As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os fundamentalistas estão chegando

Imagem: Luis Quintero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

Falta pouco para a teocracia pautar os discursos de candidatos a conselhos tutelares, vereanças, assembleias legislativas, câmara de deputados e senado

“Avareza. Pecado capital nos leigos, que devem sempre se mostrar generosos para com a igreja”
(Barão de Holbach, Teologia Portátil, 1768).
“Jesus não tem dentes no país dos banguelas”
(Titãs, 1987)

Um espectro que nada tem a ver com solidariedade ronda a República dos Bananas. Nos últimas dias, as redes sociais entraram em pé de guerra virtual e física, por conta das eleições para o Conselho Tutelar, realizadas em todo o país no domingo passado, 1º de outubro. De um lado, candidatos a representar interesses oriundos das suas bases de apoio; de outro, pseudocristãos com o pernicioso hábito de contaminar as pautas de campanha com o pendão fundamentalista.

A julgar pelas ideias pré-concebidas pautadas em dogmas; pelo elevado grau de invencionice de numerosos políticos ou religiosos de fachada; pelo teor das fake news que circularam livremente na internet nos últimos tempos; pela vitória do senso comum sobre o espírito crítico, a chaga teocrática veio para ficar. Assim como direitos e deveres previstos na Constituição viraram letra morta, pode-se dizer quase o mesmo sobre a separação entre Estado e Igreja, sem efeito desde a primeira Carta Magna republicana, homologada em 1891: nunca houve.

Num país que permite a propagação e funcionamento de seitas e templos que não pagam impostos, nada mais obsceno que o desfile de preconceitos, proclamados dentro e fora do parlamento. Ao lado de sujeitos, tidos por religiosos, com extensa carreira política, também há seus líderes midiáticos a desafiar o bom senso com promessas irrealizáveis, mercantilizando a boa-fé alheia em emissoras de rádio e televisão.

Robert Muchembled mostrou que a “materialização” da figura do diabo nas artes, entre os séculos XII e XIII, permitiu à igreja cristã construir um inimigo comum capaz de unificar seus adeptos, a despeito de tantas diferenças. Em contrapartida, desde então, também se multiplicaram os escritores e artistas que questionavam os preconceitos milenares que embalam a igreja e a cega adesão dos fiéis – especialmente aqueles incapazes de perceber os efeitos devastadores provocados pelo fundamentalismo religioso.

No Brasil, como sabemos, Lúcifer ganhou novas cores desde as primeiras décadas da República: primeiro, ele foi identificado ao sindicalismo; depois, à permanente “ameaça comunista”, combatida com afinco pelos capatazes do Tio Sam. Em seguida, Satã passou a ser confundido com qualquer política de inclusão social, para, finalmente, “naturalizar” o argumento de que não basta demolir a laicidade do Estado: é necessário resgatar o monoteísmo fundamental, respaldado por um deus punitivo que não admite crendices cuja mitologia não corresponda à das sagradas escrituras.

Falta muito pouco para a teocracia pautar os discursos de candidatos a conselhos tutelares, vereanças, assembleias legislativas estaduais, câmara de deputados federais e senado. O que nunca está em falta é a santa hipocrisia de cada dia: essa fábrica de ofensas vociferadas pela legião de “homens de bem” com que o reino dos pseudorreligiosos se engrandece e multiplica, à custa da miséria dos milhões de seguidores.

Eis aqui a terra prometida, em que oportunistas e mentirosos contumazes continuam a oferecer objetos “abençoados”, sem qualquer restrição do Estado laico. Graças à Deus, à internet e às radiodifusões não recobriram as áreas mais afastadas e carentes desta neocolônia: talvez haja tempo de escaparmos à reedição dos dez mandamentos, à neo-inquisição e aos autos-de-fé, transmitidos, ao vivo, por canais de streaming.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete falas: ensaios sobre tipologias discursivas (Editora Cancioneiro). [https://amzn.to/3sW93sX]

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Sacramento Jorge Luiz Souto Maior Walnice Nogueira Galvão Claudio Katz Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Osvaldo Coggiola Thomas Piketty Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Berenice Bento Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes Eugênio Trivinho Gilberto Maringoni José Luís Fiori Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves José Geraldo Couto Elias Jabbour Carla Teixeira Michael Löwy Ricardo Musse Ari Marcelo Solon Henry Burnett Paulo Fernandes Silveira Heraldo Campos Alysson Leandro Mascaro Carlos Tautz Ricardo Fabbrini Fábio Konder Comparato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer João Carlos Salles Érico Andrade Chico Whitaker Salem Nasser Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Renato Dagnino Manchetômetro Henri Acselrad Antonino Infranca Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Bernardo Ricupero Otaviano Helene Caio Bugiato Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Annateresa Fabris Milton Pinheiro Flávio Aguiar Valério Arcary Samuel Kilsztajn Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Roberto Bueno Liszt Vieira Dênis de Moraes Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Rubens Pinto Lyra Luiz Bernardo Pericás Gabriel Cohn Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Eduardo Borges José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Daniel Costa João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Juarez Guimarães Vanderlei Tenório Celso Favaretto Michael Roberts Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Chico Alencar Luís Fernando Vitagliano Luiz Marques Rafael R. Ioris Paulo Martins Marilena Chauí Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro Mário Maestri Vinício Carrilho Martinez Ronald Rocha Fernando Nogueira da Costa Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Jorge Branco José Dirceu Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Noritomi Ronald León Núñez Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Ladislau Dowbor André Singer Kátia Gerab Baggio João Feres Júnior André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Daniel Brazil Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Vladimir Safatle Gerson Almeida Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Leonardo Boff Dennis Oliveira Armando Boito Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Tales Ab'Sáber Celso Frederico Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada