanos e os conglomerados monopolistas globais, como Amazon, Apple, Meta (dona do Facebook e do WhatsApp) e Alphabet (dona do Google e do YouTube), sem falar nas chinesas.

As pessoas não sabem nada, absolutamente nada, sobre o funcionamento dos algoritmos que controlam milimetricamente o fluxo das informações e das diversões pelas redes afora. Na outra ponta, os algoritmos sabem tudo sobre o psiquismo de qualquer um que acesse um computador, um celular, um tablet ou um simples reloginho de pulso, destes que monitoram exercícios físicos, batimentos cardíacos, pressão arterial, passos e braçadas. Estamos na sociedade do controle total – controle totalitário.

O mais espantoso é que esse controle só se viabiliza graças à docilidade contente das multidões. Em frêmitos de excitação exibicionista, elas escancaram suas próprias intimidades para as máquinas. Em seguida, não satisfeitas com o furor do exibicionismo, entregam-se ao voyeurismo cavernoso para bisbilhotar a vida alheia. Olhando e sendo olhadas, trabalham feericamente a serviço do imenso extrativismo de dados pessoais, que, depois de capturados, são comercializados a preços estratosféricos.

Você não acredita? Pois deveria acreditar. De onde você acha que vem o valor de mercado dos conglomerados? Resposta: vem da captura (gratuita) e da venda dos dados pessoais das multidões. O mundo digital conseguiu a proeza de instaurar uma ordem de vigilância total, em que todos vigiam todos e ainda por cima se deliciam com isso. E quem sai ganhando no fim das contas? Sim, eles mesmos, os conglomerados – ele mesmo, o capital.

Chega de ilusões otimistas. Um pacto de convivência em que os algoritmos enxergam tudo e mais um pouco das privacidades individuais, enquanto os indivíduos nada enxergam dos algoritmos, que são o centro do poder digital, só pode ser chamado de pacto totalitário.

Hannah Arendt ensina que a adesão de todos é uma das marcas distintivas do totalitarismo. Ela viu que, no nazismo e no stalinismo, cada cidadão se apressava em agir como um funcionário da polícia política e delatava até mesmo os familiares. Hitler e Stalin contavam com os préstimos voluntários das pessoas comuns para dizimar dissidentes. “A colaboração da população na denúncia de opositores políticos e no serviço voluntário como informantes”, escreve a filósofa em Origens do totalitarismo, “é tão bem organizada que o trabalho de especialistas é quase supérfluo”.

No totalitarismo descrito pela grande pensadora, o medo impele toda gente a obedecer. Hoje sabemos que o medo não age sozinho. Além dele, existe a paixão: as massas nutrem um desejo libidinal pela figura do líder. “Sede de submissão”, nas palavras de Freud. Há um prazer inconfessável na servidão.

No totalitarismo dos nossos dias, o medo dominante é o medo da invisibilidade. É por aí que o poder dos algoritmos aterroriza todo mundo. Quanto ao desejo, este se manifesta como um arrebatamento imperioso que leva um adolescente a matar e morrer em troca de um instante de holofote sobre o seu nome e sua fotografia. A tara extremada por algum contato, mesmo que remoto, com as estrelas que reluzem nos palcos virtuais leva à sujeição total.

Que o trabalho escravo aflore neste universo de gozo e pânico não surpreende. As pessoas, carinhosa e cinicamente chamadas de “usuárias”, trabalham de graça para as redes. Dedicam horas e mais horas de seus dias plúmbeos para abarrotar as plataformas com seus textos, suas imagens, suas musiquinhas prediletas, seus áudios e suas misérias afetivas. E é precisamente o produto desse trabalho – escravo – que atrai bilhões de outros “usuários”. Os conglomerados não precisam contratar fotógrafos, cantores, atrizes, redatores, jornalistas, nada disso, pois já contam com seus adeptos fanatizados e escravizados. Nunca, em toda a história do capitalismo, a exploração do trabalho – e dos sentimentos – chegou a níveis tão absurdos.

Não surpreende, também, que a propaganda da extrema direita antidemocrática se saia tão bem nesse ambiente. O totalitarismo das redes repele o discurso da democracia com a mesma força que impulsiona mensagens autocráticas. É óbvio. A política democrática precisa de homens e mulheres livres, que tenham autonomia crítica e valorizem os direitos. Esses estão em baixa. A autocracia é o contrário: só se alastra entre grupos violentos, inebriados pelo ódio e impelidos por crenças irracionais, que estão em alta.

Como o totalitarismo dos nossos dias se tece pela exploração e pelo direcionamento do olhar, deve ser chamado de “totalitarismo escópico”. O olhar é o cimento que cola o desejo de cada um e cada uma à ordem avassaladora. Se queremos uma regulação para enfrentá-la, devemos começar por exigir transparência incondicional dos algoritmos. É inaceitável que uma caixa preta opaca e impenetrável presida a comunicação social na esfera pública. Mais que inaceitável, é totalitário.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Heraldo Campos José Micaelson Lacerda Morais Kátia Gerab Baggio Sergio Amadeu da Silveira Gerson Almeida José Costa Júnior Liszt Vieira Leda Maria Paulani Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Henry Burnett João Carlos Loebens Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Valério Arcary Ari Marcelo Solon Marcos Aurélio da Silva Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Luiz Carlos Bresser-Pereira Vladimir Safatle Luís Fernando Vitagliano Roberto Noritomi Paulo Capel Narvai Alexandre de Lima Castro Tranjan Henri Acselrad Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Afrânio Catani Armando Boito Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Ladislau Dowbor André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes Paulo Nogueira Batista Jr Eleonora Albano Anderson Alves Esteves Flávio Aguiar Berenice Bento Salem Nasser Gilberto Maringoni João Adolfo Hansen Marilena Chauí Andrew Korybko Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Carlos Tautz Sandra Bitencourt Luiz Renato Martins Michael Roberts Luciano Nascimento Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Chico Alencar Juarez Guimarães Leonardo Boff Anselm Jappe Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins Mário Maestri José Dirceu Remy José Fontana João Feres Júnior Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Manchetômetro Benicio Viero Schmidt Samuel Kilsztajn Otaviano Helene Daniel Afonso da Silva Slavoj Žižek Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Francisco Pereira de Farias Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes José Luís Fiori Eliziário Andrade Rubens Pinto Lyra André Singer Chico Whitaker Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira Eugênio Trivinho Celso Favaretto Ricardo Fabbrini Ronald Rocha Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Tarso Genro Atilio A. Boron Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Luiz Costa Lima Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco Claudio Katz Roberto Bueno Caio Bugiato Leonardo Sacramento Eduardo Borges Ricardo Abramovay Renato Dagnino Gabriel Cohn Eugênio Bucci João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Luiz Bernardo Pericás Antonino Infranca Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Elias Jabbour Michael Löwy João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Fábio Konder Comparato Antonio Martins Igor Felippe Santos Jorge Branco Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Milton Pinheiro Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Airton Paschoa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada