Selva

Imagem: Paulo Pasta (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o romance de Paulo Freire

Um dos encantos mais desafiadores – ou um dos desafios mais encantadores? – da literatura contemporânea é o convívio, nem sempre pacífico, de diversas formas e estilos. Estão definitivamente enterrados no século XX os últimos movimentos literários hegemônicos que caracterizavam uma época. Romantismo, Realismo, Modernismo e outros ismos continuam aflorando aqui e ali, porém misturados com novas formas de contar uma história.

É possível se aventurar nos limites da língua, implodir regras gramaticais, flertar com grafismos, buscar sonoridades inusitadas, cruzar as fronteiras entre prosa e poesia, assim como é possível explorar os caminhos da oralidade, da linguagem popular, da recuperação de mitos e tradições ancestrais, jogando novas luzes sobre veios ainda não esgotados.

O romance Selva, de Paulo Freire, se encaixa nessa última categoria. E é impossível não falar da biografia do autor, para uma avaliação mais precisa da obra. Paulinho Freire, como é conhecido, nasceu em São Paulo, em berço letrado. Estudou jornalismo, e motivado pela leitura de Grande sertão: veredas, viajou para o norte de Minas Gerais onde se dedicou ao estudo da viola caipira. Teve um mestre local, Seu Manelim, com quem aprendeu segredos do instrumento, além de roçar, plantar arroz na vazante e torar lenha.

De volta a São Paulo, estudou violão clássico, tocou com muita gente, animou bailes. Excursionou pela Europa e estudou na França, mas a viola e o sertão se impuseram na sua vida. Compôs trilhas sonoras, gravou vários discos, e foi desenvolvendo no palco a arte de contar histórias. Ou causos. Seus shows são um misto de narrativas e composições, onde filtra as várias influências, do erudito ao sertanejo.

O romance entrelaça duas trajetórias distintas. Uma família que abandona o sertão e vai para o Sul por sobrevivência, e que se pulveriza com a morte do pai. Uns morrem, outros se perdem, alguns retornam depois de algum tempo, carregando traumas que não se apagam.

A protagonista do romance é Maria do Céu, Céu, apelidada Selva. Uma jovem que sai de São Paulo, abandonando a família de forma abrupta, e “vira hippie”, nas palavras de uma tia. Experimenta drogas, relacionamentos fugazes, falta de grana e outros contratempos. Interessada em plantas e ervas medicinais, acaba indo parar no sertão do norte de Minas, onde vai estabelecer intensa relação com Teófilo, um dos sobreviventes da primeira saga.

Freire foge da obviedade de um enlace amoroso entre os personagens com um artifício engenhoso. Quando eles se encontram, ele é um sexagenário, e só então percebemos que as narrativas iniciais se dão em épocas diferentes. A relação que se estabelece, portanto, é a de um mestre conhecedor das ervas, cascas e raízes do sertão com uma aprendiz que procura fazer disso algo que dê sentido à sua vida.

Há outros personagens relevantes, como a velha Luduvina, mãe de criação de Teófilo, mestra suprema dos chás, unguentos e poções. Irmãos e irmãs vão ganhando perfil definido, e a sutil chegada de um camelô, uma veterinária e de estudantes de biologia vão alterar o frágil equilíbrio social da pequena comunidade. E os carvoeiros ameaçam no horizonte com a fumaça da destruição.

É claro que Paulo Freire colocou em sua personagem Selva muito de sua vivência, como qualquer bom ficcionista. A linguagem direta, sem floreios, busca a oralidade de seus causos, mas sem perder de vista a dimensão ficcional. Não é um neófito. Já escreveu outros romances, ensaios e relatos de viagem. Escritores que não tocam nenhum instrumento costumam torcer o nariz para músicos que escrevem. É um sentimento mesquinho, frustrado. Contemporâneos do escritor, dramaturgo e compositor Chico Buarque, prêmio Camões, deviam ser menos corporativos (ou invejosos?).

Selva não é um romance perfeito. Há aqui e ali alguma inconsistência, alguns episódios pedem mais detalhes, alguns personagens poderiam ser mais aprofundados. Mas não é assim com os saborosos causos que Paulo Freire está acostumado a contar nos palcos? Quando lemos um cordel, passa pela nossa cabeça que tal personagem deveria ser mais desenvolvido, ou que aquele nó dramático poderia ser mais explorado? Claro que não, embarcamos na fruição da história e só esperamos que seja bem contada. Essa reconquista da oralidade dá outro sabor à complexa elaboração do arco dramático de um romance de 360 páginas, e que emociona em alguns momentos. Como dizem os italianos, “se non è vero, è bene trovato!”

Paulo Freire acrescenta uma cereja ao bolo: em cada capítulo há um QR Code onde você pode ouvir uma trilha sonora, composta pelo autor, para incrementar o clima da leitura. Nem Chico Buarque pensou nisso…

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Paulo Freire. Selva. São Paulo, Editora Bambual, 2021, 360 págs.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Daniel Brazil Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Leonardo Avritzer Flávio Aguiar Francisco Fernandes Ladeira Lorenzo Vitral Ladislau Dowbor Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Michael Löwy Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Anselm Jappe Marilena Chauí Luiz Renato Martins Liszt Vieira Ricardo Musse Armando Boito Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato Everaldo de Oliveira Andrade Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto José Luís Fiori José Geraldo Couto Gerson Almeida Annateresa Fabris Chico Whitaker Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Tadeu Valadares Andrés del Río Ronald Rocha Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Celso Frederico Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Antonino Infranca Rodrigo de Faria Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Luiz Eduardo Soares Sandra Bitencourt Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Vladimir Safatle Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Anderson Alves Esteves Marilia Pacheco Fiorillo Rafael R. Ioris Antonio Martins Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Eliziário Andrade João Carlos Salles Jorge Branco Celso Favaretto Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Bruno Machado Carlos Tautz Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Salem Nasser Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Carla Teixeira Claudio Katz Marcus Ianoni Otaviano Helene Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Paulo Martins Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto Luis Felipe Miguel Dênis de Moraes Francisco Pereira de Farias Luiz Marques Luciano Nascimento Afrânio Catani Eduardo Borges Bento Prado Jr. Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Tarso Genro Juarez Guimarães Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Mário Maestri Marcelo Módolo Henry Burnett Valerio Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Marc Von Der Weid Heraldo Campos Henri Acselrad Michel Goulart da Silva Leonardo Boff Ricardo Abramovay Denilson Cordeiro Eugênio Trivinho Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Antunes Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona João Carlos Loebens Atilio A. Boron André Singer José Dirceu Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos Michael Roberts Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Gilberto Lopes Andrew Korybko José Costa Júnior Milton Pinheiro Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada